Como foi tirada a icônica (e influente) foto de Che Guevara

em cursos de fotojornalismo sp, escola focus.

Foto icônica, influente, Che Guevara, Alberto Korda, Revolução Cubana Fidel Castro, CIA, ato terrorista, funeral das vítimas, Jean Paul Sarte, Simone de Beauvoir, escritores, filósofos, revista Time, história mundial, biografia de Che Guevara, retrato, casualidade, aula de fotografia, Curso de fotografia, focus fotografia, registro Mtb fotógrafo profissional, escolas de fotografia sp, fotografia aulas sp,

O autor da fotografia mais emblemática de Che Guevara, o fotógrafo cubano Alberto Korda, considerou-a uma “casualidade”. Gerard Marlange, assistente de Andy Warhol, deu-lhe cor.

A imagem do dirigente comunista tornou-se num produto do capitalismo. 

Observador/PT/Jim Fitzpatrick

Havana, 5 de março de 1960. No dia anterior, o navio belga “La Coubre” explodiu em Cuba (trazia armamento para a Revolução Cubana) e mais de cem tripulantes morreriam — ferindo a explosão outras centenas mais.

Fidel Castro atribuiria a responsabilidade da explosão à CIA, descrevendo-a como um “ato terrorista” dos norte-americanos. O funeral das vítimas contou com a presença dos principais ideólogos da Revolução, Castro e Che Guevara, ladeados por outras personalidades internacionais assumidamente comunistas, como os escritores e filósofos Jean Paul Sarte e Simone de Beauvoir.

Presente estava igualmente o fotógrafo cubano Alberto Korda. É dele uma das fotográficas mais icónicas de Che — a revista Time considera-a mesmo uma das fotografias mais “influentes” da história mundial.

Como é que esta surgiria? Na biografia de Che Guerra escrita por Jorge Castañeda, “La Vida en Rojo”, o próprio Korda relata na primeira pessoa o momento que descreve como “uma casualidade”.

Encontrava-me num plano mais baixo em relação à tribuna, com uma câmara fotográfica Leica de 9mm. Em primeiro plano estavam Fidel, Sartre e Simone de Beauvoir; Che estava parado atrás da tribuna. Houve um instante em que passou por um espaço vazio, estava numa posição mais frontal, e foi aí que em segundo plano emergiu a sua figura. Disparei.

Foto icônica, influente, Che Guevara, Alberto Korda, Revolução Cubana Fidel Castro, CIA, ato terrorista, funeral das vítimas, Jean Paul Sarte, Simone de Beauvoir, escritores, filósofos, revista Time, história mundial, biografia de Che Guevara, retrato, casualidade, aula de fotografia,

Che Guevara. Foto original de Alberto Korda

Em seguida, percebo que a imagem é quase um retrato, sem ninguém atrás. Volto a câmara na vertical e disparo segunda vez. Isto em menos de dez segundos. Che afasta-se então e não regressa aquele lugar. Foi uma casualidade…”, explicou o fotógrafo cubano.

Durante meses a fotografia (que receberia o título “Guerrilheiro Heróico”) não seria revelada por Alberto Korda. Foi utilizada pela primeira vez em 1961, no anúncio das jornadas sobre a industrialização em Cuba desse ano. Não se tornaria popular de imediato. Isso só aconteceria após o assassinato de Che Guevara, em 1967 — data que se assinala este mês –, depois de ser publicada na revista Paris Match.

Depois, num contrassenso histórico (Che era comunista mas tornou-se produto do capitalismo), a imagem de Ernesto Guevara de la Serna chegaria à cultura pop. É certo que, antes mesmo disso, o editor italiano Giacomo Feltrinelli o converteu num símbolo dos movimentos sociais de 1968 na Europa, imprimindo a fotografia de Korda em cartazes que ocupariam as ruas. Depois, sim, a cultura pop associou-se à imagem do revolucionário argentino — ou vice-versa –, quando Jim Fitzpatrick (em 1968) criou uma imagem de alto-constraste a partir da fotografia de Korda. Anos depois, Gerard Marlange, assistente de Andy Warhol, deu-lhe cor.

A fotografia (ou derivados desta) com Guevara de boina estrelada na cabeça, barba rala e melenas longas, olhar no horizonte, correu mundo, deu à estampa na imprensa, em t-shirts e souvenirs, é ornamento de praças em Havana — e também chegaria à publicidade.

Então, Alberto Korda, que não tinha recebido qualquer direito autoral pela fotografia — o fotografo sempre permitiu a sua utilização gratuita para fins políticos –, agiu judicialmente e processou a marca de vodka Smirnoff por utilizá-la numa campanha de publicidade à bebida.

Fonte: https://goo.gl/x49Tsd

FOCUS Escola de Fotografia –  http://focusfoto.com.br
Conheça os novos cursos da Focus: http://focusfoto.com.br/cursos/

Confira opinião de Ex-Alunos: https://goo.gl/yRlkM9
Fale com a Focus: [email protected]
Veja TCC de Alunos: https://focusfoto.com.br/tag/tcc/

Sobre o autor

AS MATÉRIAS APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR DAS AULAS DE TODAS AS MODALIDADES DE CURSOS MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br Por meio desse conteúdo, você já pode ter uma referência do perfil do profissional que colocamos no mercado de trabalho. A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO MTB DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 300 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO MTB DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo NOS CURSOS DA FOCUS, em menos de 4 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO MTB DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 43 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e ORGANIZADOR DO BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Reuters 17/08/2017)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)