COMO A CURIOSIDADE PODE MELHORAR SUA FOTOGRAFIA DE VIAGEM

em Artigos e Entrevistas, Notícias.

Curiosidade, fotos de viagem, habilidade, experiência, equipamentos, fotógrafo de viagem, Bob Krist, aroma, comida, fotografia cursos, amazon, Focus escola de fotografia, aulas de fotografia, cursos de fotografia sp, escolas de fotografia EAD, escola focus, cursos de fotografia presencial SP, Enio Leite, curso de fotografia online, aula de fotografia, fotografia profissional, focusfoto,  fotografia notícias

Com a habilidade, a experiência e as incríveis capacidades dos equipamentos de hoje, o que torna alguém um ótimo fotógrafo de viagens?

 Segundo o veterano fotógrafo norte-americano Bob Krist, em entrevista para o site Shutterbug, a curiosidade está no topo da lista.

Resumo Fotográfico

“Costumo dizer que vejo a câmera como uma licença para ser curioso. Curiosidade é o que lança você em muitas fotos.”

“Quando você ouvir alguma música, localize-a; muitas vezes levará a boas fotos ”, diz Krist. “Se há um aroma de boa comida no ar, talvez você encontre uma padaria ou alguém cozinhando ao ar livre, e essa é uma foto. Eu normalmente sou meio tímido, mas a câmera me dá uma desculpa para bisbilhotar. ‘Ei, o que você está cozinhando? Posso tirar algumas fotos?’”

O próximo na lista é este conselho: “Vá sozinho, ou com uma outra pessoa. As turnês de fotos são ótimas, e eu tenho liderado muitas delas, mas não acho que seja bom se a única maneira de viajar seja em um grupo com outros fotógrafos.”

Krist acredita que a fotografia de viagem deve ser parte da viagem de descoberta e, nessa viagem, é bom estar por conta própria, em um lugar desconhecido, aprendendo a lidar com ele. “Isso é uma grande parte do crescimento”, diz ele, “não apenas como fotógrafo, mas também como pessoa e como viajante”.

No limite

Bob Krist conta a história de um grande fotógrafo da National Geographic que ficava tão chateado com o escopo de cada tarefa que a única resposta era enviar uma carta de demissão. Mas foram apenas os primeiros dias que foram tão inquietantes; logo tudo se encaixaria. Ainda assim, a mesma carta foi enviada para quase todas as tarefas durante a longa e ilustre carreira do fotógrafo.

“Eu tenho a mesma reação na primeira semana que eu chego em qualquer lugar”, diz ele. “Quinze dias para fazer uma reportagem em Buenos Aires e a cidade é grande, e eu sou monolíngue e o clima não é bom. Liguei para minha esposa, Peggy, e disse: ‘Olha, eu tenho que aprender a vender imóveis, eu não posso fazer isso.’ E ela me falou: ‘Você tem sua lista de fotografias – saia e encontre algumas paisagens; faça algumas fotos de comida; comece a desbastar.’

“Quase todo lugar que eu ia, eu ligava para Peggy e dizia a ela que eu estava deixando o negócio, e no final de cada tarefa, até mesmo uma pequena tarefa, eu estava dizendo: ‘Nós deveríamos nos mudar para cá, este é o melhor lugar, eu adoro isso, e estou procurando lugares para morar.’”

O sentimento de desorientação, diz ele, faz parte do processo. É quase, se você não está em pânico, você não está pronto para fazer o trabalho. “O pânico lhe dá energia, que pode ser positiva ou negativa, mas de qualquer forma, você sai do seu quarto de hotel. Enquanto eu fizer este trabalho, essa sensação de estar sobrecarregado nunca desaparece. Eu reconheço isso como o modo de pânico inicial, então eu saio e faço o trabalho.”

Por fim, este conselho, inspirado pelo lembrete de Peggy Krist sobre a lista de verificação: Embora você possa começar o que parece ser uma missão impossível, pode ser um fator limitante, uma rampa para o comum. Use, mas vá além disso. “É uma âncora, uma ajuda e um começo”, diz Krist. “Não é o trabalho.”

Em vídeo

Também não é tarefa duplicar o que outras pessoas fizeram, ou tentar deliberadamente superá-las. “Hoje em dia parece que todos querem ter as mesmas visões que seus amigos postaram no Instagram”, diz Krist.

A fotografia de viagem, ele sustenta, não é sobre imitar as pessoas populares nas redes sociais. As pessoas seguirão você se você for original, se você criar seu próprio caminho.

Foi a consciência de Krist do fator de imitação – de ver tantas pessoas tirando fotos das mesmas coisas, mesmo que muitas das fotos fossem excelentes – que o levaram uma dúzia de anos para começar a adicionar vídeo à sua imagem.

Ele olhou considerando seus pontos fortes. “Eu podia fotografar pessoas – ainda a categoria mais difícil para a maioria dos fotógrafos – e eu podia contar histórias. O vídeo foi a chance de contar as histórias das pessoas além da única imagem.”

Com o recurso de vídeo começando a ser adicionado a câmeras fixas, o momento foi correto e hoje o vídeo é uma parte importante do trabalho de Krist.

“Depois de 30 anos de histórias de fotos para projetos de revistas e livros, eu tinha um bom senso de história, e isso me ajudou a superar a alta curva de aprendizado da edição de vídeo. Acho que fotografar não é um grande desafio para fotógrafos talentosos – sabemos composição e luz – e me tornei proficiente o suficiente em edição.”

Conhecer as exigências da edição, de quais tomadas ele precisará, o tornou um fotógrafo melhor e mais orientado para a história. “E isso me deu uma nova energia para contar histórias e uma maior conscientização sobre a necessidade de fotos detalhadas. De fato, o vídeo rejuvenesceu completamente meu amor pelo meio visual, por viajar e por contar histórias.”

A experiência de Bob Krist nos sugere que os fotógrafos podem melhorar suas imagens pensando que estão fotografando para uma matéria de revista. Suas imagens podem ser para uma apresentação de slides de família e amigos, ou postagens em redes sociais, mas o jogo mental de atribuição pode inspirar uma história equilibrada, detalhada e com nuances.

E se é realmente sobre sua curiosidade, sua capacidade de ir sozinho e ter sucesso além da sua zona de conforto, então talvez 90% das fotografias de viagem sejam mentais.

Para conhecer mais sobre o trabalho de Bob Krist, acesse seu site  https://bobkrist.com/  ou Vimeo https://vimeo.com/bobkrist  .

Fonte: https://goo.gl/iVti6z

Aproveite para rever mais dicas sobre fotografia e notícias nas suas apostilas, bibliografias e vídeos das aulas de fotografia dos cursos profissionalizante da Escola Focus.

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Reuters - 12/12/2018)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)