5 passos para fazer ótimas fotos de cenas de ação

em Artigos e Entrevistas, Notícias.

foto panning, foto de ação,  dicas, efeitos, congelar, fundo desfocado, fundo em movimento, foco, postura, movimento do objeto, segredo, girar os quadris,  braços esticados, câmera longe, câmera na mão, teoria, exposição da câmera, borrar o fundo, DSLRs, momento critico, zoom, tela da câmera, laço magnético, editor de imagens, 1/8, escola focus,  1/15 de segundo

Você já viu fotos como esta, em que um carro ou pessoa estão congelados em plena ação, e o mundo ao redor parece um borrão? Esta técnica é denominada por panning. Siga estas dicas para conseguir o mesmo efeito

Se você já tentou fotografar crianças, animais, carros ou aviões em movimento, pode ter se desapontado com os resultados: muitas vezes a imagem não passa a sensação de “ação” que deveria. Esse é o problema em “congelar” a ação, muitas vezes ela fica parada demais.

Felizmente há um antídoto para isso, uma técnica clássica de fotografia conhecida como “Panning”, que permite que o assunto principal da foto esteja em foco, congelado no ato, enquanto o fundo está desfocado. Quando usada corretamente, ela resulta em fotos que passam uma intensa sensação de movimento. Neste artigo, iremos mostrar cinco dicas simples para conseguir fotos muito mais vibrantes.

1. Revise sua postura

A base do panning é acompanhar com o movimento do objeto a ser fotografado com a câmera, com a maior precisão possível, mantendo-o na mesma posição relativa na cena à medida que se move. Você não deve se mover nesse momento, o segredo é girar os quadris. Espace as pernas para que consiga um bom equilíbrio, e leve o visor da câmera ao seu olho. Não tente fazer isso com os braços esticados e a câmera longe de você, ou na altura da cintura. Já vi gente fazer isso, e os resultados não foram lá muito bons.

Também recomendo que você segure a câmera na mão em vez de usar um tripé. Em teoria colocar a câmera em um tripé e deixar a cabeça dele solta para que você possa girá-la e acompanhar a ação parece uma boa idéia, mas na prática é algo difícil de fazer, e você não conseguirá acompanhar o movimento de forma tão consistente quanto se estivesse girando o corpo.

2. Ajuste a exposição

Agora é hora de definir a exposição da câmera. Você vai conseguir os melhores resultados quando a velocidade do obturador for lenta o suficiente para “borrar” o fundo, mas não lenta o suficiente a ponto de ser impossível congelar o objeto a ser fotografado. Lembre-se de que você precisará bater a foto assim que ele passar à sua frente, e continuar a mover o corpo durante a exposição. Muitas câmeras digitais, especialmente as DSLRs, bloqueiam o visor durante a exposição, então você não conseguirá ver nada durante o momento crítico.

Dadas estas limitações, recomendo colocar a câmera no modo Prioridade de Abertura e selecionar uma velocidade do obturador de 1/15 segundo. Pratique com essa velocidade por um tempo, e se conseguir consistentemente fotos boas, tente reduzir a velocidade do obturador para 1/8 segundo. Se você for muito abaixo disso, terá problemas em congelar a ação. Se for acima de 1/15, o fundo pode não borrar como desejado.

3. Afaste a imagem

Não use o zoom para aproximar demais o objeto. Se ficar próximo demais, duas coisas podem acontecer: primeiro qualquer tremor em suas mãos será muito mais evidente e o objeto não irá ficar tão nítido. Segundo, você pode acabar não mostrando o suficiente do fundo da cena, prejudicando o contexto da foto.

4. Luzes, câmera… ação!

É hora de fazer a foto. Como mencionei antes, você deve acompanhar o objeto enquanto ele passa na sua frente, então comece quando ele estiver à sua extrema esquerda ou direita. Gire o corpo seguindo o movimento, e aperte delicadamente o obturador (para evitar tremores na imagem) assim que o objeto estiver no ponto mais próximo de você, ou seja, à sua frente. Continue girando o corpo, acompanhando o movimento, até que você não possa mais vê-lo.

Depois de fazer a foto, confira os resultados na tela da câmera. A prática faz a perfeição, então continue tentando até chegar ao ideal: um objeto nítido e um fundo borrado, passando uma intensa sensação de velocidade.

5. Tente alguns retoques depois

Por fim, alguns retoques nunca são demais. Ajustar um pouco a nitidez pode ser algo desejável, mas se você fizer isso na foto inteira poderá produzir artefatos desagradáveis no fundo. Então apele para um meio-termo: com uma ferramenta de seleção como o Laço Magnético (Magnetic Lasso, comum em vários editores de imagem) isole apenas o objeto fotografado, e aplique um ajuste de nitidez apenas nele usando uma opção como Unsharp Mask (Máscara de Desaguçar, em português). Vá com calma, aplicando um pouquinho de cada vez, até a imagem ficar a contento.

Fonte: http://goo.gl/m1CDK


Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: G1 - 12/03/2020)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)