Face a Face com Grandes Fotógrafos

em Artigos e Entrevistas, Dicas & Tutoriais.

Sebastião Salgado, Cristina de Middel, Nobuyoshi Araki, Martin Parr, Zhong Weixing, Robert Frank, Bernard Plossu, Duane Michals, Cristina de Middel, William Klein, fotógrafo, fotografia contemporânea mundial, Félix Nadar,, escola focus, focus fotografia, curso de fotografia, escola focus, cursos de fotografia, focus escola de fotografia, curso de fotografia sp, curso fotografia, bella da semana

Da esquerda para a direita: Sebastião Salgado, Cristina de Middel, Nobuyoshi Araki e Martin Parr | © Zhong Weixing

Imaginabilis.com.br

Zhong Weixing retrata em exposição os grandes nomes da fotografia mundial. Exposição inédita chega ao Brasil no Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro.

A exposição Face a Face Com Grandes Fotógrafos, do artista chinês Zhong Weixing, que estreia dia 11 de maio no Museu Histórico Nacional, traz ao país obras realizadas em um ambicioso projeto desenvolvido pelo artista desde 2015. Fotógrafo e colecionador de arte, Zhong, especialista em capturar paisagens e detalhes de viagens, foca neste projeto um outro cenário: os maiores nomes da fotografia contemporânea mundial.

Com curadoria de Jean-Luc Monterosso e Milton Guran, a exposição traz retratos feitos em estúdio de nomes como os brasileiros Sebastião Salgado, Miguel Rio Branco e Vik Muniz, além de feras internacionais como Robert Frank, Bernard Plossu, Duane Michals, Cristina de Middel, Martin Parr e William Klein, entre outros. A ideia é buscar a personalidade do fotógrafo por trás das lentes. Depois de mergulhar intensamente na obra do autor ou autora que tem diante de si, Zhong nos oferece uma visão plural e uma interpretação bastante pessoal do retratado, como fragmentos da obra destes autores.

A inspiração de Zhong Weixing para a realização deste projeto vem do ano de 1851, de uma séria criada pelo caricaturista francês Félix Nadar, que planejou fazer um retrato das celebridades de seu tempo, em quatro pranchas litográficas. Somente uma ficou pronta, na qual retratava mais de 250 escritores e jornalistas, e que entrou para a história como o Panteão Nadar.

FOTÓGRAFOS RETRATADOS NA EXPOSIÇÃO

  Alain Fleischer, francês, vive e trabalha na França. Fresnoy, 2016.

 Alberto Garcia Alix, espanhol, vive e trabalha na Espanha. Paris, 2016.

 Andres Serrano, norte-americano, vive e trabalha nos Estados Unidos. Paris, 2016.

 Arno Rafael Minkkinen, finlandês, vive e trabalha nos Estados Unidos. Paris, 2017.

 Bernard Faucon, francês, vive e trabalha em Paris. Paris, 2017.

 Bernard Plossu, francês, vive e trabalha em Paris. Paris, 2017.

 Bruno Barbey, francês, vive e trabalha em Paris. Paris, 2017.

 Christine Spengler, francesa, vive e trabalha em Paris. Paris, 2016.

 Cristina De Middel, espanhola, vive e trabalha no México e no Brasil. Paris, 2016.

 Daido Moriyama, japonês, vive e trabalha em Tóquio. Tóquio, 2016.

 Duane Michals, norte-americano, vive e trabalha em Nova York. Nova York, 2016.

 Elliott Erwitt, norte-americano, vive e trabalha em Nova York. Nova York, 2016.

 Gianni Berengo Gardin, italiano, vive e trabalha em Milão. Milão, 2016.

 Harry Gruyaert, belga, vive e trabalha em Paris. Paris, 2017.

 Jean-Pierre Laffont, francês, vive e trabalha em Nova York. Nova York, 2016.

 Joan Fontcuberta, espanhol, vive e trabalha em Barcelona. Paris, 2017.

 JR, francês, vive e trabalha em Paris. Paris, 2017.

 Klavdij Sluban, esloveno, vive e trabalha em Paris. Paris, 2017.

 Martin D’Orgeval, francês, vive e trabalha em Paris. Paris, 2016.

 Martin Parr, inglês, vive e trabalha na Inglaterra. Paris, 2016.

 Martine Barrat, francesa, vive e trabalha em Nova York. Paris, 2016.

 Miguel Rio Branco, brasileiro, vive e trabalha no Brasil. Paris, 2016.

 Neal Slavin, norte-americano, vive e trabalha em Nova York. Nova York, 2016.

