FOTOGRAFANDO A VIDA NATURAL

em Artigos e Entrevistas, Dicas & Tutoriais, dicas de fotografia.

Vida natural, Henri Cartier-Bresson, fotografia espontânea, vidas normais, fotógrafos, ocultos, local camuflado, distância focal, fotojornalismo, Robert Doisneau, Robert Frank, lentes grande-angulares, profundidade de campo, captura do gesto, expressão certa, Hasselblad, médio formato, ensaios fotográficos, aulas de fotografia, aula fotografia de moda, focus, escolas de fotografia sp, cursos de fotografia sp, focus escola de fotografia, curso de fotografia online, cursos de fotografia profissional, aulas individuais de fotografia, melhores escolas de fotografia no Brasil, fotografia contemporânea,

“Retrato de alguém que está a sua frente”Harlem, New York”, 1947, Henri Cartier-Bresson

Henri Cartier- Bresson, o pai do fotojornalismo do século XX, acreditava que a fotografia oferecia a oportunidade única para mergulhar na realidade dos nossos dias.

Assim que as câmeras fotográficas e os filmes se tornaram capazes de gravar imagens em exposições inferiores a algumas frações de segundos, as pessoas e seu cotidiano tornaram-se o tema mais popular da fotografia.

Há inúmeras formas de falar disto, mas a grande divisão é entre fotografar a vida como se desenrola e avançar para a fotografia espontânea de um retrato de alguém que está a sua frente. No primeiro caso, você é um observador, no segundo está criando as circunstâncias para que a fotografia aconteça.

Observar as pessoas é, de fato, essencial para as fotografar na suas vidas normais. Este tipo de fotografia tem tudo a ver com sentido de oportunidade e ponto de vista – estar na posição certa para fotografar um movimento em particular, gesto ou expressão – e ser observador ajuda-o a estar preparado para o que possa acontecer a seguir. O que realmente constitui esse gesto notável ou elegante é uma questão de preferencia pessoal e diferentes fotógrafos irão escolher de maneira diferente.

Transformar a observação em uma imagem fotográfica neste tipo de situações significa manter-se oculto durante a maior parte do tempo. Isto não é mesmo que estar escondido – afinal de contas, não se trata de fotografar vida selvagem a partir de um local camuflado – mas implica, sim, uma fusão com o que o rodeia. Isso significa ser discreto e não se comportar como um fotógrafo.

Câmeras fotográficas pequenas e silenciosas são o ideal e nesse sentido as máquinas DSLR são as mais silenciosas de todas. Mesmo que tenha visto uma possível fotografia com antecedência, apontar a câmera antecipadamente – esperar que alguém avance até o quadro do visor ou complete uma ação – irá, normalmente, arruinar as suas hipóteses.

É, de fato, muito melhor esperar pelo momento e depois levantar a sua máquina e disparar de imediato. Se há alguma regra nisto, é não hesitar, nem mesmo por um ou dois segundos.

Cada distância focal de lentes tem o seu próprio valor. Uma distância focal prime de 40 mm tem muita importância, simplesmente porque captura mais ou menos aquilo que vemos naturalmente.

A longa tradição em fotojornalismo o favorece certamente – repare na obra de Cartier-Bresson, Robert Doisneau e Robert Frank, por exemplo. As grandes-angulares são a escolha para fotografar locais com muita gente e para apresentar pessoas no seu ambiente. São especialmente fáceis de utilizar, pois o enquadramento nem sempre necessita ser tão preciso e a grande profundidade de campo garante uma focagem geral sem focar com precisão.

Uma lente de grande distância focal permite-lhe dar alguma distância entre você e a pessoa que quer fotografar o que, normalmente, torna mais fácil manter-se fora de observação. A partir disso, pode não precisar fotografar tanto no calor do momento – alguns segundos de liberdade para escolher podem fazer toda a diferença na captura do gesto ou expressão certa.

A desvantagem de uma lente de distância longa na fotografia de rua é que pode haver mais coisas a passar entre si e o seu tema, tal como transito e pedestres.

As distâncias focais são equivalente ao padrão normal, grande-angular ou teleobjetiva, são diferentes daquelas para filmes fotográficos de 35 mm e variam de marca e formato de câmera. Uma lente normal para um celular está na área de apenas 2 mm, enquanto que para uma DSLR, como a Nikon D800, encontra-se na casa dos 50 mm.  Já para as câmeras Hasselblad, de médio formato, 80 mm.

FOCUS Escola de Fotografia –  http://focusfoto.com.br
Conheça os novos cursos da Focus: http://focusfoto.com.br/cursos/

Confira opinião de Ex-Alunos: https://goo.gl/yRlkM9
Fale com a Focus: [email protected]

 Seja fotografo regulamentado
Obtenha seu registro Mtb de fotografo profissional

 Referência em ensino de fotografia
“Faça bem feito, faça Focus! – Desde 1975” 

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)