Compreendendo o Sistema de Zonas – Ansel Adams

em Uncategorized.

 

sistema de zonas ansel adams enio leite escola focus cursos de fotografia tutorial fotografia

O Sistema de Zonas é um método fotográfico desenvolvido pelo fotógrafo oriundo de São Francisco, Califórnia, Ansel Adams (1902-1984), no final dos anos 30, em parceria com Fred Archer.

A sua idéia era bastante simples e inovadora: criar uma nomenclatura adequada para a luz. Adams era músico e sua vontade de transpor para a fotografia os tons de cinzas como notas musicais, deram origem à sua metodologia, que estabelece relações entre os vários valores de luz do objeto e suas respectivas escalas de densidades, registradas pelo negativo.

Em resumo, uma tecnologia inovadora. De baixo custo, que oferece ao fotógrafo a possibilidade de registrar, no papel fotográfico, os valores de luz desejados diante do tema a ser fotografado.

 O que são “Zonas”?

Na natureza percebemos visualmente uma ampla variação de brilhos, incapazes de serem registradas pelo filme fotográfico. Este diferencial se restringe nos negativos, a principio, em 10 tons diferentes que variam do preto até o branco da superfície do papel.

A diferença de amplitude de tons pode ser controlada mediante utilização do método do sistema de zonas. O processo consiste em compreender todas as características dos materiais fotográficos e manipulá-las com o propósito de se produzir verossimilhança.

Além da virtude de facilitar o registro da imagem metodicamente correta, este sistema possibilita a criação de outras, segundo o olhar e a interpretação da luz de cada autor. Conhecendo cada característica do processo, poderemos manipular seu respectivo resultado final. Obtemos, assim, cada tipo de efeito, satisfazendo uma opção estética. Entretanto, é necessário ter conhecimento de como alterar o processo padrão, objetivando o resultado desejado.

O primeiro passo deste trabalho é a “visualização da cena”: o fotógrafo deve exercitar um trabalho intelectual. Raciocina, sente e produz por meio de seu intelecto criativo, padrão cultural e experiência de vida, todos os elementos envolvidos no ato de criação da fotografia. Pode-se dizer que é a habilidade de se antecipar à imagem final em branco e preto ou mesmo em cores, antes de fotografá-la.

O devido controle das características do processo fotográfico permite ao fotógrafo explorar seu universo criativo. Para isso, é fundamental a compreensão e utilização de cada etapa. Deve-se evitar todo tipo de automação, não só das câmeras, mas também dos processos e tempos fornecidos pelos fabricantes, já que estes dados são obtidos pela média, tornando impossível a busca de resultados concretos, se permanecermos fixos apenas aos tempos médios fornecidos.

O conceito dos Tons.

A definição de zonas foi estabelecida de uma maneira sistemática, já que o filme reproduz uma infinidade de tons de forma linear. O espectro tonal do filme foi dividido em dez zonas e para cada uma destas zonas foi atribuída uma definição de como ela deveria ser representada na ampliação final.

Vamos simplificar o conceito original de Adams:

Zona Tons Observações:

0/- 5.0 – Preto máximo do papel fotográfico. Preto puro.
I /-4.0 –  Tom percebido com o preto, levemente diferenciado do –3.0.
II/- 3.0 – Cinza escuro, limite entre o visível e invisível de texturas.
III/- 2.0 – Primeiro tom de cinza escuro.
IV /-1.0 Cinza Intermediário.
V 0 Cinza médio padrão. Índice de reflexão 18%.
VI/ +1.0 Cinza claro.
VII/ +2.0 Tom de cinza mais claro, com percepção definida das texturas.
VIII/ +3.0 Último tom de cinza claro, onde as texturas não são mais reconhecidas.
IX/ +4.0 Branco máximo do papel fotográfico. Branco puro.

Podemos ainda subdividir esta escala em 0.5 ou até 0.3 pontos, limite de percepção dos filmes profissionais ou das câmaras digitais DSLR.

Inicie, fotografando uma placa de isopor branca, com luz difusa, sem sombras. Fotometre, procurando sempre manter o fotômetro em 5.6 e variando a velocidade. Exponha corretamente, seguindo fielmente a leitura do fotômetro. Obteremos assim valor “0”, Zona V (Cinza médio 18%).

A partir disto vamos abrir +1 ponto (f4). Assim, obteremos o cinza claro Zona VI.

Agora vamos abrir mais um ponto (f2.8), obtendo +2.0, l ao cinza mais claro, Zona VII.

Abrindo mais um ponto (f2), teremos +3.0, ou seja, último tom de cinza, Zona VIII.

Por fim, abrindo o último ponto (f1.4), + 4.0, atingiremos o branco puro, sem textura, Zona XIX.

Partindo da leitura normal do fotômetro f/ 5.6 (cinza médio), proceda do modo inverso, fechando de um em um ponto até atingir – 5 ou Zona 0 e pronto! Teremos toda a escala real de tons que o filme negativo preto e branco ou colorido profissional consegue registrar.

