7 DICAS PARA FOTOGRAFAR RETRATOS DE ALTA QUALIDADE

em Artigos e Entrevistas, Equipamentos.

Fotografar, retratos, alta qualidade, começando na fotografia, técnica, fazer retratos, profissional, melhor abertura, distância focal, efeitos, fotografia escolas, amazon, Focus escola de fotografia, aulas de fotografia, cursos de fotografia sp, escolas de fotografia EAD, escola focus, cursos de fotografia presencial SP, Enio Leite, curso de fotografia online, aula de fotografia, fotografia profissional, focusfoto, fotografia notícias

Se você está começando na fotografia, e tem dúvidas sobre qual a melhor técnica para fazer retratos, confira esse guia completo e descubra como ser um profissional de verdade

Priscilla Kinast/Oficina na Net

E você está apenas começando a fotografar retratos, provavelmente se perguntou qual é a melhor abertura e a distância focal a ser usada?

Para ajudar a responder a essa pergunta, mostraremos como alterar a abertura e a distância focal podem produzir efeitos muito diferentes com seus assuntos.

Ajudaremos você a decidir se deseja que seus assuntos sejam separados (ou parte deles) da paisagem ao seu redor e, em seguida, obtenha a distância focal apropriada para o estilo de retrato que você pretende tirar.

7 DICAS

  1. Distância focal

A lente desempenha um papel vital na criação de um belo retrato. Não há necessariamente uma lente certa ou errada para usar, mas sim a mais apropriada para o assunto e a localização. Leia em destaque: Os diferentes formatos de arquivo de música explicados.

Às vezes você pode querer mostrar mais sobre o fundo em torno de seu assunto, para um retrato ambiental, enquanto em outras vezes, você pode querer borrá-lo para tornar seu assunto o foco supremo de atenção.

Além de afetar quanto do fundo é visível em suas fotos, diferentes distâncias focais afetarão a forma e as proporções do rosto do seu assunto. Uma distância focal de grande angular pode até dar um efeito de caricatura, se usada incorretamente, enquanto uma distância focal de telefoto pode dar um resultado mais lisonjeiro.

Embora seja desejável usar uma lente boa e rápida, elas têm um custo alto, e é importante lembrar que você pode obter resultados impressionantes com lentes de kit e zooms padrão também.

Não é apenas uma questão de distância focal: A abertura que você seleciona também é importante. Veja abaixo como você pode usar a profundidade de campo para controlar quais partes de uma imagem aparecem em foco.

  1. Abertura

Fundo borrado

Uma abertura ampla como f / 4 ou f / 2.8 (ou se você estiver usando uma aceleração rápida, f / 1.8 ou f / 1.4) criará uma boa profundidade de campo. Isso significa que as áreas antes e além do ponto de foco que também parecem nítidas serão muito pequenas.

Isso é ideal se você quiser desfocar o fundo, mantendo apenas o assunto aguçado. No entanto, você precisa ter certeza de que seu foco é nítido. Concentre-se nos olhos.

Uma abertura de f / 8 (ou algo bem próximo disso) pode lhe dar o melhor dos dois mundos. Geralmente, há uma profundidade de campo estreita o suficiente para criar uma sensação de separação do plano de fundo, e o foco é mais tolerante, enquanto é menos provável que você tenha que comprometer a velocidade do obturador ou a ISO. Se você estiver usando uma configuração com luzes de estúdio, essa abertura média é um bom ponto de partida.

Tudo afiado

Uma abertura muito pequena, como f / 22, é ótima se você quiser que outros objetos no quadro também apareçam em foco. Um exemplo é quando o modelo está no fundo desta foto.

No entanto, fotografar com pequenas aberturas significa que você precisará usar uma velocidade de obturador mais lenta, o que pode exigir o uso de um tripé para evitar o desfoque, ou aumentar o seu ISO, que apresentará ruído (granulação).

  1. Lentes

Lente grande angular de 24mm

 Uma grande angular não é normalmente a lente ideal para retratistas. Mesmo as melhores lentes de grande angular podem ser menos que lisonjeiras para o sujeito, como se você estivesse muito perto, o nariz e a testa pareceriam maiores.

As lentes grande angulares têm seus usos na fotografia de retrato. Embora não sejam ótimas para retratos, eles são perfeitas para fotos da paisagem, as quais você quer mostrar alguém ao seu redor, e podem mantê-los relativamente pequenos no centro do quadro.

