Da matemática para a fotografia

em Artigos e Entrevistas, Dicas & Tutoriais, Notícias.

Professora de matemática leva aos alunos a arte de fotografar  Duas paixões mudaram a rotina da professora de matemática de 30 anos, Daiane de Jesus Vieira. A sala de aula e a fotografia viraram companheiras a partir de ideias e oportunidades que ela viu aparecerem pelo caminho. Provando que o ensino pode acontecer de maneiras diferentes e que nem sempre é a teoria quem vence, ela ensina aos seus alunos aquilo que sabe sobre a fotografia. Voluntária no projeto e inovando no ensino público, ela espera que o futuro consolide os seus sonhos, sem nunca esquecer que é a atual profissão que a levou em muitos lugares.  "Estou unindo o útil ao agradável." Daiane tem a sorte de estar lidando com dois dos seus grandes interesses. Desde os 22 anos, com o nascimento de sua filha, ela começou a fotografar ainda com câmeras analógicas e descobriu que tinha talento. "Alguns amigos foram elogiando e percebi que gostava mesmo", conta ela, que diz ser autodidata e ter aprendido sozinha sobre a arte da fotografia. Desde 2011 a professora dá aulas de matemática na Escola Estadual de Ensino Médio Professor Carlos Loréa Pinto, mas somente este ano surgiu uma oportunidade de levar  conhecimento além dos números para os alunos. Como a escola de quase 1,4 mil estudantes é beneficiada pelo Programa Ensino Médio Inovador (Proemi), que visa desenvolver propostas curriculares inovadoras, as oficinas de fotografia acabaram virando realidade. Com apoio da escola e do Proemi, Daiane ofereceu, então, o seu tempo e a sua habilidade com fotos para os alunos. “A escola me abriu completamente as portas”, exclama. Para ela, voluntária do programa, o pagamento é a satisfação interior.  Daiane é uma daquelas pessoas que inspiram e foi assim que inspirou os seus alunos da oficina de fotografia. Iniciada em 29 de abril, deve encerrar na próxima semana com cerca de 15 alunos assíduos nas aulas. Mesmo sem verba para compras câmeras para cada um, a escola prestou todo auxílio à professora, mostrando que são os esforços conjuntos que formam alunos completos para o futuro. Agora, chegando ao fim, a perspectiva é de que no segundo semestre as oficinas abram novas turmas ou deem continuidade com os alunos atuais em aulas com conteúdos avançados.  Teoria e prática Manusear a câmera, conhecer funções como "velocidade" e "obturador", ajustar o foco, errar, acertar, enxergar a foto antes do clique. Quem olha de longe diz logo que "é só colocar a máquina no automático". Para os alunos de Daiane o aprendizado vem aos poucos e de forma manual. Paciente, ela explica a eles cada detalhe, incluindo cores, luzes, diferentes cenários e apresenta também fotógrafos que construíram seu espaço no meio.   "A fotografia é interdisciplinar", afirma ela. Envolvendo artes, física, química, história e até a própria matemática, as aulas evoluíram para a fase prática. Ao todo, foram seis módulos de aprendizado, tudo registrado e organizado por Daiane. A coordenadora do Proemi na escola, Rosemary Bianchi, confirma que atividades como essa, realizadas em um turno inverso do horário de aula dos estudantes, vêm dando certo. “Os alunos gostam de estar na escola, mas não na sala de aula, e com certeza oficinas assim ajudam na concentração e vontade deles”, comenta.  