Sempre que expomos o filme com a fotometria em 0, teremos o padrão cinza médio, também utilizado pelos fabricantes para aferirem seus respectivos fotômetros e a vasta gama de sensibilidade dos filmes.

Para o teste descrito acima, consideramos velocidade fixa e revelação normal, previamente corrigida.

O objetivo deste teste é compreender o modo que o negativo reproduz os vários tons conforme descrito. Mas lembre-se, ainda estamos dando nosso primeiro passo. Nossa próxima variável após a exposição é o controle do tempo, temperatura e agitação do revelador.

A revelação é uma das várias ferramentas se obter definição das zonas claras. Para cada aumento de densidade no negativo, responsável pelo aumento de um determinado tom claro teremos o equivalente de 1/3 de zona na região das zonas escuras. Na prática, isto representa que em determinado filme com revelação normal de 10 min., se revelado por 12 min., provavelmente uma área exposta em cinza médio, (0) Zona V ,irá aparecer como +1 Zona VI enquanto nas áreas escuras a variação será desprezível.

Existem outros fatores que influenciam a determinação de zonas que com a prática serão melhores compreendidos. Com estes dois fatores já apresentados podemos compreender a expressão declarada por Minor White, logo após aprender com o próprio Ansel Adams como utilizar seu método.

“Expor para as baixas luzes e revelar para as altas luzes”.

O sistema de zonas não serve apenas para registrar o tema fotografado com a “máxima fidelidade possível”. Com a aplicação deste método podemos representar uma determinada região de qualquer tonalidade, dependendo da interpretação desejada. Para isto teremos de manipular o filme por meio de sub-revelações ou super-revelações. Quando fazemos o teste do filme determinamos uma revelação normal (0).

A partir deste tempo determinamos os outros tempos de revelação para deslocarmos uma zona clara para mais clara (+1,0) ou para mais cinza (-1,0).

Um exemplo clássico deste fato é quando “puxamos um filme”, de ISO 400 para ISO 800, e efetuamos a “super-revelação adequada”. Notamos nítida perda da escala de cinzas. Das 10 tonalidades originais, poderemos cair para 8, ou 5 tons. Caso contrário, reduzindo a sensibilidade para 200, com a devida compensação na revelação, poderemos atingir12 a14 tons distintos.

Estes tempos devem ser determinados sub e super revelando o filme, com tempos médios de 25%, dependendo do tipo e atividade do revelador. Lembre-se: para o negativo cada valor tonal é uma informação. Como notas musicais. E dependendo de como compomos estes tons teremos maior conteúdo informativo e estético em nossas imagens.

Esta é a grande diferença entre projeto e “acidente fotográfico”. Introduzimos apenas alguns métodos de como calibrar negativos. O processo ainda continua com a devida aferição do ampliador, papel fotográfico, respectivo processamento. No caso da fotografia digital, aferição do fotômetro, das configurações do menu da câmera, espaçoe perfil de coresm calibragem do LDC, monitores, histogramas, parâmetros, uso adequado do Photoshop etc.

Referencias :
1)The Negative, Ansel Adams – New York Graphic Society, Boston, 1980.
2) Fotografia em Preto e Branco, a Base da Fotografia  Prof. Dr. Enio Leite –  Editora Focus Escola de Fotografia, São Paulo,  SP. Agosto 1994.
3) Fotografia Digital – Aprendendo a fotografar com qualidade. Prof. Dr. Enio Leite, Editora Viena, São Paulo, SP, Maio 2011
(Fonte: Focus – Escola de Fotografiahttps://focusfoto.com.br )

FOCUS Escola de Fotografia – Desde 1975: https://focusfoto.com.br 
Conheça os cursos da Focus: 
https://focusfoto.com.br/cursos/ 
Fale com a Focus: 
[email protected] 
Veja  Ultimas Noticias sobre Fotografia: 
https://focusfoto.com.br/blogs/ 

Seja fotografo regulamentado.
Obtenha seu registro Mtb de fotografo profissional.
“Faça bem feito, faça Focus! – Desde 1975”

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO SELECIONADOS PRODUZIDOS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO MTB DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 300 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO MTB DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo NOS CURSOS DA FOCUS, em menos de 4 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 17/09/2018)

Comentários

  1. Enio Leite -

    É bom saber Bianca:
    Utilizamos os métodos de sistema de zonas por mais de 35 anos, quando tínhamos laboratório aqui na Escola Focus. Hoje, migramos todos estes conceitos para a fotografia digital.

  2. Enio Leite -

    Na realidae, Adams e Archer determinaram as bases do novo conceito de sensitometria, até onde o filme responde á luz. A partir disso, tivemos o desenvolvimento dos novos fotômetros embutidos nas câmeras, a tecnologia TTL e a leitura tridimensional da cena fotografada. Até adentramos na fotografia digital, onde a latitude dos sensores é menor e mais sensível a altas luzes em relação ao filme. Sem seus conceitos, tudo isso não seria possível.

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)