Fotógrafa conta como venceu batalha contra esquizofrenia após passar 10 anos sem sair de casa

em Artigos e Entrevistas, Dicas & Tutoriais.

fotografia, (11) 3107 2219, focus,   fotógrafa, batalha, esquizofrenia, universidade, efeitos colaterais, remédios, diagnóstico, pensamentos depressivos, psiquiatra, problemas mentais, Fotografe melhor,  focus fotografia, curso fotografia, cursos  Fotografe melhor,  focus fotografia, curso fotografia, cursos fotografia moema,   curso intensivo de fotografia sp, curso de fotografia online, curso de fotografia, curso fotografia, focus escola de fotografia, fotos eróticas, direito autoral, melhores escolas de fotografia do mundo, cursos fotografia sp, aulas de fotografia online, cursos de fotografia pinheiros sp, cursos de fotografia Tatuapé sp,  melhores cursos de fotografia do mundo,  aulas de fotografias,  playboy tati zaqui, fotografia escolar, curso intensivo de fotografia sp, diane arbus, curso intensivo de fotografia sp, cursos intensivos de fotografia sp, melhores escolas de fotografia sp,  aulas de fotografia, aula de fotografia sp, aulas de fotografia online, vaga fotografo, curso fotografia portrait, camera, escola focus de fotografia, cursos de fotografia,  focus fotografia,  curso de fotografia, vaga de fotografo, focus foto, cursos de fotografia, focus escola de fotografia, cursos de fotojornalismo, cursos de fotografia online, vaga fotografo, curso de fotografia, escola de foto, fotografia curso,  Cursos de fotografia zona leste sp, cursos de fotografia zona sul sp, cursos de fotografia zona oeste sp, cursos de fotografia em santos, cursos de fotografia zona central sp, cursos de fotografia vila mariana sp, cursos de fotografia vila Madalena sp, escolas profissionalizantes de fotografia,    curso de fotografia sp, curso de fotografia, focus, fotografia, focus fotografia, escola focus, cursos técnicos de fotografia, curso profissionalizante de fotografia em sp, cursos profissionalizantes de fotografia em sp, cursos de fotografia vila Madalena sp, cursos de fotografia vila mariana sp, cursos de fotografia ABC sp, cursos de fotografia centro de São Paulo,     escola focus, curso de fotografia em sp,  curso profissionalizante de fotografia em sp, cursos profissionalizantes de fotografia em sp, escola focus foto,  melhor curso de fotografia sp, melhores escolas de fotografia sp, concursos de fotografia, cursos de fotografia digital, história da fotografia no Brasil, dicas iniciantes fotografia, fotografia aereas, estúdio de fotografia, curso fotografia casamento, concurso fotografia, dica fotografia, revelação fotografia, fotografia publicitaria, fotografia de criança,  fotografia aulas, aprender fotografia, editor de fotografia, focus, focusfoto.com.br, focus foto, fotografia de moda, fotografia curso, fotografia, manual de fotografia, dica de fotografia digital, curso de fotografo profissional, galerias de fotografia, fotografia profissional, cursos de fotografias, cursos fotográficos, melhor curso de fotografia no Brasil, melhor escola de fotografia no Brasil,

Alice descobriu a fotografia ainda na universidade como um meio de se expressar (Foto: Reprodução/Alice Evans/Arquivo pessoal)

Alice Evans teve primeiros episódios quando ainda era universitária e sofreu com efeitos colaterais de remédios.

 A fotógrafa britânica Alice Evans estava na universidade quando teve o primeiro episódio de esquizofrenia. Depois do diagnóstico, ela não saiu da casa dos pais durante dez anos. Abaixo, Alice dá seu depoimento à BBC. Eu tinha cerca de 20 anos e estudava na universidade quando fiquei muito mal.

Tinha vindo de um vilarejo rural em Devon e era minha primeira vez em uma cidade. Quando cheguei à universidade foi assustador, mas fiz alguns amigos e estava gostando do curso de teatro. Mas não conseguia me livrar dos pensamentos depressivos que tive durante minha adolescência.

Tinha três empregos para pagar pela faculdade e ainda tinha que estudar. Tudo isso foi muito pesado.Com o passar do tempo parei de dormir e foi aí que os problemas realmente começaram.

Senti como se o mundo tivesse perdido as cores. É a única forma de descrever. Tudo se transformou em um tom tedioso de cinza. Pensamentos e frases começaram a desaparecer de minha mente.

Eu pensava em algo e deixava ir em embora. Puf! E não conseguia falar. As palavras simplesmente não saíam da minha boca. Eu tinha medo o tempo todo, especialmente quando comecei a ouvir outras vozes no rádio e na TV. Eu não sabia o que estava acontecendo e não tinha ideia do quanto eu já estava doente.

Um fim de semana minha tia e meu tio me visitaram e, enquanto andávamos pela cidade, notei que não havia pessoas, de repente todas elas desapareceram e todos os prédios tinham desabado. Eu estava andando sozinha em uma cidade abandonada.

Claro que isto não estava acontecendo de verdade, mas quando você está no meio de um episódio psicótico aquela experiência do mundo é sua realidade. Não é como se estalando os dedos você pudesse voltar ao normal. Aquele período da minha vida é incrivelmente nebuloso para mim. Eu estava tão confusa, assustada e cansada que realmente não me lembro de muita coisa.

