CONVITE

em Exposições.

exposição, fotografia, escola focus, focusfoto
O aparente repouso do abandono por Alberto Bitar

Com a exposição individual Imêmores (   ), o fotógrafo
paraense retorna a São Paulo, a partir de 15 de junho, na Galeria Virgílio

Um desvelamento poético do abandono é o fio condutor de Imêmores (   ), exposição que o fotógrafo paraense Alberto Bitar apresenta na Galeria Virgílio, em São Paulo, a partir do próximo dia 15 de junho – seis anos após o início da produção, também num mês de junho.

Com trabalhos
desenvolvidos entre 2013 e 2019, a série é composta por cinco eixos: docs,
voos, móbeis, cidades e margens, o último, ainda inédito.

A primeira subsérie a ser fotografada foi Imêmores (docs), a
partir da inspiração de uma pauta de Alberto como repórter fotográfico, porém
foi Imêmores (voos) que estreou em exposição, em 2014/15, e que fortaleceu o
conceito do trabalho. É a primeira vez que o artista reúne obras de todas as
séries produzidas até o momento. A curadoria é de Mariano Klautau Filho,
fotógrafo e pesquisador com quem Alberto tem uma grande afinidade, de longa
data.

Sobre Imêmores, Mariano comenta: “Creio que o que conecta as
séries é um aparente ‘estado de repouso’ dos objetos que ele escolheu para
fotografar: documentos, automóveis, edificações, barcos, aviões e elementos
naturais. Essa aparência, que é da natureza da visibilidade que a fotografia
nos oferece, nos leva para um limite silencioso entre uma certa placidez
dissimulada pelo rigor e equilíbrio com que ele fotografa e um mergulho um
pouco mais fundo e inquieto na observação sobre o que esses lugares e objetos
falam, de fato, no discurso que ele construiu com as imagens.”

A série traz ecos de outros momentos da carreira de Alberto.
Segundo ele, trabalhos relacionados à memória, como Efêmera Paisagem e Sobre o
Vazio, já indicavam o caminho para Imêmores. O movimento também é um aspecto
que já vinha presente na abordagem do artista. Ele pontua: “Desde o início da
minha trajetória, a captura do movimento na fotografia fixa era algo que me
atraía, que buscava, e usei e ainda uso bastante, como nas séries Passageiro e
Corte Seco. A partir de 2002, comecei a ver esse movimento acontecer de fato
utilizando fotografias fixas no suporte do vídeo. E agora, em Imêmores, penso
nesse movimento de uma outra forma, não um deslocamento no espaço, mas o
deslocamento no tempo. As imagens dessa série, quase que totalmente, parecem
fixas mas trazem signos e marcas dessa transposição na linha do tempo.”

Um pouco destes outros trabalhos poderá ser conferido pelo
público nos livros que estarão disponíveis para a venda durante a exposição.
Além de Efêmera Paisagem, Corte Seco e Sobre o Vazio, haverá exemplares de
Súbita Vertigem e de Imêmores (voos) – primeiro de uma coleção de publicações
prevista sobre a série que estará em exibição na Galeria Virgílio.

O olhar atravessado por referências afetivas, a contemplação do
que foi esquecido, entre o registro e a ficção, em certa atmosfera melancólica,
ainda pode se voltar para muitos assuntos e Alberto Bitar deve seguir
expandindo Imêmores. Como observa Mariano Klautau Filho acerca do que é
instigante e comum aos direcionamentos temáticos da série, “o que move o
artista e é capaz de inquietar o espectador é o fato de todos terem sido
colocados em uma mesma narrativa e conformação plástica e convocarem outros
aspectos da condição de documento, entre vestígio de memória pessoal, restos de
uma cultura, pedaços de uma história coletiva, perdas afetivas irreversíveis ou
ainda o enfrentamento do artista (nos confrontando com as nossas perdas) com as
passagens do tempo, passado e futuro”.

Sobre Alberto Bitar: Nasceu
em Belém, em 1970. Formado em Administração de Empresas pela Universidade da
Amazônia em 1995, iniciou na fotografia em 1991, ano em que passou pelas
oficinas de fotografia da Associação Fotoativa,
e desde 1992 desenvolve ensaios pessoais.

Foi selecionado em 1996 pelo projeto Antarctica Artes com a Folha, mapeamento
da produção de jovens artistas do Brasil. No mesmo ano, começou a fotografar
para um jornal de grande circulação em Belém, onde permaneceu até 2001.

Realizou as exposições individuais Solitude (1994), Hecate (1997)Passageiro(2005) – com que integrou a
programação oficial do 7° Mês Internacional da Fotografia de São Paulo –, Efêmera Paisagem (2009/2011), Sobre o Vazio (2011), Corte Seco (2013 em Belém e 2015 em
Porto Alegre) com estas duas recebeu o Prêmio
Marc Ferrez de Fotografia
 da Funarte, e ainda Imêmores (voos) (2014), Súbita Vertigem (2015), a
retrospectiva Fluxo (2016), Imêmores (docs) (2016/17), Flux (em Durban-Corbiere em 2017)
Timeline (2019).

Tem participado de mostras coletivas no Brasil e exterior, como
Evocaciones – mostra de videoarte em Art Lima (Perú), Neblina: A Fotografia no
Acervo do MACRS, Usina do Gasômetro (RS), Coleção Itaú de Fotografia Brasileira
(Rio de Janeiro e Belém), Salão Internacional de Fotografia Abelardo Rodrigues
Antes – Havana/Cuba, Festival Internacional de Curtas de São Paulo, Desidentidad, no Instituto Valenciano de
Arte Moderno, na Espanha, e Une Certaine
Amazonie
, em Paris, dentre outras.

Participou do Rumos
Artes Visuais
 do Itaú Cultural em 2009, Panorama da Arte Brasileira em 2011,
em 2012 foi convidado para a 30ª
Bienal Internacional de São Paulo
 – A iminência das poéticas e em 2015 para
10ª Bienal do Mercosul Mensagens de uma nova América.

Tem obras em acervos como o da Coleção Pirelli/MASP, Museu de Arte
Contemporânea da USP – MAC/USP, MAC/RS – MAC Rio Grande do Sul, Museu de Arte
Moderna de São Paulo, MAM da Bahia, Museu de Arte do Rio – MAR, Fundação
Biblioteca Nacional, Fundação Rômulo Maiorana, Coleção de Fotografias da
FNAC/SP, Coleção de Fotografias do Itaú Cultural, Museu de Arte do Rio Grande
do Sul, Museu da UFPA, Sistema Integrado de Museus do Pará e Museu de Arte
Brasil Estados Unidos.

Serviço
De 15 de junho a 15 de junho de 2019.
ABERTURA – Dia 15 de junho (sábado) – 10H
Visitação aberta ao público: Segunda a sexta – 10h às19h Sábado
– 11h às 17h

Galeria Virgilio
Rua Dr. Virgilio de Carvalho Pinto, 426 – Pinheiros
São Paulo / SP CEP: 05415-020
55 11 3062-7339
www.galeriavirgilio.com.br

Facebook: Galeria
Virgilio

Instagram: @galeria_virgilio

Aproveite para conferir mais eventos de fotografia de cinema no blog da Escola Focus.

#fotografia_notícias #fotografia_casamento
#focus #focus_escola_de_fotografia  #focusfoto #focus_fotografia
#alunos_fotografia #cursos_fotografia #escolas_de_fotografia   #aulas_fotografia  #enio_leite

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)