DUAS ALTERNATIVAS PARA GERENCIAR HORAS EXTRAS DE SUA EQUIPE DE FORMA INTELIGENTE

em dicas de fotografia, Notícias.

alternativas, gerenciar, horas extras, equipe, forma inteligente, negócio de fotografia, fotógrafo/empreendedor, profissionais, custos, aulas fotografia, visão fotográfica, Focus escola de fotografia, aulas de fotografia, cursos de fotografia sp, escolas de fotografia EAD, escola focus, cursos de fotografia presencial SP, Enio Leite, curso de fotografia online, aula de fotografia, fotografia profissional, cursos EAD, fotografia notícias

Muitos empresários do negócio de fotografia procuram alternativas inteligentes para diminuir suas despesas com funcionários

E, por vezes, optam por alternativas que geram prejuízos por condutas ilegais ou criam atritos internos da equipe por orientações que engessam o dia-a-dia dos profissionais.

Luiz Eduardo Duarte/JusBrasil

Pensando nisso, escrevemos esse artigo com o objetivo de sugerir duas alternativas interessantes para que o fotógrafo/empreendedor possa diminuir os custos de horas extras da folha de pagamento.

  1. Regime de compensação de jornada.

O regime de compensação de jornada é uma alternativa que está presente na legislação trabalhista desde antes da “reforma”. Basicamente, pelo regime a empresa pode acordar diretamente com o empregado pela utilização de um “banco de horas simplificado”.

Por esse modelo, diferente do banco de horas tradicional, não é necessária qualquer previsão em Convenção/Acordo Coletivo.

O empregado e a empresa definem os termos do regime de compensação, geralmente pautado no limite máximo de 30 dias para compensar as horas extras geradas.

Como exemplo, o empregado trabalha 2 horas extras na segunda, e poderia chegar duas horas mais tarde na terça, ou sair 2 horas mais cedo na sexta-feira da semana seguinte.

Nesse modelo, o empreendedor consegue evitar o custo da hora extra na folha e em seus reflexos, permite que o empregado trabalhe mais quando precisas, e descanse dias seguintes.

  1. Banco de horas.

O banco de horas é uma alternativa mais complexa.

Ele permite que empregado e empresa definam pelo acúmulo de horas em um prazo mais longo do que o previsto pelo regime de compensação.

Nesse sentido, o empregado poderia fazer horas extras por 2 ou 3 semanas e depois de 40/50 dias folgar uma semana completa, por exemplo.

Ainda, assim como no caso do regime de compensação, se o empregado não gozar do descanso devido, a empresa estará obrigada a pagar as horas extras com os devidos percentuais definidos pela CCT da categoria.

A grande questão do banco de horas é a obrigatoriedade ou não de previsão em CCT/ACT.

A legislação previa essa obrigação expressamente, porém, com o advento da reforma e a mudança do papel dos sindicatos em alguns sentidos, passou-se a ter dúvidas sobre a exigibilidade dessa previsão.

Conclusão

De qualquer forma, nossa orientação é sempre de que o fotógrafo/empreendedor não coloque seu negócio de fotografia em risco por conta de interpretações diversas do judiciário, ainda mais quando falamos em uma reforma trabalhista tão questionada.

Por isso, sugerimos que procure um profissional de confiança e avalie qual o melhor método de controle de jornada e de horas extras que sua empresa pode optar para ter uma saúde financeira melhor.

Fonte: https://bit.ly/2GxKsif

Aproveite para rever mais dicas sobre fotografia e administração nas suas apostilas, bibliografias e vídeos das aulas de fotografia dos cursos profissionalizante da Escola Focus.

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)