AS CORES NA FOTOGRAFIA

em Uncategorized.

Cores, fotografia, vermelho, azul, natureza, fotografia digital, matiz, saturação, brilho, arte, aulas de fotografia, Focus escola de fotografia, aulas de fotografia, cursos de fotografia, escolas de fotografia, escola focus, melhor escola de fotografia, curso de fotografia profissional, aula de fotografia, curso fotografia, melhores escolas de fotografia

As cores devem ser tratadas em relação umas com as outras – e são percebidas de modo diferente de acordo com as outras cores próximas as quais elas são vistas

O vermelho próximo ao azul parece ter uma natureza diferente do vermelho quando próximo ao verde, e o amarelo contra um fundo preto tem uma intensidade diferente do amarelo contra o branco.

A fotografia digital dá, agora um enorme grau de controle sobre a aparência das cores em uma fotografia, e a matiz, a saturação e o brilho são todos ajustáveis. Até que ponto e em que direção esses ajustes devem ser feitos é uma questão relativamente nova para a fotografia.

Pode-se dizer que o maior problema com a cor na fotografia e na arte são as noções de correção e incorreção. s cores evocam reações no espectador que vão do fisiológico ao emocional, ainda que poucas pessoas sejam capazes de articular por que elas gostam ou desgostam de certas combinações.

De fato, poucas pessoas estão interessadas em analisar suas preferências visuais, porém ao mesmo tempo, expressam reações definidas.

Já no século IV ac. os gregos viram a possível conexão entre a escala e as cores e a escala musical, e até aplicarem terminologia de cores a música ao definir a escala cromática, que foi dividida em semitons. Essa relação persistiu, e daí às teorias sobre a harmonia foi apenas um pequeno passo.  A harmonia teve significados diferentes ao longo da história, tanto na música quanto na música quanto na cor, do sentido grego de ajustar coisas entre si ao sentido mais moderno de um arranjo agradável.

O gosto e a moda entram nisso, resultante que já ouve várias teorias conflitantes sobre como as cores “deveriam” ser combinadas. Esse é um tema enorme, tratado um tanto extensivamente em meu livro Digital Photography Expert: Color e em máximo detalhe em Color and Culture, de John Cage, mas, aqui, estou preocupado com a necessidade de adotar uma visão equilibrada, não dogmática.

Por um lado, há maneiras de se combinar as cores que tendem a ser aceitáveis para a maioria dos espectadores, e seria tolice ignorá-las. Por outro, o uso criativo da cor exige expressão pessoal- o que significa não seguir regras. Esse dualismo – reconhecer que certas relações e técnicas funcionam, e, ainda assim, não necessariamente usá-las – nos leva de volta ao princípio fundamental do equilíbrio que vimos na última aula.

Aproveite para rever mais dicas nas suas apostilas, bibliografias e vídeos das aulas de fotografia dos cursos profissionalizante da Escola Focus.

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: G1 - 12/03/2020)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)