Eclipse solar que cobrirá os EUA deve ser visto também no Brasil

em dicas de fotografia.

Eclipse solar, NASA, amantes da astronomia, Universidade de Sâo Paulom USP, condições climáticas, eclipse total, cursos fotografia de moda, aula de fotografia sp, focus, cursos de fotografia sp, escola focus, cursos de fotografia online, srgb

© Foto: Beawiharta/Reuters Eclipse solar deve cobrir a totalidade do território dos EUA no dia 21 de agosto

Paulo Beraldo/Estadão

O eclipse solar que cobrirá a totalidade do território dos Estados Unidos em 21 de agosto está movimentando também os amantes de astronomia no Brasil.

Ele poderá ser visto parcialmente por quem mora nos Estados do Norte e do Nordeste do País. O fenômeno deve ocorrer entre 16h30 e 17 horas, no horário de Brasília.

Pesquisador do departamento de Astronomia da Universidade de São Paulo (USP), Roberto Costa disse que as melhores regiões para visualizar o fenômeno no Brasil estão no extremo norte, mas a observação depende das condições climáticas.

“Amapá, Roraima e as partes do norte do Amazonas, Pará, Maranhão, Ceará, Piauí e o litoral do Rio Grande do Norte terão a melhor visualização”, afirmou. Nessas regiões, o fenômeno pode durar até meia hora. “Quem estiver abaixo de Brasília não verá nada.”

O eclipse solar é a sombra da lua provocada pelo sol incidindo sobre a Terra. O lunar é o inverso: a sombra da Terra sobre a lua. Os eclipses costumam ocorrer de duas a sete vezes por ano. Para acontecer no mesmo lugar, é preciso um espaço de tempo de pelo menos 54 anos, afirma Costa.

Segundo a astrônoma do Museu de Astronomia e Ciências Afins do Rio de Janeiro (Mast), Patrícia Spinelli, é uma oportunidade única. “É raro observar um eclipse total porque ele ocorre em uma região pequena em relação ao tamanho do nosso planeta, considerando que ele é coberto por três quartos de água.”

Por vezes, ocorre em locais de difícil acesso, como nos polos, em países conflituosos ou no meio de oceanos. “Agora, cobrirá um país muito populoso (os Estados Unidos, com 323 milhões de habitantes) no meio da tarde”, lembrou.

O evento, chamado pelos americanos de o “maior eclipse da história”, terá transmissão ao vivo da agência espacial NASA para o mundo.

Eclipse solar, NASA, amantes da astronomia, Universidade de Sâo Paulom USP, condições climáticas, eclipse total, aulas de fotografia sp, focus escola de fotografia, melhores escolas de fotografia do Brasil, "propaganda e publicidade"

© Foto: Nasa/Divulgação Especialistas advertem que observação de eclipse solar não deve ser feita a olho nu

Relevância

O eclipse é um fenômeno natural raro conhecido há pelo menos 3 mil anos. Para o astrofísico e autor do blog Telescópio, no site do Estado, Gustavo Rojas, da Universidade Federal de São Carlos (UFScar), atualmente uma de suas utilidades é permitir a observação da coroa solar, a parte que envolve o sol. A coroa tem uma luminosidade tênue e durante um eclipse é a única ocasião em que pode ser vista, disse o pesquisador.

“Além disso, é um espetáculo astronômico impressionante e uma oportunidade para popularizar a astronomia e engajar as pessoas”, afirmou Rojas, que também integra a Comissão de Imprensa da Sociedade Astronômica Brasileira.

Em 2019 e 2020, os brasileiros terão outras oportunidades para observar parcialmente o fenômeno, que terá totalidade no Chile e na Argentina.

Cuidado

Para quem terá a chance de visualizar o eclipse do dia 21, uma das principais recomendações é nunca olhar diretamente para o astro, nem mesmo com óculos de sol. Filtros de soldador e vidros escuros são mais indicados para fazer a observação sem prejudicar a visão.

Outra regra é nunca olhar para o sol com instrumentos de aumento como lentes e telescópios que não estejam equipados com filtros. “Usar um binóculo e apontar diretamente para o Sol é jogar uma quantidade imensa de luz dentro do olho. Em alguns casos, pode até queimar a retina”, advertiu Costa.

Serviço

Onde pode ser visto no Brasil: Amapá, Roraima e norte de Amazonas, Pará, Piauí, Ceará, Maranhão e Rio Grande do Norte.

Horário: entre 16h30 e 17h

Fonte: https://goo.gl/TQd9xK

 FOCUS Escola de Fotografia –  http://focusfoto.com.br
Conheça os novos cursos da Focus: http://focusfoto.com.br/cursos/

Confira opinião de Ex-Alunos: https://goo.gl/yRlkM9
Fale com a Focus: [email protected]

Seja fotografo regulamentado
Obtenha seu registro Mtb de fotografo profissional
Referência em ensino de fotografia

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Comentários

  1. Ken -

    Fui em varios sites na internet para pesquisar sobre isso, li varios sites e nenhum se compara a
    esse aqui, seu Artigo e exelente, muito bem feito e explicativo, adorei.
    obrigado pelas informaçoes.
    desculpe o portugues estou fora do BR a anos.

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)