A EVOLUÇÃO DA FOTOGRAFIA

em Artigos e Entrevistas, História da Fotografia.

evolução da fotografia, focus escola de fotografia
Desde os primeiros registos fotográficos, nos finais do século XIX, até o presente muitas foram as alterações da fotografia, não só no que concerne a tecnologia, mas também o seu valor social.

Carmo Marques/Crônica/Jornal
Madeira

Antes dela, apenas os
ricos ou nobres tinham a possibilidade de deixar aos vindouros uma imagem da
sua pessoa, encomendada a um pintor que muitas vezes se esforçava por amenizar
os traços menos belos da fisionomia do retratado.

A fotografia democratizou
o registo da imagem, tornando-a acessível e acrescentando-lhe inegável
importância na sua função social. Como exemplo, lembremo-nos de como, já o
século XX passava da metade, eram ainda frequentes os namoros e noivados acordados
na distância e a fotografia, a que popularmente se chamava o retrato, o único
conhecimento do noivo ou da noiva que havia de chegar para a celebração do
matrimónio ou, bastas vezes, até após este, já que o casamento por procuração
era prática mais ou menos comum nas comunidades de emigrantes que buscavam a
sorte noutras paragens, mas parceira certa para a vida só na terra mãe.

Por essa altura ia-se ao
fotógrafo, onde um cenário de fundo compunha o enquadramento. Aprimorado o
traje e o penteado, o fotógrafo ajeitava a inclinação do corpo e impunha uma
torção, algo incómoda, ao pescoço que havia que manter a todo o custo, por toda
a eternidade que o profissional demorava a colocar-se por detrás da câmara para
fazer o disparo libertador. Eram retratos a preto e branco, aos quais o
fotógrafo poderia acrescentar, depois, uns ligeiros apontamentos de cor,
rosando as faces e os lábios ou acetinado a pele exposta.

Durante o século XX, a fotografia foi progressivamente saindo do estúdio do fotógrafo. O registo de imagens através de câmaras cada vez mais sofisticadas, mas mais simples no manejo, ficou à mão de quase todos. O recurso aos profissionais de fotografia restringiu-se às reportagens de casamento ou outros eventos solenes e à revelação dos rolos de negativos em que passamos a registar tudo o que achávamos bonito, ou os momentos especiais.

Como era grande a expectativa com que íamos buscar as fotos, e quanta a desilusão ao constatarmos que muitas haviam ficado desfocadas, tremidas ou que nos haviam registado no preciso momento em que fazíamos o trejeito que nos mostrava feios. Nada que nos desmotivasse, porque já outro rolo enroscado no interior da máquina aguardava outras vivências especiais. Até porque, numa operação de mercado, era comum as várias lojas de fotografia oferecerem um novo rolo no ato de pagamento da revelação.

 Por essa altura, a fotografia era já muito
mais do que o retrato e usávamo-la para deleite pessoal, para mais tarde
recordar, dizíamos. Guardávamo-las em álbuns silenciosos, melhor ou pior
organizados, conforme o gosto e a persistência de cada um.

Hoje vivemos num mundo
inundado por imagens. Todos temos no bolso a possibilidade de fotografar ou
filmar tudo, a toda a hora; de ensaiar poses e fazer todas as tentativas até
captarmos a nosso melhor ângulo. A fotografia deixou de ser o registo do momento
que queremos perpetuar e passou a ser o testemunho imediato da felicidade:
estou feliz, então fotografo-me e partilho com o mundo. Estou no arraial, na
festa de qualquer coisa, no concerto do ano: fotografo-me com o petisco no
prato ou com o palco em fundo, e zás!

]Com sorte, ainda consigo
uma ‘selfie’ ao lado do artista, qual cereja sobre o bolo; qual selo branco de
autenticação de presença! Mostrar que estivemos em determinado evento e o
quanto nele nos divertimos ganha preponderância sobre o, simplesmente,
apreciá-lo. É uma febre de animação constante que se alevantou, um rodopio de
felicidade coletiva que se quer anunciar sem delongas. O retorno em “likes” dos
amigos não se fará esperar, para ampliar essa alegria de nunca estarmos sós
mesmo que estejamos sozinhos.

Fonte: https://bit.ly/2XjjwNy

Aproveite para conferir mais
notícias sobre fotografia no blog da Escola Focus.

#evolução_fotografia #exposições_fotografia
#fotografia_notícias #fotografia_casamento #focus #focus_escola_de_fotografia  #focusfoto #focus_fotografia
#alunos_fotografia #cursos_fotografia #escolas_de_fotografia   #aulas_fotografia  #enio_leite  #cursosdefotografia

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)