E, porque eu não conseguia falar, não conseguia dizer para meus amigos e família o quanto a situação estava grave. Na verdade, acho que nem percebi. Quando você vive a psicose, na maior parte do tempo você está assustada demais para falar. Um dia saí de casa, desorientada, sem saber onde estava indo.

Sem ninguém para ajudar, vaguei pelas ruas da cidade sozinha e confusa, entrando em ônibus para tentar ir para casa sem saber para onde eles iam. De alguma forma – até hoje não sei como – alguns amigos me encontraram angustiada e me levaram para a casa dos meus pais em Devon.

Depois disso, eu não saí da casa durante dez anos.

Médicos

Meus pais me levaram para um psiquiatra que conversou gentilmente comigo e me deu remédios para diminuir os chamados sintomas “positivos” da esquizofrenia. Entre estes estão alucinações, ilusões e a confusão que eu estava tendo. Foi muito bom ouvir o diagnóstico. Esquizofrenia.

Pelo menos eu sabia com o que tinha que lidar, tinha uma resposta e poderia seguir em frente. Os medicamentos ajudaram quase imediatamente, mas eu realmente queria conversar com alguém em sessões de terapia. Naquela época havia uma falta de verbas para este tipo de tratamento na rede pública, algo que continua sendo um problema para pessoas com problemas mentais hoje.

Com os remédios, comecei a fazer pequenos avanços para me recuperar. Comecei a falar um pouco e conseguia tomar banho, os cuidados pessoais básicos. Qualquer um que diga que doença mental não é debilitante está errado.Infelizmente, os remédios tiveram um efeito na minha saúde física e, no fim do ano seguinte, eu tinha engordado 63,5 quilos devido aos efeitos colaterais.

Quando engordei tudo ficou mais difícil. Me sentia pouco atraente, relutante em ver meus amigos e ainda tinha medo de sair, então era difícil me exercitar. Depois de alguns anos consegui um emprego em um pub local. Colocava os fones de ouvido e ouvia música enquanto trabalhava, então eu gostava muito.

Mas, infelizmente, eu ficava doente e não conseguia manter um emprego. Tudo parecia ser um círculo vicioso. Então, algo miraculoso aconteceu e eu acabei fazendo alguns amigos.

Eu gostava muito de arte e música antes de ficar doente e minha mãe me convenceu a entrar em um grupo de teatro local. Fiquei com medo da perspectiva de conhecer novas pessoas e atuar em um palco, mas todos me receberam bem e eu fiquei com um papel na peça que estavam encenando.

Não conseguia lembrar minhas falas, mas ninguém parecia se importar, os outros eram rápidos e engraçados e conseguiam preencher quando eu esquecia. Meu melhor amigo no grupo,

Tristan, me apoiava muito. Contei a ele que tinha esquizofrenia, ele já tinha passado por problemas de saúde mental também. Um dia ele anunciou que planejava entrar em uma universidade e sugeriu que eu tentasse também. Estava aterrorizada, mas, com o apoio dele, tentei.

Para minha surpresa, fui aceita na Escola de Arte Chelsea. Minha vida começou.

Fotos e filmes

Comecei a fazer fotos e filmes que expressavam como eu meu sentia. Me comunicava melhor por aqueles meios do que por palavras. Outro passo importante foi que fui indicada para uma ótima equipe de saúde mental que me ajudou a obter o apoio que precisava para ser mais independente.

E os funcionários e estudantes do colégio de arte me deram todo o apoio que precisava. Dois anos atrás, tive outro pequeno problema quando meu ganho de peso me impediu de me recuperar totalmente de uma infecção e passei dez dias em cuidados intensivos com um caso grave de asma.

Felizmente fiquei bem depois, o bastante para uma cirurgia que me ajudou a perder peso, outro passo importante na minha recuperação. Comecei a trabalhar como voluntária em uma instituição de caridade local voltada para saúde mental, o que me deu mais experiência.

Eles me indicaram para terapia, o que foi fundamental na minha recuperação. Mas a organização teve cortes de verbas e o escritório onde eu trabalhava foi fechado. Antes disso, eles me ajudaram a tentar o mestrado na Royal College of Art e eu comecei a trabalhar como professora. Agora estou tentando o doutorado.Precisei de 20 anos para chegar a este ponto da recuperação e ainda tenho problemas. Esquizofrenia é uma doença muito difícil de conviver e tenho sorte de ter o apoio da minha família e amigos.Se pudermos desafiar o preconceito, conseguir investimento apropriado em saúde mental, demonstrar gentileza e dar apoio aos que enfrentam problemas como esquizofrenia, então as pessoas não serão abandonadas pelo tempo que eu fui.

Fonte: http://glo.bo/1kHZWDM     

FOCUS Escola de Fotografia – Desde 1975: http://focusfoto.com.br 
Conheça os cursos da Focus: 
http://focusfoto.com.br/cursos/ 

Fale com a Focus: [email protected] 
Veja Ultimas Noticias sobre Fotografia: 
http://focusfoto.com.br/blogs/  

Seja fotografo regulamentado. Obtenha seu registro Mtb de fotografo profissional

Registro Profissional: Respeito & Cidadania
“Faça bem feito, faça Focus! – 1975 – 2015 = 40 anos”  

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)