 Nobuyoshi Araki, japonês, vive e trabalha em Tóquio. Tóquio, 2016.

 Orlan, francesa, vive e trabalha em Paris. Paris, 2017.

 Patrick Zackmann, francês, vive e trabalha em Paris. Paris, 2017.

 Pierre et Gille, franceses, vivem e trabalham em Paris. Paris, 2017.

 Ralph Gibson, norte-americano, vive e trabalha em Nova York. Paris, 2016.

 Robert Frank, suíço, vive e trabalha em Nova York. Nova York, 2016.

 Sabine Weiss, suíça, vive e trabalha em Paris. Paris, 2016.

 Sebastião Salgado, brasileiro, vive e trabalha em Paris. Paris, 2015.

 Valérie Belin, francesa, vive e trabalha em Paris. Paris, 2016.

 Vik Muniz, brasileiro, vive e trabalha no Rio de Janeiro. Paris, 2016.

 Vincent Perez, francês, vive e trabalha em Paris. Paris, 2016.

 William Klein, norte-americano, vive e trabalha em Paris. Paris, 2016.

 Yann Arthus-Bertrand, francês, vive e trabalha em Paris. Paris, 2016.

SOBRE ZHONG WEIXING

Nascido na província de Chengdu, na China, em 1962, é colecionador de arte e fotógrafo, membro da China Photographers Association e presidente da Chengdu International Photography Exchange Association. Seu trabalho é regularmente publicado pelas revistas China Photography, PIXEL, Tibet Geographic, dentre outras. Entre as obras assinadas pelo artista estão: Peru Photographic Travelogue – Woodstock on the Summit, Sri Lanka Photographic Travelogue – A Momentary Reincarnation, Madagascar Photographic Travelogue, Carnet de Route Photographique, Obscure Sky with Yellow Land e Lost Paradise, com a qual ganhou o Grand Jury Prize no 12th Pingyao International Photography Festival, em Pingyao, China.

SERVIÇO 

 Exposição: Face a Face com Grandes Fotógrafos

 Fotógrafo: Zhong Weixing

 Data: até 16 de julho de 2017

 Local: Museu Histórico Nacional

 Endereço: Praça Marechal Âncora, s/nº – Centro – Rio de Janeiro/RJ

 Telefone: (21) 3299-0324

 Horário de Funcionamento: Terça a sexta, das 10h às 17h30. Sábado, domingo e feriados, de 13h às 17h

 Entrada: R$ 10,00 – grátis aos domingos.

TEXTO DOS CURADORES – “Um panteão de fotógrafos”

Em 1851, o caricaturista francês Félix Nadar, antes de fazer fama como fotógrafo, se propôs a desenhar o retrato das celebridades do seu tempo e apresentar o conjunto em quatro pranchas litográficas em formato de panorâmica. Destas, apenas a primeira foi efetivamente publicada, em 1854, reunindo mais de 250 escritores e jornalistas. Assim nascia o chamado Panteão Nadar.

É nessa linha de ação que se inscreve o trabalho de Zhong Weixing. Em 2015, ele começou a fotografar, de forma sistemática, os maiores fotógrafos da cena contemporânea. Renovar o gênero do retrato, eis o desafio que Zhong se propôs.

Trabalhando em estúdio, ele utiliza quase sempre um fundo negro e luz difusa. Instalado diante do seu modelo, realiza uma série fotos através das quais tenta, não exatamente revelar a pessoa por trás da personagem, mas sobretudo o fotógrafo por trás da pessoa. Seus retratos surgem como se fossem, eles mesmos, fragmentos da obra desses autores. A participação ativa dos retratados, que propicia um diálogo construtivo entre os dois fotógrafos, ao invés de uma confrontação, caracteriza o que poderíamos chamar de simbiose criativa de Zhong Weixing.

O conjunto dessas imagens se constitui, portanto, em um painel excepcional da fotografia contemporânea. Um panteão sem dúvida, mas, sobretudo, uma homenagem vibrante a todos aqueles que fazem da fotografia uma arte maior do nosso tempo.“

Fonte: https://goo.gl/ms9IVD

FOCUS Escola de Fotografia –  http://focusfoto.com.br
Conheça os novos cursos da Focus: http://focusfoto.com.br/cursos/

Confira opinião de Ex-Alunos: https://goo.gl/yRlkM9
Fale com a Focus: [email protected]

Seja fotografo regulamentado
Obtenha seu registro Mtb de fotografo profissional

 Referência em ensino de fotografia
“Faça bem feito, faça Focus! – Desde 1975” 

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)