A partir das aulas práticas os alunos começaram a vivenciar aquilo que a teoria tanto lhes falava. Daiane observa, orienta, orgulha-se. “Dá para perceber que alguns têm talento para seguir adiante”, revela. Para ela, o mais importante na primeira aula do curso foi questionar os alunos quanto ao interesse deles na fotografia. “Uns quatro responderam que desejam trabalhar nesse ramo, fiquei bem feliz”, diz. A última aula do curso será especial. Com a presença de três modelos voluntárias, os alunos fotografarão em um cenário com belezas naturais e poderão colocar toda sua criatividade em ação. Recentemente, um dos trabalhos propostos por Daiane foi o de retratar o ambiente escolar. “Era uma espécie de foto documentário com a própria visão deles da nossa escola”, explica.  Em uma das aulas os alunos receberam a visita do fotógrafo rio-grandino Aldivo Mendes. A intenção da professora era oferecer o contato com alguém que, além de amar o que faz, é da cidade, assim como eles. “Foi muito bom, porque mostrou para eles que fotografar requer um olhar diferente e muita vontade para aprender.”  Futuro em aberto Aquilo começou como uma brincadeira tirando fotos da filha recém-nascida, virou um trabalho de verdade. O que Daiane talvez não esperava é que a fotografia pudesse também ganhar um espaço tão grande entre os seus planos futuros. Mesmo trabalhando como professora, ela tem em sua casa o que chama de “um estúdio improvisado” e já trabalha com alguns eventos. Grata pela profissão de professora e todas as experiências que pôde viver até hoje dentro das salas de aula, ela confessa uma ponta de decepção. “A falta de motivação dos alunos é frustrante”, desabafa. Embora fale com certeza do gosto por dar aulas, ela admite que pensa, sim, em um dia conseguir trabalhar somente com a fotografia. “É um sonho, não pretendo desistir.”  Fonte: http://goo.gl/NTCsCP   Focus Escola de Fotografia - Desde 1975: http://focusfoto.com.br   Conheça os cursos da Focus: http://focusfoto.com.br/cursos/ Fale com a Focus: cursos@focusfoto.com.br Veja  Ultimas Noticias sobre Fotografia: http://focusfoto.com.br/blogs/   Tags:  matemática, fotografia, velocidade, obturador, ajustar o foco, errar, acertar, aula de fotografia, cores, luzes, diferentes cenários, foto documentário,  fotografia focus são Paulo, fotografe melhor,Curso de fotografia focus, Fotografia, melhor curso de fotografia sp, cursos de fotografia presencial sp, cursos de fotografia online, cursos vips de fotografia, aulas de fotografia, cursos de fotografia profissional, escola focus, focus escola de fotografia, enio leite, melhores escolas de fotografia sp, cursos de fotografia zona leste, noticias sobre fotografia, melhores cursos técnicos de fotografia sp, escola técnica de fotografia sp,                               focus foto, curso fotografia sp, curso de fotografia digital, cursos de fotografia sp, aulas de fotografia sp, cursos de fotografia sp, cursos de fotografia zona sul sp, curso de fotografia profissional, fotografia focus são Paulo, fotografe melhor,   cursos de fotografia sp, Fotografia, escolas de fotografias sp, curso de fotografias sp, notícias sobre fotografia, curso fotografias, melhores curso de fotografias sp, melhores cursos de fotografias Brasil, melhores cursos de fotografia SP,  aulas de fotografia,

