Acidente de Lady Di é cercado por diversas teorias conspiratórias

em Artigos e Entrevistas, Dicas & Tutoriais.

Acidente de Lady Di, teorias conspiratórias, trágico epsódio, serviços secretos britânicos,

Muitos chegaram a pensar que o trágico episódio teria sido, na verdade, um complô orquestrado pelos serviços secretos britânicos com o aval do príncipe Philip

O Estado de S.Paulo

PARIS – Complô, atentado, ação direta dos paparazzi… O acidente de carro no qual morreu a princesa Diana deu lugar a todo tipo de teoria conspiratória. Contudo, dois investigadores independentes concluíram que se tratou apenas de um trágico acidente.

No dia 31 de agosto de 1997, à 0h26, a Mercedes que levava Lady Di bateu com força total na 13.ª pilastra do túnel da Ponte d’Alma no 8.º distrito de Paris. Seu companheiro, Dodi Al-Fayed, e o motorista Henri Paul não resistiram ao choque, e Diana morreu algumas horas depois. Seu segurança Trevor Rees-Jones foi o único sobrevivente.

Uma investigação foi aberta pela Justiça francesa. Os fotógrafos, que perseguiam o casal desde sua chegada a Paris, foram questionados, já que seu comportamento poderia ter forçado o motorista a dirigir acima da velocidade. Nove fotógrafos e o motorista foram acusados. Depois de dois anos de investigação, foram absolvidos em um veredicto confirmado pela Corte de Cassação em 2002.

Acompanhada pela imprensa do mundo inteiro, a investigação concluiu que foi um acidente. O comportamento de Henri Paul – sob efeito de álcool e antidepressivos – e a velocidade da limusine – entre 126 e 155 km/h na entrada do túnel – explicaram a perda de controle do veículo.

Atentado, ação direta, investigadores independentes, trágico acidente, Justiça Francesa, Paris, fotógrafos, paparazzi, escola focus,

O acidente de carro no qual morreu a princesa Diana deu lugar a todo tipo de teoria conspiratória Foto: AFP PHOTO / PIERRE BOUSSEL e REUTERS/Michael Crabtree

A tese de um complô – que teria sido orquestrado pelos serviços secretos britânicos com o aval do príncipe Philip, marido da rainha Elizabeth II – foi descartada. Essa hipótese chegou a ser cogitada pelo pai de Dodi, o bilionário egípcio Mohamed Al-Fayed. Uma outra investigação, realizada de 2004 a 2008 no Reino Unido, também concluiu que se tratou de um “trágico acidente”.

Veículo misterioso

As investigações revelaram que a Mercedes colidiu com um veículo pouco antes do acidente. Vestígios de tinta foram encontrados na limusine e na parede do túnel.

Um casal francês que estava perto do local do acidente contou à polícia que viu um Fiat Uno branco. Cerca de três mil proprietários desse modelo de automóvel foram interrogados pela polícia, sem resultado, alimentando as teorias conspiratórias.

Em 2007, o motorista foi identificado. “O Fiat não foi responsável pelo acidente, mas foi atingido durante o episódio”, revelou uma fonte próxima.

Mercedes

Um livro intitulado “Quem matou a princesa Diana?”, publicado em maio pela editora Grasset, revelou que o Mercedes que levava Diana teve uma história agitada.

O primeiro proprietário do carro, o magnata da publicidade Eric Bousquet, comprou-o em 1994. Três meses depois, ele foi roubado antes de ser encontrado em um terreno perto do aeroporto parisiense Charles de Gaulle.

O veículo foi totalmente consertado e comprado por € 40 mil pela Etoile Limousine, a companhia de limusines e veículos de luxo que alugou o carro para o hotel Ritz. Foi lá que Diana e Dodi Al-Fayed jantaram na noite trágica.

“Confiamos neles. Nos disseram que havia sido usada por um dos diretores da Mercedes França”, disse o diretor da companhia, Jean-François Musa. “Mas, rapidamente, nos demos conta de que o veículo tinha problemas quando passava dos 70-80 km/h”, completou.

O carro foi enviado para a Mercedes, que garantiu, porém, que estava funcionando normalmente. “Usaram peças incompatíveis para reparar o veículo?”, questionou Musa, garantindo que os investigadores da morte da princesa nunca o interrogaram sobre isso.

Quatro meses antes do acidente, o carro foi roubado novamente, antes de ser abandonado em uma autoestrada. Foi enviado para uma concessionária que fez reparos de cerca de € 17 mil e devolvido ao grupo Etoile Limousine e ao Ritz, onde foi escolhido para levar Diana.

Apesar disso, durante a investigação, nunca se falou sobre uma eventual responsabilidade da Etoile Limousine ou da Mercedes.  France. / AFP

Fonte: https://goo.gl/5nwppc

FOCUS Escola de Fotografia –  http://focusfoto.com.br
Conheça os novos cursos da Focus: http://focusfoto.com.br/cursos/

Confira opinião de Ex-Alunos: https://goo.gl/yRlkM9
Fale com a Focus: [email protected]
Veja TCC de Alunos: https://goo.gl/TMVuLD

Seja fotografo regulamentado
Obtenha seu registro Mtb de fotografo profissional
Escola Focus: Referência em ensino de fotografia

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)