Estreia amanhã documentário ‘Sal da Terra’ sobre fotógrafo Sebastião Salgado

em Artigos e Entrevistas, dicas de fotografia.

Filme , Cinema , Sebastião Salgado , Fotografia,  O Sal da Terra, Wim Wenders, Juliano Ribeiro Salgado, longa metragem, arco dramático, Outras Américas (1986), Trabalhadores (1996), Êxodos (2000) , África (2007), Gênesis (2013),  vida de fotógrafo, (11) 3107 2219, focus fotografia, sb 700 manual, ana paula maciel nua, curso de fotografia, vaga de fotografo, focus foto, cursos de fotografia, fiona walker, fotos eróticas de cinco estudantes de escolas públicas de luziânia, focus escola de fotografia, fotografia, como expor fotos no metro de sao paulo,  lola melnick, escola de fotografia, fotografia, curso profissional de jornalismo, cursos técnicos de fotografia, curso profissionalizante de fotografia em sp, cursos profissionalizantes de fotografia em sp, fotógrafo, quanto vale o seu trabalho?, curso de fotografia sp, curso de fotografia, focus,  fotografia, escola focus, enio leite, cursos de fotojornalismo, cursos de fotografia documental,   aulas de fotografia sp, aulas cursos online de fotografia, aulas cursos vips de fotografia,  cursos técnicos de fotografia, curso profissionalizante de fotografia em sp, cursos profissionalizantes de fotografia em sp, fotógrafo, quanto vale o seu trabalho?,  curso de fotografia sp, curso de fotografia, focus, fotografia, focus fotografia, escola focus, cursos de fotografia em Santos, cursos de fotografia zona leste sp, cursos de fotogafia zona oeste sp, cursos de fotografia zona sul sp, cursos de fotografia zona central sp, cursos de fotografia online,

O fotógrafo Sebastião Salgado no documentário sobre sua obra, ‘Sal da Terra’, dirigido pelo filho Juliano e Wim Wenders. Foto: Juliano Ribeiro Salgado

Karina Maia
Filme indicado ao Oscar, marca reconciliação entre o fotógrafo e o filho Juliano, diretor do longa ao lado do cineasta alemão Wim Wenders Embarcar em uma expedição pela tribo Zo’e, no Pará, em 2009, parecia arriscado de mais para Juliano Ribeiro Salgado.

Não porque ele se embrenharia na mata e entraria em contato com uma das tribos mais isoladas da Amazônia. O receio maior era de estar tão próximo de Sebastião Salgado, que, até então, conhecia mais como renomado fotógrafo do que como seu pai. Seria um momento importante.

O que ninguém imaginava era que desse encontro nasceria ‘Sal da Terra’. Com estreia marcada para amanhã, o documentário conquistou não só a indicação ao Oscar, mas foi capaz de resgatar a relação que parecia perdida entre os dois.

Mas não era a primeira aventura de Sebastião que Juliano acompanhava. A pedidos da mãe, Lélia, quando ele ainda era adolescente, os dois foram juntos a Ruanda, Índia e França, país em que a família Salgado se estabeleceu após o golpe militar de 64.

A diferença é que, entre essas lembranças da adolescência e a visita ao território Zo’e, passaram-se 25 anos. “Na época, eu nem queria ter feito essas viagens. Dessa vez, em 2009, tinha uma grande expectativa. Se, por um lado, foi incrível conhecer aquele lugar, por outro, achava que ia encontrar quem era ele (Sebastião), mas não encontrei.

Foi frustrante.” Juliano precisaria de ajuda para achar o que procurava. “Filmei a viagem e, quando voltamos, editei as imagens e mostrei para o Tião. Ele ficou muito emocionado com o que viu! Foi um momento intenso para a família e quando vi surgir a oportunidade de fazer um filme”, lembra-se. O documentário tinha que ser em torno das histórias que ele contava sobre as experiências e aprendizados durante suas expedições. Mas, como fazer isso, se ainda havia uma barreira entre pai e filho? “

Contactei o Wim Wenders (cineasta alemão e codiretor de ‘Sal da Terra’) e me abri para ele. Em 2011, já tínhamos um arco dramático para filmar essa história. Ele entrou para ajudar a comunicação com Sebastião e fazer com que ele compartilhasse suas experiências”, explica o diretor. A sacada de Wenders não foi entrevistar o fotógrafo, mas fazer com que ele falasse naturalmente.

“O Wim o colocou em um estúdio, com uma cortina preta que isolava o resto da equipe. Nesse momento, tínhamos uma câmera que ele não podia enxergar. Só o que via era um espelho que refletia suas fotografias, enquanto lembrava a história de cada uma”, descreve o codiretor do longa.

Mas, até chegar a um acordo, a parceria entre os cineastas foi sofrida. “Começamos a ter problemas. Foi difícil abrir mão das sequências e deixar que outro as editasse. Quando o Wim viu a minha edição, ficou louco de raiva, gritava na sala de edição. Também não gostei da parte dele.

Resistimos muito. Demorou, mas, depois de um ano, chegarmos a um consenso”, conta Juliano. O resultado final foi mostrar quem esteve por trás das lentes que registraram acontecimentos mundiais das últimas quatro décadas.

O trabalho de Sebastião rendeu livros de cunho social, como ‘Outras Américas’ (1986), ‘Trabalhadores’ (1996), ‘Êxodos’ (2000) e ‘África’ (2007). Até que ele caiu em depressão após presenciar tanta crueldade humana. Daí em diante, decidiu dar uma guinada e, por nove anos, saiu em busca de lugares e povos intocados pela civilização — o que resultou em ‘Gênesis’ (2013).

“Quando eu vi aquilo pelo olhar de outra pessoa (Wenders), consegui entender o que o Sebastião viveu enquanto estava fora. Foi aí que consegui aceitar tudo isso”, diz Juliano, que emenda: “Para fazer o filme, tinha medo de não ser capaz de passar a montanha de coisas que me impediam de conviver com o meu pai, que tudo fosse um fracasso. Amadureci muito nesse processo e hoje posso dizer que sou um adulto”, desabafa o cineasta, com 40 anos.

 Fonte: http://goo.gl/AmjF49     

FOCUS Escola de Fotografia – Desde 1975: http://focusfoto.com.br 
Conheça os cursos da Focus: 
http://focusfoto.com.br/cursos/ 
Fale com a Focus: 
cursos@focusfoto.com.br 
Veja  Ultimas Noticias sobre Fotografia: 
http://focusfoto.com.br/blogs/   

“Faça bem feito, faça Focus! – 1975 – 2015 = 40 anos”  

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)