As 10 maiores mentiras que os clientes contam

em Artigos e Entrevistas, Dicas & Tutoriais.

 mentiras, clientes, trabalho barato, freelancers iniciantes, motivação, qualidades, projeto, despesas, trabalho, problemas, contrato, relacionamento, visibilidade, divulgar seu trabalho, desconto, versão final, clientes fantásticos, fotografia, (11) 31072219, aula de fotografia, curso de fotografia, focus fotografia, focus escola de fotografia, escola de fotografia focus, Focus, escola focus, curso de fotografia focus, curso fotografia focus sp, escola focus de fotografia, escola focus são paulo, registro Mtb fotógrafo profissional, enio leite, escola focus são paulo, escola fotografia Tatuapé sp, cursos de fotografia online, aula de fotografia, aulas de fotografia sp, fotografia curso, dicas de fotografia, frases de fotografias, cursos de fotografia a distância EAD, escola focus de fotografia, curso de fotografia sp, cursos de fotografia sp,

Leia com atenção para que da próxima vez que escutar alguma destas mentiras possa reagir a tempo e “fugir” desse tipo de clientes

1. “FAÇA ESTE TRABALHO BARATO E DEPOIS TERÁ PROJETOS MAIS CAROS” Mentira pura. O cliente que não é capaz de respeitar o seu tempo no primeiro projeto dificilmente fará isso no segundo ou no terceiro. Este tipo de cliente é “sanguessuga” do seu tempo: quando menos esperar estará trabalhando horas a fio a troco de muito pouco. Eles adoram trabalhar com freelancers iniciantes, que estão repletos de motivação e querem mostrar as suas qualidades. Eles geralmente não conseguem ter relações de longo prazo, muito por culpa daquele segundo trabalho mais bem pago que não surge. A estes clientes nem sequer deve ser dada uma segunda oportunidade. A única exceção é mesmo quando estiver trabalhando com alguém conhecido, que está no início de um projeto e que você sabe que pode confiar. Caso contrário, a sua resposta inicial deve ser sempre “não”. Uma das formas de ter certeza que aquele segundo trabalho não vai surgir é perguntar ao cliente se já tem ideia que gênero de projeto será esse. Se ele não tiver sequer ideias do tipo de projeto é porque realmente não existe esse trabalho melhor remunerado.

2. “SE ACEITAR ESTE PROJETO GRATUITAMENTE, OUTROS APARECEM” Parece ótimo a longo prazo mas é mais uma mentira do cliente que você não deve acreditar. Um cliente correto paga desde o primeiro dia. Se ao início ele já está tentando não ter despesas com você, imagine no futuro! Uma das estratégias para contornar esta situação é fazendo a seguinte proposta: “Na verdade não posso aceitar trabalhar de graça para você. As minhas contas para pagar estão aí e não posso esquecer isso. Porém, gostaria mesmo de trabalhar com você. O que acha de trabalharmos neste primeiro projeto com um desconto de 10% e nos próximos trabalharemos com o valor normal? Desta forma, você gasta menos e eu garanto o primeiro contato com a sua empresa”. Se mesmo assim o cliente quiser que você trabalhe de graça, chegou o momento de você saltar fora.

3. “FAREMOS UM CONTRATO DEPOIS” A confiança é algo que se constrói com o tempo. Ninguém conhece outro ser humano e passa a confiar inteiramente nele em poucas horas ou dias. É impossível! Então me explique isto: por que motivo muitos freelancers confiam nos clientes apesar de terem poucas horas de relacionamento com ele? É algo que não consigo compreender mas acontece. E é por isso que muitos profissionais, mais tarde, acabam por se arrepender pelo fato de não terem feito qualquer acordo escrito com o cliente. “Fazemos um contrato depois” é outra mentira muito comum mas que pode ser resolvida facilmente. Eu não sou fã de contratos e nunca fui, apesar de ter publicado neste artigo um exemplar do mesmo. Porém, aconselho sempre que deixe os pontos acertados por escrito, mais propriamente através de um e-mail. Defina bem o trabalho que vai ser feito, de quanto em quanto tempo vai ser feito, qual a estratégia utilizada, etc. Deixe tudo bem pormenorizado de forma que no futuro não existam problemas. Deixar para depois algo escrito é o mesmo que pedir para não ser pago.

