Berlim declara guerra a propagandas sexistas

em Artigos e Entrevistas, dicas de fotografia.

Checkpoint Berlim, propagandas sexistas, estereótipos machistas, discriminatórios, polêmica, anúncios, redes sociais,   aula de fotografia sp, focus, cursos de fotografia sp, cursos de fotografia sp, focus escola de fotografia, melhores escolas de fotografia no Brasil, escola focus,

Checkpoint Berlim: Governo de Berlim quer proibir anúncios sexistas na cidade

 Texto: Clarissa Neher/DW (*)

Governo local pretende banir da cidade outdoors com propagandas que objetificam mulheres e homens ou reproduzem estereótipos machistas e discriminatórios. Um distrito berlinense já adota essa proibição.

Bundas, peitos e expressões machistas e discriminatórias para vender produtos podem estar com os dias contados em Berlim. O governo local planeja banir da cidade anúncios que reproduzem e reforçam estereótipos masculinos e femininos.

Os planos da prefeitura berlinense foram revelados na mesma semana em que uma propaganda do chocolate Snickers causou revolta nas redes sociais no Brasil. Embalagens com expressões que “reproduziriam” supostos comportamentos causados pela fome foram lançadas no país, no entanto, as palavras depreciativas só aparecem no feminino, como “reclamona” e “furiosa”.

Após a polêmica, a empresa se defendeu, alegando que há também versões masculinas, mas que, como a campanha foi lançada recentemente, elas ainda não estavam disponíveis em todos os pontos de venda. No Brasil, consumidoras sugeriram um boicote ao chocolate.

 Em Berlim, para evitar esse tipo de constrangimento, a ideia do governo é proibir propagandas sexistas em outdoors que pertencem à cidade. A proibição desse tipo de anúncio já está em vigor em dois distritos: Friedrichshain-Kreuzberg, desde 2014, e Pankow, mais recentemente. As iniciativas partiram das prefeituras distritais, que ainda são as responsáveis pelos espaços públicos destinados à publicidade.

Uma terceira move processo semelhante: Charlottenburg-Wilmerdorf. No mês passado, a legenda A Esquerda entrou com um projeto distrital para proibir propagandas sexistas, discriminatórias e misóginas. O texto bane ainda anúncios em que mulheres são tratadas como fracas, bobas, histéricas, ingênuas, consumistas ou associadas a trabalhos domésticos.

Como os distritos são, no momento, responsáveis pelos espaços publicitários públicos, esse tipo de iniciativa distrital está partindo de vereadores dos partidos que formam a coalizão do governo local – Partido Social-Democrata (SPD), Partido Verde e A Esquerda. O distrito de Mitte também prepara uma proposta semelhante.

A partir de 2019, a prefeitura passará a ser responsável por esses espaços de propaganda e, então, o governo pretende expandir a proibição para toda a cidade. O banimento de propaganda sexista é um dos pontos acertados no acordo de coalizão assinado em novembro do ano passado.

Em seu site, o Partido Verde, por exemplo, argumenta que a propaganda influencia imagens e ideias de como homens e mulheres deveriam ser ou parecer, além de comportamentos e expectativas da sociedade.

“Propaganda sexista é uma apresentação de preconceitos e formas de comportamento relacionadas ao gênero, que desvaloriza socialmente um grupo de pessoas perante outro”, acrescenta a legenda.

Ainda não há um plano concreto de como o governo local pretende colocar em prática e controlar esse banimento, mas as autoridades têm até o final do próximo ano para traçá-lo. Associações de publicitários reclamaram da ideia e contestam o fato de o governo querer regular o conteúdo das propagandas, citando a liberdade de expressão.

O que acontece é que, sem uma proibição, esse tipo de conteúdo continua enchendo outdoors pelas cidades, como se fossem ideias brilhantes.

Questionou-me como, em pleno século 21, bundas, peitos, machismo e discriminação ainda funcionam para vender produtos.

(*) Clarissa Neher é jornalista freelancer na DW Brasil e mora desde 2008 na capital alemã. Na coluna Checkpoint Berlim, publicada às segundas-feiras, escreve sobre a cidade que já não é mais tão pobre, mas continua sexy.

Fonte: https://goo.gl/aiZwtP

FOCUS Escola de Fotografia –  http://focusfoto.com.br
Conheça os novos cursos da Focus: http://focusfoto.com.br/cursos/

Confira opinião de Ex-Alunos: https://goo.gl/yRlkM9
Fale com a Focus: [email protected]

Seja fotografo regulamentado
Obtenha seu registro Mtb de fotografo profissional

 Referência em ensino de fotografia
“Faça bem feito, faça Focus – Desde 1975”

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: G1 - 12/03/2020)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)