1968 FOI “MUITO RUIM”, DIZ HISTORIADOR CARLOS FICO

em Uncategorized.

1968, historiador, atitudes libertárias, mortes, forte repressão, cobertura de fotojornalistas, Evandro Teixeira, Milagre Econômico, aula de fotografia, Amazon, Aulas de fotografia, Focus escola de fotografia, curso de fotografia, aula de fotografia, focus fotografia, escola focus, escola de fotografia, focus fotografia

Apesar de associado a “atitudes libertárias”, ano foi marcado por mortes e forte repressão. Um estudante de medicina cai na Cinelândia, Rio de Janeiro ao ser perseguido por policiais. Foto: Evandro Teixeira

Jornal do Brasil/Pamela Mascarenhas/Rebela Letieri

O período de manifestações pacíficas no Brasil após a morte de Edson Luís durou pouco. Ganhou densidade graças à cobertura de fotojornalistas como Evandro Teixeira. A classe média foi às ruas. Mas o ano “terminou mal”, veio o AI-5, e o “milagre econômico” que beneficiou este grupo.

 Apesar de ser associado a “atitudes libertárias”, 1968 foi “muito ruim”. A leitura é do historiador Carlos Fico, professor da UFRJ e autor dos livros “Além do golpe — Versões e controvérsias sobre 1964 e a ditadura militar” e “O grande irmão — Da Operação Brother Sam aos anos de chumbo”, em entrevista ao JB.

Quem é Edson Luís na memória política brasileira?

Virou um mito. Estudante secundarista pobre, Edson dormia naquele restaurante, sobrevivia em troca de pequenos serviços. O novo bandejão do Calabouço tinha sido inaugurado em agosto de 1967, na Avenida Marechal Câmara, no lugar do velho que existia perto do aeroporto Santos Dumont desde 1952.

Os estudantes protestavam contra a falta de acabamento do novo Calabouço – obra feita às pressas pelo governo Negrão de Lima. Em janeiro de 1968, em um desses protestos, os estudantes conseguiram escorraçar o DOPS. Mas, em março, os agentes voltaram para se vingar com o reforço da PM.

Foi nessa ocasião que Edson Luís foi baleado, pouco tendo a ver com os protestos. A partir daí, as manifestações, tipicamente estudantis, ganharam contornos políticos mais amplos, incrementadas pelos adeptos da luta armada – que usavam o movimento universitário e secundarista para propagar sua causa.

Qual o significado das grandes mobilizações que se seguiram à morte dele?

Muitos confundem aquelas manifestações com a luta armada – é curioso isso. Não há um evento sobre a ditadura militar no qual as fotos de 1968 não sejam exibidas. Eram protestos pacíficos, passeatas, mas muita gente vê aquelas manifestações como luta armada. O “Correio da Manhã” tinha feito um bom investimento em fotojornalismo, contratou Erno Schneider (Prêmio Esso com a foto do Jânio Quadros com os pés trocados).

Em 1968, o “Correio” estampou a agressão da PM ao fotógrafo Alberto Jacó, do “Jornal do Brasil” (com foto de Alberto França, do “Correio”, que a cedeu ao JB). Então, havia a possibilidade dessa cobertura fotojornalística, que o Evandro Teixeira exploraria com maestria.

Ainda não havia a censura que o AI-5 inauguraria no final do ano. Os fotógrafos foram importantes: tinham contatos com os estudantes, sabiam onde as passeatas iam eclodir – antecipavam-se. Criaram uma iconografia prevalecente, de algum modo heroica, romântica. As manifestações duraram pouco, de março a junho, mas ganharam densidade por causa da cobertura jornalística.

Relatos de colegas de Edson Luís gravados para o documentário “Calabouço: um tiro no coração do Brasil” destacam que a morte dele foi o estopim para que a classe média se juntasse ao movimento de repúdio à Ditadura. Por que depois, ao longo dos anos, este movimento se esvaziou? Como vê este momento em que a classe média brasileira se mobiliza a partir da morte de um estudante de uma família pobre do Pará?

A classe média sempre teve posição ambígua. Parte expressiva havia apoiado o golpe de 1964. A carestia do final do governo Castelo Branco a empurrou para a oposição. O assassinato de Edson Luís a impactou, sendo famoso o cartaz que dizia “Mataram um estudante, podia ser seu filho”. A violência da repressão também levou a classe média para as ruas naqueles poucos meses (justamente por causa das imagens fortes publicadas pela imprensa).

Entretanto, 1968 foi o ano que terminou mal, com o AI-5, mas, apesar disso, nos anos seguintes viria o “milagre econômico” e a classe média beneficiou-se dele, apoiando o governo do general Médici.

O que o ano de 1968 significa na história política e social brasileira?

Há forte memória que associa 1968 a atitudes libertárias. Concretamente, entretanto, 1968 foi um ano muito ruim, com mortes de estudantes, assassinatos de militares, prisão de ex-presidente, ataques a teatros, sequestro e espancamento de artistas, roubo de armas militares, etc. O movimento estudantil, radicalizado por lideranças simpáticas à luta armada, frustrou-se com o AI-5. Muitos jovens inexperientes se tornaram facilmente recrutáveis pelas organizações que se autodenominavam revolucionárias. Vários seriam presos a partir de 1969.

A radicalização da repressão aos opositores do regime levou a vários episódios de violência política, como as mortes de Carlos Marighela e Wladimir Herzog. O senhor vê algum paralelo entre o contexto da época e a situação atual no Brasil?

Não vejo paralelo entre 1968 e 2018. Havia muitas expectativas naquelas manifestações de março a junho, que logo se frustraram, além de serem reprimidas com violência. A frustração e a violência marcam a história política brasileira, sobretudo do ponto de vista da esquerda.

Ambas estão presentes hoje. O grande diferencial é que, agora, vivemos uma democracia, apesar de todas as dificuldades. Nosso desafio é evitar qualquer descaminho institucional.

Fonte: https://goo.gl/fLr7NM  

FOCUS – Escola de Fotografia – Desde 1975: https://focusfoto.com.br   

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)