4. “NÓS NÃO PRECISAMOS DE UM CONTRATO. SOMOS AMIGOS” Ser amigo não é mais um motivo para não ter contrato, mas sim mais uma razão para ter contrato! Um contrato será uma forma de manter saudável a relação pessoal, tal como expliquei neste post. Não caia no erro de não deixar algo escrito apenas porque são amigos ou familiares. Explique, calmamente, que essa é uma forma de manterem o vosso relacionamento como antes e é apenas uma forma de prevenir o que possa acontecer. Deixe claro que este contrato não deve ser visto como falta de confiança, mas sim como uma forma de prevenir problemas no futuro.

5. “ESTA SERÁ UMA EXCELENTE OPORTUNIDADE PARA DIVULGAR O SEU TRABALHO” A frase preferida dos clientes e aquela que mais me tira do sério. Nesses momentos só dá vontade de mostrar esta imagem. Trabalhar para divulgar o seu trabalho e para ganhar experiência é comum, mas isso deve acontecer poucas vezes e apenas no início da sua carreira. De resto, cabe ao freelancer “educar” o cliente e avisar que o seu trabalho deve ser pago.

6. “SE TRABALHAR PARA MIM TERÁ GRANDE VISIBILIDADE” É uma desculpa muito parecida com a anterior mas é contada de uma forma muito mais suave. Neste caso você não vai apenas divulgar o seu trabalho: você vai ganhar muita visibilidade. Isto porque o cliente considera (muitas vezes erradamente…) que aquele trabalho será visto por grandes empresas e esses mesmas empresas vão encontrar em contato com você. Apesar de na prática isto parecer perfeito e em alguns casos até funcionar, a verdade é que isso não traz comida para a sua mesa nem dinheiro para pagar as suas contas. Ok, se o trabalho for realizado por um valor mais reduzido e a marca garantir visibilidade, a história é outra. Porém, na maioria dos casos, essa visibilidade “morre” rapidamente. O cliente do cliente vê que aquele projeto que foi realizado por você, ele até gosta mas o processo de entrar em contato com você e fechar o acordo ainda é muito alargado. Centenas de “possíveis-clientes-que-estão-vendo-seu-trabalho” ficam pelo caminho. Por isso, não caia nessa. E mais uma vez volte a adotar a tática que expliquei nos pontos anteriores: no máximo, faça um desconto. Não mais do que isso.

7. “PAGO QUANDO VOCÊ ME ENTREGAR A VERSÃO FINAL” Grande parte dos clientes cumprem com esta promessa, mas a verdade é que uma pequena parte não…E nesse momento acredite que você estará em maus lençóis. É muito difícil reaver o dinheiro de um cliente que está a vários quilômetros de distância. Você até poderá contratar um advogado para tratar dessa questão, mas será sempre um processo dispendioso, trabalhoso e muitas vezes não compensa. Então, o que deve ser feito nessas situações? Em primeiro lugar, nunca aceitar o pagamento total no final. Em segundo lugar, pedir 50% antes de iniciar o projeto e 50% quando finalizar esse projeto. Dessa forma você garante que pelo menos 50% do dinheiro você verá entrar na sua conta. Além disso, as probabilidades do cliente desistir do projeto diminuem consideravelmente. Mas se quiser saber mais sobre este tema, dê uma olhada neste nosso post sobre como lidar com os clientes que não pagam.

