Como foi inventada a fotografia

em dicas de fotografia.

Invenção da fotografia, foto mais antiga, primórdios da fotografia, câmara escura, Kodak, Polaroid, aula de fotografia sp, focus, cursos de fotografia sp, escola focus, cursos de fotografia online,

A primeira foto da história, feita em 1826 por Niépce

Tirar 78 fotos no rolê do final da tarde é fácil, mas você sabe como chegamos até aqui?

Maximiliano Meyer/Oficina da Net

Os primórdios da fotografia

Aposto que quando disse que a fotografia era coisa antiga você pensou: “claro, ela deve ser do século XIX, lá pelos anos de 1850, no máximo…”, certo? Pois se esse foi seu pensamento, você errou (e muito).

A fotografia como a conhecemos até pode ser coisa “recente”, mas para pegarmos a sacada do princípio que a faz ser possível existir temos que voltar bem mais. O fenômeno já é conhecido e estudado há muuuuito tempo, desde a antiga Grécia (século III a.c.), quando os filósofos/cientistas/inventores/astrônomos (entre tantas outras ocupações) passaram a investigar o fenômeno da passagem de luz através de pequenos orifícios.

O outro conceito usado para criar a fotografia é ainda mais antigo, pelo menos desde o século IV a.c., a câmara escura. O fenômeno consiste em um ambiente fechado – independentemente do tamanho e pode ser feito, inclusive, aí na sua casa – que terá apenas 1 buraquinho para que a luz externa entre em um dos cantos. A luz externa irá passar pelo buraquinho e então projetar sua imagem – de cabeça para baixo – no interior do ambiente fechado.

A câmara escura era usada, por exemplo, para a observação de eclipses e em diversos experimentos cientifico da antiguidade, como estudos que envolviam questões geométricas e quantitativas.

Assim, uma parte dos materiais necessários para a fotografia – a projeção da imagem – já havia sido dominada; faltava agora descobrir como armazenar essa imagem exposta de modo duradouro, criando os retratos que poderiam aguentar por tempo indeterminado.

A resposta, embora não direcionada ao uso na fotografia, veio também durante a antiguidade ao ser descobrir que compostos de sais de prata escureciam quando expostos à luz solar. Assim era só desenhar a imagem desejada com este material para que ela fosse toscamente gravada sobre as superfícies. Teoricamente estes retratos podem ser considerados os tatatatatatatatataravôs das atuais imagens digitais.

Ok, em tese já tínhamos tudo o que era preciso para uma fotografia: uma maneira de expor uma imagem à um local específico e como registrar uma imagem em um local determinado. Agora era preciso juntar os pontos.

Fotografia “moderna”

A solução para eternizar os momentos veio em 1817 quando o francês Joseph-Nicéphore Niépce conseguiu gravar uma imagem bastante débil em papel utilizando cloreto de prata para fazer as partes escuras do retrato e betume-da-judeia (uma mistura líquida usada para proteger a madeira de navios, por exemplo) para as partes claras, já que ele não reage à luz solar.

Após anos de pesquisa ele conseguir replicar o feito em uma placa metálica, assim Niépce tirou a 1ª foto da história, diretamente da janela de sua casa. O retrato, que data de 1826, mostra a visão do quintal que demorou 8 horas para ser gravada em sua câmera escura através do processo que ele batizou de heliografia, do grego, “gravura com luz solar”.

Ele continuou seus estudos e em 1829 substituiu as placas revestidas de prata por estanho, escurecendo as sombras com vapor de iodo, o que se mostrou uma tática muito mais eficiente. Niépce morreria poucos anos depois (1833), porém, a continuidade de suas pesquisas estava garantida nas mãos de Louis Jacques Mandé Daguerre, seu sócio há alguns anos.

Em 1839 ele lançaria o Daguerreótipo, a evolução das pesquisas iniciadas com Niépce. O daguerreótipo consistia em uma placa de ouro e prata que era exposta aos vapores de iodo, formando uma camada de iodeto de prata sobre a mesma. Para fixar a imagem esta placa era colocada na câmera escura da invenção onde seria exposta à luz. Lá dentro era liberado vapor de mercúrio aquecido que iria aderir onde havia a incidência de luz, gravando a imagem na placa.

