Exposição conta a história da Rádio Nacional

em Dicas & Tutoriais, Notícias.

fotografia, focus escola de fotografia,  escola focus, enio leite,escola de fotografia, SP, cursos de fotografia,curso de fotografia, cursos fotografia online, cursos de fotografia profissional, cursos de fotojornalismo, cursos de fotografia de moda, cursos de fotografia publicitária, melhor curso de fotografia, cursos Vips de fotografia, cursos de fotografia focus

Caixa Cultural Sé, localizada no centro de São Paulo, abriga uma exposição que apresenta 75 fotografias do acervo da rádio do Rio de Janeiro; no passeio, o visitante também poderá ouvir programas e gravações do estúdio e do auditório da rádio

“Alô, alô Brasil! Aqui fala a Rádio Nacional do Rio de Janeiro!”  Foi com essa frase que o locutor Celso Guimarães deu início à transmissão da Rádio Nacional, em 1936. Alguns anos depois, a emissora virou referência: por ela passaram grandes intérpretes da música popular brasileira, tais como Dalva de Oliveira, Lamartine Babo, Francisco Alves, Orlando Silva e Dolores Duran. Nela surgiram também os programas de auditório de variedades e de humor. E foi por meio de suas ondas que foram transmitidas as famosas radionovelas, que enriqueceram o imaginário brasileiro.

Para homenagear toda essa história, que ajudou a construir a história do rádio no país, a Caixa Cultural Sé, localizada no centro de São Paulo, vai abrigar uma exposição que apresenta 75 fotografias do acervo da rádio do Rio de Janeiro. No passeio, o visitante também poderá ouvir programas e gravações do estúdio e do auditório da rádio.

Segundo o curador e historiador Carlos Eduardo França de Oliveira, o foco da exposição, chamada Uma Rádio Ligando o Brasil: Memória da Rádio Nacionalé a década de 1950. “É uma exposição sobre a Rádio Nacional e busca retratar um pouco da trajetória que ela percorreu desde os anos 1930 até hoje. Por uma questão de acervo, acabamos restringindo a exposição aos anos 1950 porque buscamos trabalhar com o acervo da própria Rádio Nacional, fotográfico e de fonogramas”, disse Oliveira, em entrevista à Agência Brasil.

Em 76 anos de existência, a Rádio Nacional reuniu um acervo considerável de discos, gravações, imagens e cartazes. Tudo isso ajudou a consolidar a ideia de nacionalidade brasileira, um pedido feito pelo então presidente Getulio Vargas. Foi então, no rádio, que surgiram os primeiros símbolos dessa unidade nacional: a cantora Carmem Miranda e o compositor Ary Barroso, ritmos como o samba e o choro, a música Aquarela do Brasil (de Ary Barroso) e o programa de notícias Repórter Esso.

“A Rádio Nacional foi um projeto criado no final dos anos 1930 quando o Brasil ainda não tinha uma identidade cultural, um traço cultural. Havia uma série de manifestações dispersas por todo o país, mas nada que as unificasse. No governo de Getulio Vargas, no Estado Novo, tentou-se, de diversas formas, dar uma cara para o Brasil e dizer o que o simboliza. A Rádio Nacional vai muito de encontro com isso”, explicou o curador.

Segundo Oliveira, um exemplo disso é o que ocorreu com o samba. “Até os anos 1930, o samba era restrito a algumas partes do território nacional. Ele foi então trabalhado por meio da Rádio Nacional como sendo elemento nacional por excelência”, disse.

No percurso da exposição, o visitante irá se deparar com muitas fotografias que ajudam a contar a história da Rádio Nacional na década de 1950. “Ao longo da exposição [o visitante] encontrará os cantores, cantoras e músicos, os personagens dos programas de auditório e imagens das pessoas que frequentavam a Rádio Nacional. Haverá também uma área sobre o backstage [bastidores] da Rádio Nacional, ou seja, sobre as pessoas que trabalhavam na rádio, na parte técnica ou administrativa, mas que os ouvintes não conheciam. Haverá também um espaço para as radionovelas, que eram um grande sucesso dos anos 1950”, disse o curador. Segundo ele, haverá inclusive fotos que mostrarão como eram feitas as sonoplastias das radionovelas, desde os ruídos que lembravam o barulho da chuva até os passos dos cavalos.

Além das imagens, haverá uma área voltada para a audição, em que o visitante poderá escutar trechos dos programas da rádio, e outra que vai apresentar uma animação, mesclando publicidade, áudio e imagens da época e que pretende mostrar como era a Rádio Nacional.

A exposição é gratuita e terá início no dia 8 de dezembro, com término no dia 25 de fevereiro do próximo ano. O projeto é uma parceria com a Empresa Brasil de Comunicação (EBC). Mais informações sobre a exposição podem ser acessadas em http://www.caixacultural.com.br.

Saiba mais sobre a Rádio Nacional acessando o site http://www.ebc.com.br/sobre-a-ebc/veiculos-da-ebc/radios/radio-nacional-am-rio-de-janeiro.

Fontehttp://bit.ly/YgoHsA Visite o site da Focus Escola de Fotografia http://www.focusfoto.com.br

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 15/08/2020)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)