Uma teleobjetiva curta é tipicamente a distância focal favorita do fotógrafo de retratos – com algo em torno de 56mm em uma câmera com um sensor APS-C, ou 85mm em um modelo full-frame sendo ideal.

É tão relevante a distância entre sua câmera e o assunto, quanto a perspectiva que você tem. Uma 85mm normalmente dá uma distância de trabalho confortável entre o assunto e o fotógrafo.

Lente teleobjetiva de 200mm

 Uma distância focal longa pode ser uma ótima opção para retratistas, pois comprime a perspectiva. Isso muitas vezes pode ser mais lisonjeiro para o seu assunto. Também é mais fácil criar um fundo desfocado com uma lente telefoto.

Portanto, se você também estiver usando uma abertura ampla, como f/2.8, poderá obter resultados impressionantes, já que a parte desfocada da imagem também pode ficar bonita.

  1. Compensação da exposição

O sistema de medição da sua câmera desempenha um papel vital na fotografia. Ele calcula quanta luz deve entrar na câmera para fazer uma exposição correta. É muito inteligente, mas não é completamente infalível. O problema com os sistemas de medição multi-zona é que é necessária uma leitura média, e essa leitura é considerada um meio-tom, ou em outras palavras, entre branco e preto.

Mais frequentemente esta suposição dar certo, porém, um sistema de medição pode dar errado quando um quadro é dominado por áreas de extrema luminosidade ou escuridão.

Ao fotografar retratos, tons de pele claros podem facilmente enganar a câmera para subexpor a foto. Você notará isso mais quando estiver fazendo fotos de rosto inteiro, ou quando houver muito branco na cena – mulheres com vestido de noiva são um ótimo exemplo.

Isso pode ser rapidamente corrigido com os controles de Compensação de Exposição da sua câmera. Para começar, tente discar até +1 ponto da Compensação de Exposição positiva, para iluminar os rostos das pessoas. Revise suas fotos, e se você sentir que elas precisam ser mais iluminadas, aumente a exposição ainda mais.

  1. Aumente o ISO

As pessoas se movimentam muito enquanto são fotografadas, para não mencionar o piscar de olhos, além de constantemente mudarem suas expressões faciais. E não há nada pior do que fazer uma foto de alguém que pisca!

Para evitar esses problemas, e para evitar que o borrão de movimento apareça, você precisará usar uma velocidade rápida do obturador. Isso também ajudará a garantir fotos nítidas e evitar a trepidação da câmera, porque na maioria das vezes você estará fotografando segurando a máquina.

No modo Prioridade de Abertura, mantenha uma abertura ampla, para aumentar a velocidade do obturador. Aumente sua ISO (de ISO100 para ISO400, por exemplo).

Com pouca luz (interna e externamente), você pode precisar aumentá-la para ISO 1.600, 3.200 ou até 6.400. Uma pequena granulação é infinitamente melhor que uma foto desfocada e inútil.

  1. Composição Criativa

Não seja preguiçoso com suas composições. Muitas vezes, os fotógrafos se afastam, pensando que é melhor incluir tudo, ou pelo menos a metade superior do assunto.

Dê um zoom em vez de preencher o quadro para uma composição fotográfica mais inspirada. Posicionar seu assunto em um lado do quadro, com “espaço para olhar”, é uma ótima técnica para dominar, já que está experimentando grandes aberturas para capturar uma profundidade de campo muito rasa.

  1. Use refletores

Uma maneira rápida e acessível de iluminar seus retratos e dar a eles uma aparência profissional é usar o refletor. Use-os dentro de casa (perto de janelas) ou ao ar livre, para refletir a luz sobre os objetos e preencher sombras indesejáveis.

Muitos refletores vêm em frente e verso, ou com capas destacáveis, para que você tenha uma escolha de superfícies refletivas em branco, prata e ouro. As superfícies brancas dos refletores também podem funcionar como difusores para suavizar a luz do sol forte e direta.

Se você não pode comprar um refletor, você pode fazer um refletor simplesmente usando uma grande folha de papelão branco – que você também pode cobrir com papel alumínio para um efeito prateado!

E você, está experimentando fotografar retratos? O que achou dessas dicas? Deixe sua opinião na sessão de comentários, e se tiver mais dicas, fique a vontade para nos informar delas!

Fonte: https://goo.gl/Fduiz3

Aproveite para rever mais dicas sobre fotografia e lentes nas suas apostilas, bibliografias e vídeos das aulas de fotografia dos cursos profissionalizante da Escola Focus.

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)