Parece ainda um processo bastante rudimentar, mas o daguerreótipo já havia conseguido diminuir consideravelmente aquelas 8 horas que eram necessárias para registrar uma única fotografia nos métodos conhecidos até então.

Invenção da fotografia, foto mais antiga, primórdios da fotografia, câmara escura, Kodak, Polaroid, aulas de fotografia sp, focus escola de fotografia, melhores escolas de fotografia do Brasil, fotografia curso

A primeira fotografia de pessoas já feita, de 1838, por Louis Daguerre

Foi com um daguerreótipo que foi registrado o primeiro retrato de uma pessoa em fotografia. A captura data de 1838 e retrata a Boulevard du Temple, uma avenida de Paris, onde aparecem apenas 2 homens no canto inferior esquerdo.

Originalmente a ideia era gravar o intenso movimento da avenida, mas como o registro precisou de vários minutos para fixar a imagem na placa de estanho, somente os homens que engraxavam o sapato puderam ser capturados.

O próximo passo da história da fotografia foi o calótipo, que consistia em um papel impregnado de iodeto de prata. Ao ser exposto à luz na câmara escura a imagem era revelada com ácido gálico e então fixada com tiossulfato de sódio. O processo é o mesmo utilizado até hoje e foi o primeiro a permitir a cópia dos retratos.

A primeira fotografia de pessoas já feita, de 1838A primeira fotografia de pessoas já feita, de 1838

Curiosidades da foto no Brasil

Dom Pedro II foi um dos homens mais modernos e antenados de sua época. Além de ser conhecido por ser uma das primeiras pessoas a testar o telefone inventado por Grahan Bell, ele foi um entusiasta da fotografia, sendo o primeiro brasileiro a ter um daguerreótipo, comprando-o quando tinha apenas 14 anos.Dom Pedro II com cerca de 20 anos em um dos primeiros retratos de daguerreótipo da América Dom Pedro II com cerca de 20 anos em um dos primeiros retratos de daguerreótipo da América

Por toda sua vida o monarca faria questão de registrar os momentos ele mesmo, além de ter muito bem documentada sua vida em imagens. Em 1889 quando foi banido do país por causa da república ele doou seu acervo com mais de 25 mil fotografias que servem como um registro temporal incrível do período imperial do Brasil.

Outro fato curioso da fotografia em terras brasileiras era a prática de tirar foto com entes queridos mortos, geralmente crianças em seus primeiros anos de vida devido à grande mortalidade infantil. O hábito era comum no século XIX onde buscava-se o fotógrafo da cidade para registrar um último (e único) momento daquele familiar que partia.

Como era necessário que a pessoa ficasse imóvel durante alguns minutos até que a fotografia ficasse pronta era preciso apoiar o morto em algum pedestal, colocá-lo sentado, no colo de alguém, deitado como se estivesse dormindo, etc. Em alguns casos os olhos eram mantidos abertos para que o fotografado parecesse estar vivo ou então tinham as pálpebras pintadas para que simulassem um olho após a imagem ter sido revelada.       

Inventada no Brasil?

Sabe aquela velha guerra de que nós inventamos o avião? Pois bem, agora podemos reclamar também a invenção da foto, pelo menos em termos. Isso porque um francês chamado Antoine Hercule Florence estava vivendo por aqui enquanto conduzia seus experimentos sobre fotografia.

Seu método consistia em uma chapa de vidro que capturava a imagem e depois a passava ao papel. Entre os métodos de fixação testados por ele estão alguns um tanto quanto não convencionais, como o uso da urina, por exemplo.

Quem fez essa descoberta foi o historiador Boris Kassoy da USP, que publicou a história no livro “Hercule Florence: A Descoberta Isolada da Fotografia no Brasil”. Se você quiser conferir mais sobre essa história, confira este link: http://www.edusp.com.br/detlivro.asp?id=409448

Fonte: https://goo.gl/9eEf4Q

FOCUS Escola de Fotografia –  http://focusfoto.com.br
Conheça os novos cursos da Focus: http://focusfoto.com.br/cursos/

Confira opinião de Ex-Alunos: https://goo.gl/yRlkM9
Fale com a Focus: [email protected]

Seja fotografo regulamentado
Obtenha seu registro Mtb de fotografo profissional

 Referência em ensino de fotografia
“Faça bem feito, faça Focus – Desde 1975”

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)