Afinal, os megapixels são tudo em uma câmera digital?

em Artigos e Entrevistas.

Megapixels, câmera digital, quantidade de pixels, fator decisivo, qualidade das fotos, sensores, fotógrafo profissional, imagem visível, processamento da imagem, chipsets avançados, abertura do diafragma, velocidade do obturador, ISO, fotos nítidas,, aulas de fotografia sp, fotografia contemporânea, focus, escolas de fotografia sp, cursos de fotografia sp, focus escola de fotografia, cursos de fotografia online, cursos de fotografia profissional, aulas individuais de fotografia, melhores escolas de fotografia no Brasil, escola de fotografia focus,

Close nos pixels da foto de um girassol

O que são megapixels?

O valor de megapixels é bastante simples de entender: significa a quantidade de pixels – aqueles pequenos quadradinhos das imagens que representam o menor elemento indivisível de uma figura – que vai haver em uma fotografia captada pelo sensor do dispositivo. Por exemplo, uma câmera capaz de produzir fotos com resolução de 3.000 pixels por 2.000 pixels pode ser considerada um aparelho de 6 megapixels, pois 3 mil multiplicado por 2 mil dá 6 milhões (de pixels), ou seja, 6 megapixels.

Assim, se sua intenção é imprimir suas fotos em papel com a metade do tamanho A4, até uma câmera de 2 ou 3 megapixels daria conta do recado

É claro que o valor de megapixels de uma câmera tem sua importância. Um dispositivo de 6 megapixels é capaz de produzir imagens muito mais detalhadas do que outras de indicador inferior. Ela vai registrar o dobro de pixels em uma imagem do que uma câmera de 3 megapixels, por exemplo, e, quanto mais unidades mínimas dentro de um mesmo “espaço”, mais detalhes podem ser vistos.

Assim, se sua intenção é imprimir suas fotos em papel de tamanho normal (aproximadamente 10 x 15 cm), até uma câmera de 2 ou 3 megapixels daria conta do recado, visto que a resolução dessas fotografias é de mais ou menos 1205×1795 pixels. Já imagens que serão apenas visualizadas no computador, até 1 megapixel seria suficiente. Para impressões maiores, recomenda-se um valor de megapixels mais elevado.

O mito dos megapixels

Já que os megapixels de uma câmera não são um fator decisivo para a qualidade de suas fotos, por que os fabricantes lançam todo ano novos dispositivos com esse valor cada vez maior? Simples: jogada de marketing para vender mais produtos. A sensação de que uma câmera digital vai ser melhor se tiver 20 MP em vez de 10 faz com que as pessoas optem por trocar seus aparelhos sem uma avaliação mais profunda.

Quanto mais pixels você coloca em um sensor sem alterar seu tamanho, menos luz será captada por ele em cada pixel

Inclusive, em alguns casos, mais megapixels podem tornar uma foto pior. Para produzir uma fotografia, a câmera precisa absorver a luz através das lentes e ser registrada pelo sensor. Geralmente, quanto mais luz houver, melhor é a imagem captada. Porém, quanto mais pixels você coloca em um sensor sem alterar seu tamanho, menos luz será captada por ele em cada pixel, pois uma grande quantidade “não caberia” em um sensor pequeno.

Mas se os megapixels de uma câmera não são tudo, em quais outras coisas deveríamos prestar atenção na hora de comprar uma boa câmera?

Os sensores

São os sensores que processam a informação luminosa da cena que vai virar foto. A luz passa pela lente e é registrada como informação digital em sua câmera justamente por meio desse dispositivo. Quanto maior o sensor, melhor costuma ser a fotografia. Como já explicamos anteriormente, esse tamanho permite que as imagens possuam mais pixels e mais luz consiga ser captada. É o sensor que faz as câmeras de alguns celulares serem um pouco saltadas.

Enquanto nos dispositivos analógicos a luz “queimava” a imagem no filme, esse papel agora é do sensor: ele vai captar a iluminação do ambiente e da cena fotografada

Vale lembrar que existem dois tipos de sensores para câmeras de celular: o CCD e o CMOS, que geralmente está presente em dispositivos móveis mais modernos por serem mais complexos e, por consequência, mais caros. Se você perguntar para um fotógrafo profissional qual é a parte mais importante de uma câmera digital, ele vai dizer que é o sensor.