8. “VOU FALAR COM O MEU SÓCIO PARA VER SE FAZEMOS ESTE TRABALHO COM VOCÊ” Nestas situações existem três possibilidades: O cliente falou a verdade (isso acontece, acredite!).Ele está falando com vários profissionais ao mesmo tempo e você foi apenas mais um.Parabéns, você acabou de falar com um concorrente seu que apenas queria saber um pouco mais sobre o seu método de trabalho (é verdade, isso também acontece)Quando você escutar a frase acima, pode ter a certeza que uma das três opções é a certa. Eu por norma não me preocupo muito com este gênero de situações. Se o cliente não quiser continuar, lamento apenas o tempo perdido. Se for um concorrente, também não é motivo de preocupação pois ele poderá copiar o meu método de trabalho mas nunca o meu conhecimento. Nesta situação, fique apenas atento para não ser enganado e acima de tudo não crie falsas expetativas pois clientes que fazem o primeiro contato mas que depois não iniciam o projeto é o mais comum em qualquer país. 

9. “ESTAMOS APENAS ADIANDO O PROJETO OK?” Eu sei que “adiar” é diferente de “não vamos continuar esse projeto” mas os clientes insistem em confundir ambas as situações. É muito comum vermos clientes dizendo que o projeto está sendo adiado quando na verdade a empresa já não tem sequer intenção de continuar aquele trabalho com o freelancer. Isso não significa que eles estejam insatisfeitos com o trabalho do freela. A empresa pode apenas não ter mais dinheiro para continuar a ideia ou ele pode não ser necessário para aquele momento, entre outras razões. Para o freelancer esta pode ser uma situação muito revoltante. Afinal, quem não gosta de ver finalizado um projeto que começou? Mas o pior mesmo é quando o freelancer não recebeu qualquer pagamento e estava esperando pelo final do projeto para ser pago. Nessas situações é muito provável que o profissional autônomo não veja mais a cor desse dinheiro. Você lembra do que falei no ponto número 7? Então vou repetir: cobre sempre 50% do valor antes de iniciar o projeto. Dessa forma, você fica com algum dinheiro para você e o cliente não sente tanta vontade de desistir. E mais: se puder, deixe tudo por escrito e escreva uma cláusula onde explica o que acontece no caso do cliente desistir do projeto pela metade.

10. “CONHEÇO UM AMIGO MEU QUE PAGOU MENOS POR ISSO” Esta é a última mentira mas uma das que “dói mais”. Tem sempre alguém disposto a fazer mais barato e os clientes sabem isso. Mesmo que não seja verdade, o cliente pode usar esta frase contra você. Nestas situações você deve se manter firma no preço e explicar que, apesar de você cobrar um pouco mais, também garante uma qualidade muito melhor do que a maioria. Tem sempre aquele “sobrinho” que fará mais barato mas essa não deve ser uma preocupação sua. Foque-se em realizar o melhor trabalho que conseguir e se esse cliente for mesmo um bom cliente, certamente ele irá pagar aquilo que você vale!

CLIENTES MENTIROSOS VS CLIENTES FANTÁSTICOS

É muito comum vermos imagens no Facebook criticando os clientes e dando algumas “dicas” de como lidar com clientes. Apesar de já ter publicado artigos onde ensinei a lidar com clientes difíceis, a verdade é que existem clientes muito bons, aos quais agradeço até hoje por terem aparecido na minha vida. Não só porque me ensinaram muito mas também porque foi (e alguns casos “é”) um prazer trabalhar com eles. As mentiras que enumerei acima acontecem com muita facilidade. Porém, cabe ao freelancer sabem rejeitar aqueles clientes mais problemáticos para puder focar-se naqueles que realmente interessam: os clientes fantásticos! E você, que mentiras costuma escutar dos clientes?

Fonte: http://bit.ly/U6VEId 
FOCUS Escola de Fotografia – Desde 1975: http://focusfoto.com.br 
Conheça os cursos da Focus: 
http://focusfoto.com.br/cursos/

Fale com a Focus: 
[email protected] 
Veja Ultimas Noticias sobre Fotografia: 
http://focusfoto.com.br/blogs/

Seja fotografo regulamentado. Obtenha seu registro Mtb de fotografo profissional
Registro Profissional: Respeito & Cidadania

Referência em ensino de fotografia
“Faça bem feito, faça Focus! – 1975 – 2016 = 41 anos”  

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)