Falso fotógrafo brasileiro: como saber quando a mentira é uma doença?

em Uncategorized.

Falso fotógrafo, como saber, mentira, doença,  Fotógrafo brasileiro, Eduardo Martins, Nações Unidas, cursos de fotojornalismo, agências internacionais, áreas de conflito, Instagram, transtorno de personalidade, Curso de fotografia online, escola focus, fotografia aula,

O suposto fotógrafo Eduardo Martins postava fotos nas redes sociais como se trabalhasse em áreas de conflito

Paula Pacheco/UOL

Eduardo Martins, fotógrafo das Organizações das Nações Unidas (ONU), trabalhava em áreas de conflito e tinha suas imagens distribuídas pelas maiores agências internacionais — e publicadas para cerca de 127 mil seguidores no Instagram.

Só que não. O personagem por trás desse falso perfil pode ser um mitômano, alguém que sofre de um transtorno de personalidade e tem propensão exagerada para mentir.

“O mitômano acredita na própria mentira e pode chegar a ter quadros delirantes. É um comportamento muito diferente daquele que mente para divertir as pessoas ou daquela mentira inocente que contamos para não fazer mal a alguém”, explica Roosevelt Cassorla, psiquiatra, psicanalista e professora do curso de psicologia da PUC de São Paulo.

Ser admirado é um estímulo

Quem tem esse tipo de transtorno sente uma espécie de excitação ao se ver cada vez mais admirado como personagem de histórias fantasiosas, como as criadas pelo falso Eduardo Martins. O possível prejuízo causado pelo falso falso fotógrafo — que iludiu muita gente e ganhou dinheiro com fotos feitas por outras pessoas — são uma espécie de efeito colateral, diz o professor da Unicamp. Não parece ter sido uma vantagem premeditada.

Denise cita uma ex-paciente que frequentava um clube e inventou que tinha um filho porque todos da sua roda de amigos eram pais. A história foi crescendo e chegou um momento, quando aconteceria uma festa com as crianças, que a farsa acabaria sendo revelada. Acuada, ela preferiu deixar de frequentar o clube e procurou ajuda profissional.

Em outro caso, um rapaz costumava inventar histórias sobre a origem de seus pais, que seriam da nobreza europeia. Na verdade, eram pobres agricultores que vieram para o Brasil. “Essas histórias costumam ganhar adereços com o passar do tempo, mas chega uma hora que não convencem mais ninguém.

Por isso, muitos mitômanos costumam ser antissociais, pois quando são descobertos têm de se afastar do convívio”, relata a psicóloga. Foi o que aconteceu com Eduardo Martins. Na mentira final de seu personagem, ele escreveu para um contato ao saber que sua história falsa havia sido descoberta.

“Fala irmão. Tô na Austrália, tomei a decisão de passar um ano em uma van rodando o mundo. Vou cortar tudo inclusive internet, tb (também) deletei o IG (Instagram). Quero ficar em paz. A gente se fala qd (quando) eu voltar. Abraços”. Na mensagem seguinte, escreveu: “Valeu. Vou deletar aqui o zap. Fica com Deus”.    

Veja como identificar um mentiroso compulsivo

Como diferenciar o mentiroso eventual do mitômano? O mitômano mente com frequência e de forma compulsiva para parecer bem na história, para ganhar projeção. Mas pode reagir mal se a sua mentira for contestada. Como o mitômano se confunde entre verdade e mentira, não admite que está mentindo. Como o mitômano se confunde entre verdade e mentira, não admite que está mentindo. Como as mentiras são frequentes, quem convive com ele percebe com o tempo que os fatos não batem.

O que pode desencadear esse comportamento?

Traumas na infância são as causas mais comuns. Essas pessoas têm baixíssima autoestima e sentem necessidade de se exibir e chamar a atenção com histórias falsas.

Quando as mentiras compulsivas podem começar a acontecer?

No fim da adolescência, início da fase adulta. As mentiras são criadas de forma planejada? Não, as histórias surgem diante de uma situação em que ele se sinta inferior.

Um mitômano pode prejudicar alguém com suas histórias? Sim, se tiver outros transtornos de personalidade. Por outro lado, há mentirosos que não necessariamente são mitômanos — enganam para levar vantagem, podem mentir para para envolver uma mulher de olho em seus bens ou para desviar dinheiro da empresa. Há, ainda, aqueles que se expõem com o objetivo de serem punidos, como criminosos que deixam pistas por se sentirem inconscientemente culpados.

Existe tratamento?

A psicoterapia costuma ter um bom resultado, mas normalmente o mitômano tem muita dificuldade em admitir o problema e procurar ajuda. Além disso, ele pode sentir dificuldade em abandonar a fantasia e, ao  seus traumas e sentimentos de inferioridade, pode deixar o tratamento.

Fonte: https://goo.gl/a4i1Si

FOCUS Escola de Fotografia –  http://focusfoto.com.br
Conheça os novos cursos da Focus: http://focusfoto.com.br/cursos/

Confira opinião de Ex-Alunos: https://goo.gl/yRlkM9
Fale com a Focus: [email protected]
Veja TCC de Alunos: https://focusfoto.com.br/tag/tcc/

Seja fotografo regulamentado                              
Obtenha seu registro Mtb de fotografo profissional
Escola Focus: Referência em ensino de fotografia

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 15/08/2020)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)