Professora Daiane Vieira percebe que alguns alunos demonstram talento (Foto: Marcus Maciel – DP)

Professora de matemática leva aos alunos a arte de fotografar 

Duas paixões mudaram a rotina da professora de matemática de 30 anos, Daiane de Jesus Vieira. A sala de aula e a fotografia viraram companheiras a partir de ideias e oportunidades que ela viu aparecerem pelo caminho. Provando que o ensino pode acontecer de maneiras diferentes e que nem sempre é a teoria quem vence, ela ensina aos seus alunos aquilo que sabe sobre a fotografia.

Voluntária no projeto e inovando no ensino público, ela espera que o futuro consolide os seus sonhos, sem nunca esquecer que é a atual profissão que a levou em muitos lugares. “Estou unindo o útil ao agradável.”

Daiane tem a sorte de estar lidando com dois dos seus grandes interesses. Desde os 22 anos, com o nascimento de sua filha, ela começou a fotografar ainda com câmeras analógicas e descobriu que tinha talento. “Alguns amigos foram elogiando e percebi que gostava mesmo”, conta ela, que diz ser autodidata e ter aprendido sozinha sobre a arte da fotografia.

Desde 2011 a professora dá aulas de matemática na Escola Estadual de Ensino Médio Professor Carlos Loréa Pinto, mas somente este ano surgiu uma oportunidade de levar  conhecimento além dos números para os alunos. Como a escola de quase 1,4 mil estudantes é beneficiada pelo Programa Ensino Médio Inovador (Proemi), que visa desenvolver propostas curriculares inovadoras, as oficinas de fotografia acabaram virando realidade.

Com apoio da escola e do Proemi, Daiane ofereceu, então, o seu tempo e a sua habilidade com fotos para os alunos. “A escola me abriu completamente as portas”, exclama. Para ela, voluntária do programa, o pagamento é a satisfação interior.

Daiane é uma daquelas pessoas que inspiram e foi assim que inspirou os seus alunos da oficina de fotografia. Iniciada em 29 de abril, deve encerrar na próxima semana com cerca de 15 alunos assíduos nas aulas. Mesmo sem verba para compras câmeras para cada um, a escola prestou todo auxílio à professora, mostrando que são os esforços conjuntos que formam alunos completos para o futuro.

Agora, chegando ao fim, a perspectiva é de que no segundo semestre as oficinas abram novas turmas ou deem continuidade com os alunos atuais em aulas com conteúdos avançados. Teoria e práticaManusear a câmera, conhecer funções como “velocidade” e “obturador”, ajustar o foco, errar, acertar, enxergar a foto antes do clique. Quem olha de longe diz logo que “é só colocar a máquina no automático”.

Para os alunos de Daiane o aprendizado vem aos poucos e de forma manual. Paciente, ela explica a eles cada detalhe, incluindo cores, luzes, diferentes cenários e apresenta também fotógrafos que construíram seu espaço no meio.  “A fotografia é interdisciplinar”, afirma ela. Envolvendo artes, física, química, história e até a própria matemática, as aulas evoluíram para a fase prática. Ao todo, foram seis módulos de aprendizado, tudo registrado e organizado por Daiane. A coordenadora do Proemi na escola, Rosemary Bianchi, confirma que atividades como essa, realizadas em um turno inverso do horário de aula dos estudantes, vêm dando certo.

“Os alunos gostam de estar na escola, mas não na sala de aula, e com certeza oficinas assim ajudam na concentração e vontade deles”, comenta. A partir das aulas práticas os alunos começaram a vivenciar aquilo que a teoria tanto lhes falava. Daiane observa, orienta, orgulha-se. “Dá para perceber que alguns têm talento para seguir adiante”, revela. Para ela, o mais importante na primeira aula do curso foi questionar os alunos quanto ao interesse deles na fotografia.

“Uns quatro responderam que desejam trabalhar nesse ramo, fiquei bem feliz”, diz. A última aula do curso será especial. Com a presença de três modelos voluntárias, os alunos fotografarão em um cenário com belezas naturais e poderão colocar toda sua criatividade em ação. Recentemente, um dos trabalhos propostos por Daiane foi o de retratar o ambiente escolar.

“Era uma espécie de foto documentário com a própria visão deles da nossa escola”, explica. Em uma das aulas os alunos receberam a visita do fotógrafo rio-grandino Aldivo Mendes. A intenção da professora era oferecer o contato com alguém que, além de amar o que faz, é da cidade, assim como eles. “Foi muito bom, porque mostrou para eles que fotografar requer um olhar diferente e muita vontade para aprender.”

Futuro em aberto

Aquilo começou como uma brincadeira tirando fotos da filha recém-nascida, virou um trabalho de verdade. O que Daiane talvez não esperava é que a fotografia pudesse também ganhar um espaço tão grande entre os seus planos futuros. Mesmo trabalhando como professora, ela tem em sua casa o que chama de “um estúdio improvisado” e já trabalha com alguns eventos. Grata pela profissão de professora e todas as experiências que pôde viver até hoje dentro das salas de aula, ela confessa uma ponta de decepção. “A falta de motivação dos alunos é frustrante”, desabafa. Embora fale com certeza do gosto por dar aulas, ela admite que pensa, sim, em um dia conseguir trabalhar somente com a fotografia. “É um sonho, não pretendo desistir.”

Fonte: http://goo.gl/NTCsCP

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)