ÉTICA E MANIPULAÇÃO NA FOTOGRAFIA DE NATUREZA

em dicas de fotografia.

Ética, manipulação de imagem, fotografia de natureza, fotomontagem, cromo original, conceitos, educação, escolas de fotografia, amazon, Focus escola de fotografia, aulas de fotografia, cursos de fotografia sp, escolas de fotografia EAD, escola focus, cursos de fotografia presencial SP, Enio Leite, curso de fotografia profissional online, atletas nuas, aula de fotografia, fotografia profissional, São Paulo, SP,

Fotomontagem de um cromo original sobre uma tela de software para manipulação de imagem. Crédito: foto e texto: Adriano Gambarini

Eco.com.br

Depois de um longo sumiço por aqui (e espero não mais fazê-lo), retomo estas linhas com um assunto que sempre norteou meus caminhos: a ética. Talvez pelos conceitos que embasaram minha educação, talvez pelo fato de ter tido um pé na ciência e por trabalhar quase que exclusivamente na documentação sistemática de pesquisas, o fato é que a ética sempre foi o alicerce da minha vida pessoal e profissional.

E talvez por isso eu tenha sido convidado por Marcos Sá Corrêa (um dos melhores jornalistas que este país já conheceu) a compor o grupo de colunistas do ((o))eco, em seus primórdios como portal de assuntos ambientais; no meu caso, como responsável pela análise das fotografias.

A geração desta era digital fotográfica está seguindo por caminhos confusos. A manipulação exagerada nas fotografias tem tornado qualquer cromo (o popular slide) um objeto insosso e pálido. Mas cabe aqui ressaltar que esta pequena fotografia de origem química nada mais trazia do que senão a realidade. A verdade da cena documentada.

O cromo sempre foi o retrato fiel da capacidade do fotógrafo em documentar a realidade. Em trazer as informações visuais ou informativas daquilo que estava sendo registrado. Logicamente naquela época também haviam alterações maliciosas, mas estou desconsiderando estes casos, afinal, mau caráter não se cura e aquele que o tem é capaz de deturpar ou mentir sobre qualquer realidade em benefício próprio.

Mas com o advento dos recursos digitais, os fotógrafos (ou aqueles que se autodenominam assim), viram um universo de possibilidades em alterar a realidade documentada. Saturam exageradamente as cores, tiram e acrescentam informações, colocam luz onde não existe e apagam o que incomoda; brincam de serem Deus em seu pequeno mundo computadorizado. Obviamente gosto não se discute e qualquer um pode fazer o que quiser com suas fotos, desde que estas manipulações estejam bem esclarecidas para os leitores que leem essas fotos.

Mas não é isto que tem acontecido. Milhares de imagens alteradas flutuam no universo virtual, carregam informações distorcidas, falsas, sem o menor pudor daqueles que as transmitem. E o que é pior, não percebem que ao enganar o leitor está enganando a si próprio, pois antes de registrar uma cena, o dito fotógrafo é antes de tudo um leitor daquela cena. Ou seja, ao alterar e manipular o que viu, torna-se culpado e cúmplice ao mesmo tempo.

Sobre a manipulação de fotos de vida silvestre, arrisco ainda afirmar que não existe um biólogo especializado em ornitologia ou entomologia que não tenha se deparado com a foto de algum animal conhecido e pensou: “Eu conheço este pássaro, este besouro; eles não têm esta cor!” Sem falar das fotos do alvorecer ou paisagens montanhosas, com aquela luz agradável e sutil do fim da tarde, sendo transformadas numa paleta de cores que nenhum espectro de luz é capaz de explicar. Confesso que não entendo porque estes fotógrafos (ou quem se autodenomina assim) precisam exagerar tanto na manipulação de uma fotografia. Para que torná-la algo tão exageradamente colorida a ponto de transformá-la em algo surreal e fantasioso?

Enfim, tudo isto não seria problema se estas imagens permanecessem nos domínios de seus criadores. Tudo isto seria um problema menor se o impulso em corromper a realidade não transpusesse algumas barreiras éticas. Tudo estaria resolvido se distinguissem fotografia de arte digital. Mas recentemente o falso conceito de que tudo é permitido neste mundo moderno atingiu definitivamente a fotografia, com a denúncia da manipulação de uma cena.

Uma fotografia realizada por um brasileiro (e neste caso, nem arrisco a defini-lo como fotógrafo, pois o que ele fez é inadmissível para meu conceito de ética), vencedora de um dos mais importantes concursos de fotografia de natureza do mundo, foi denunciada como falsa. Uma montagem vergonhosa de uma cena que envolvia um animal silvestre brasileiro. Especialistas na espécie averbaram uma série de contradições nas características biológicas do animal e da situação documentada, que corroboram a denúncia.

Definitivamente, um tiro no pé da fotografia brasileira ante o mundo. E não é a primeira vez que uma fotografia é revelada como falsa nesse concurso tão renomado, que carrega em seu nome a sigla de um dos canais de comunicação mais importantes sobre meio ambiente. Cabe agora o meu desejo que surjam duas reações a este descabido acontecimento: que sirva de exemplo às próximas gerações de fotógrafos digitais do que não pode ser feito, e que a instituição responsável por este concurso crie normas de ajuste de conduta, não aceite imagens manipuladas em qualquer instância, mesmo que seja “apenas um inofensivo ajuste na cor”; enfim, crie regras mais rigorosas para que as futuras imagens submetidas tragam de volta os valores éticos e profissionais da verdadeira fotografia.

Fonte: https://goo.gl/HiELua

Aproveite para rever mais dicas sobre direito autoral nas suas apostilas, bibliografias e vídeos das aulas de fotografia dos cursos profissionalizante da Escola Focus.

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)