CORES SATURADAS!

em Uncategorized.

Cores saturadas, atração forte, instintiva, cores vívidas, luz do sol, calor, vivacidade, vegetais, frutas, vida, cursos de fotografia, amazon, Focus escola de fotografia, aulas de fotografia, cursos de fotografia, escolas de fotografia, escola focus, melhor escola de fotografia, curso de fotografia profissional, aula de fotografia, fotografe melhor, curso fotografia, escola de fotografia profissional

Nós temos uma atração forte e instintiva por cores vívidas e saturadas

Associamos as com luz do sol, calor e vivacidade, bem como com vegetais, frutas e plantas floridas em seu auge – por exemplo, laranjas maduras e rosas vermelhas desabrochadas.

De fato, a raiz latina da palavra “vívida” significa “vida”.

Saturação e realismo

Uma das maiores ameaças para qualquer fotógrafo descobrindo pela primeira vez a cor digital é aprender que é possível tornar as cores altamente saturadas, com resultados que atordoam os olhos. Mas preste atenção na palavra “saturação” – como ela implica; você pode cometer exageros, mesmo com algo bom.

Quando todas as imagens são altamente saturadas, elas começam a perceber todas muito iguais e o mundo começa a parecer estranhamente entediante. A tendência então é aumentar o contraste nas imagens para manter a aparência de luminosidade.

Infelizmente, tanto os produtores de películas quanto as câmeras estimularam esta tendência, pois as imagens nas quais a saturação de cores da cena se iguala atrairão o olhar do observador com menor força que aquelas altamente saturadas. Perdoaremos a imprecisão, desde que a imagem esteja brilhante e forte.

Nem todos os motivos se beneficiam com a alta saturação. Um erro clássico é saturar exageradamente imagens claras de casamentos. Aqui a fotografia precisa transmitir uma sensação leve e etérea, quase um high-key.

Para isso você pode superexpor sutilmente as imagens, trabalhar com contraste levemente baixo e também reduzir a saturação das cores interiores arquitetônicos, especialmente aqueles em estilo minimalista, não necessitam de alta saturação de cores: a utilização de brancos tingidos faz parte do estilo, o que sofreria com cores fortes.

Monitorando limites

Outra razão para evitar o uso de cores altamente saturadas é que embora você possa enxergar a scores no LCD de sua câmera ou no monitor do computador, você não será capaz de mantê-las todas na impressão. O problema não é apenas o gamut, a gama de cores, da impressora ser menor que o monitor, a incompatibilidade varia entre impressoras, papéis e tintas, então as cores que você perdem variam de acordo com suas opções de impressão.

 A contração das cores também podem de causar  posterização  ou desigualdade na transição de cores. Consequentemente manter níveis realistas de saturação geralmente é a melhor estratégia.

 A melhor maneira de monitorar a saturação em busca de níveis seguros é verificar as cores fora do gamut. Você pode configurar softwares como Adobe Photoshop para apresentar o aviso de gamut; isto cobre a imagem com uma determinada cor nas áreas de cores que não podem ser reproduzidas precisamente no dispositivo de saída.

 Outro método é fazer uma prova por software da imagem: isto configura as cores do seu monitor para parecerem com aquelas que você terá quando imagem for impressa. Para isso ser confiável, seu monitor precisa estar calibrado e com perfil correto aplicado, e o espaço de cor da saída precisa estar corretamente alocado.

Aproveite para rever mais dicas sobre pós-produção de imagem nas suas apostilas, bibliografias e vídeos das aulas de fotografia dos cursos profissionalizante da Escola Focus.

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)