O sensor serve como o filme da câmera digital. Enquanto nos dispositivos analógicos a luz “queimava” a imagem no filme, esse papel agora é do sensor: ele capta a iluminação do ambiente e da cena fotografada e a transforma em uma imagem visível. Se ele for maior, poderá processar mais megapixels com mais luz e criar uma fotografia mais bonita.

O processamento do dispositivo

Todos os aparelhos capazes de tirar fotos, seja uma câmera digital individual ou um smartphone, possuem um sistema de processamento, que serve como o “cérebro” do aparelho. Quanto mais poderoso for esse processamento, melhores serão as suas fotos. Celulares mais modernos possuem chipsets avançados e processadores gráficos específicos para a produção de fotos mais nítidas e limpas.

A utilização de um processador gráfico ajuda muito na qualidade de suas fotos. Com ele, seu aparelho não depende apenas de um software para renderizar as imagens, mas vai poder contar com um hardware mais forte que não vai sobrecarregar o chipset principal do smartphone. Isso também serve para uma câmera digital, que mesmo focada apenas nessa função, precisa de um bom poder de processamento.

Recursos adicionais e sua habilidade

Se você é ligado em fotografia, deve conhecer alguém ou ter um amigo que consegue tirar fotos incríveis com dispositivos relativamente simples. Você pode até achar que é sorte ou uma questão de “dom”, mas existem várias “manhas” que você pode dominar para fazer fotos melhores. Dê uma olhada nas configurações de sua câmera digital para ver as opções de ajustes disponíveis e, com um pouquinho de conhecimento, você vai poder pagar de fotógrafo (quase) profissional!

No geral, um ISO baixo é o ideal, mas isso depende muito da quantidade de luz disponível na cena

A primeira coisa importante que você deve configurar é o ISO. Essa medida faz referência a quão sensível uma câmera é à luz disponível. Quanto maior o número ISO, maior é a sensibilidade. Porém, um ISO alto resulta em ruído nas fotos, o que produz aquele efeito granulado. No geral, um ISO baixo é o ideal, mas isso depende muito da quantidade de luz disponível na cena.

É necessário também entender um pouco sobre a abertura do obturador, que é o que define a quantidade de luz que a lente deixa entrar para o sensor captar. Quanto menor o valor da abertura – geralmente um valor numérico após uma letra f –, mais luz entra, o que é melhor para a foto. A abertura também faz variar a profundidade de campo, possibilitando desfocar o fundo da imagem. Nesse caso, quanto menor a abertura, melhor. Vai da sua experiência definir o que é mais interessante em cada momento.

Quanto maior for esse tempo, maior é a quantidade de luz que entra. Porém, isso também torna a câmera mais vulnerável a tremidas e borrados. Em câmeras de ação, como as GoPro, nas quais a velocidade de captura é importante, uma velocidade do obturador alta é o ideal. Em fotos noturnas de objetos parados, uma exposição mais longa vai produzir resultados melhores.

Bom, basicamente é isso: da próxima vez que você for em busca de uma boa câmera digital para registrar aquilo que você quiser, não se prenda apenas aos megapixels. Busque informações sobre o sensor do dispositivo, sobre o poder de processamento e a possibilidade de experimentar todos esses recursos citados neste artigo. Assim, você vai conseguir produzir fotografias melhores, além de evitar gastar muito dinheiro com megapixels desnecessários.

Fonte: https://goo.gl/vLyE6L 

Gostou? Veja + no Blog da Focus: http://focusfoto.com.br/blogs/  

FOCUS Escola de Fotografia –  http://focusfoto.com.br
Conheça os novos cursos da Focus: http://focusfoto.com.br/cursos/

Confira opinião de Ex-Alunos: https://goo.gl/yRlkM9
Fale com a Focus: [email protected]

 Seja fotografo regulamentado
Obtenha seu registro Mtb de fotografo profissional

 Referência em ensino de fotografia
“Faça bem feito, faça Focus! – Desde 1975” 

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)