FOTOGRAFIA AMADORA REVELA TRANSFORMAÇÕES DO RIO DA “BELLE ÉPOQUE”

em Uncategorized.

Fotografia amadora, transformações no Rio, Belle Epoque, acervo particular, modelos estéticos parisienses, jornal da usp, curso de fotografia, Amazon, Aulas de fotografia, escola focus sp, Curso de fotografia, focus fotografia, registro Mtb fotógrafo profissional, escolas de fotografia, aula de fotografia, focus fotografia

Desfile de Carnaval na Avenida Central na inauguração do Palácio Monroe, 1906 – Foto: Acervo particular de Alberto Sampaio

Resgatadas de acervo particular, as imagens mostram um RJ que tentava imitar modelos estéticos parisienses na virada do século 19

Jornal da USP – Ivanir Ferreira – Editorias: Ciências Humanas

Fotografias produzidas por um fotógrafo amador retratam mudanças urbanísticas ocorridas no Rio de Janeiro, na virada do século 19. As imagens, guardadas por mais de um século, foram resgatadas pela historiadora Adriana Martins Pereira, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, e revelam o Rio de Janeiro, então capital brasileira, que começava a se modernizar buscando inspiração no movimento cultural cosmopolita francês, a Belle Époque.

Além da tese produzida na USP, o trabalho teve outros desdobramentos: foi tema de exposição no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, e no Centro Cultural dos Correios, no Rio de Janeiro, e livro vencedor do Prêmio Jabuti na categoria Arquitetura, Artes e Fotografia, em terceiro lugar.

Entusiasta das artes, Alberto de Sampaio, o autor dos registros fotográficos, era advogado e pertencente à elite da cidade serrana de Petrópolis. Tinha como hobbies a poesia, a pintura e a fotografia, paixões que cultivou até bem próximo de seu falecimento, em 1931.

O acervo, subdividido em três eixos temáticos – Natureza, Espaço Doméstico e Cidade – é composto de cerca de mil imagens que mostram momentos de celebrações festivas, relações domésticas, incluindo membros da família, amigos e empregados, praias cariocas ainda desertas, arquitetura de prédios e igrejas, e ruas por onde circulavam os primeiros automóveis na capital fluminense.

A fotografia como fonte de informação

A proposta da pesquisa foi investigar a fotografia, que na época tinha o status de expressão artística refinada, como fonte de informação, objeto de estudo e parte integrante da transformação cultural brasileira.

Segundo Adriana, somente em 1914 o formato alcançou maior popularidade, quando começaram a surgir as primeiras fotografias impressas publicadas nas páginas das revistas ilustradas cariocas. Nessa mesma época, outros fotógrafos também eram contratados pela prefeitura para registrar os feitos políticos. Datam deste período as principais mudanças urbanísticas da cidade, na gestão do prefeito Pereira Passos.

Das principais transformações que ocorreram no período da Belle Époque e que ainda refletem o Rio como é hoje, constam: o maior crescimento populacional da história do Rio de Janeiro (de 266 mil para 730 mil habitantes entre 1872 e 1904); reformas estruturais como o alargamento de ruas e o surgimento de outras como a Avenida Central; a criação de bairros de classe média carioca (Copacabana, Glória, Catete e Botafogo) e a elevação de imponentes construções inspiradas na arquitetura europeia – o Teatro Municipal, o Hotel Copacabana Palace, dentre outros.

Também data deste período o nascimento de um dos mais importantes cartões-postais da cidade, o teleférico do Pão de Açúcar. Todas as reformas geridas pelo prefeito Pereira Passos foram inspiradas na gestão de Haussmann (prefeito do Sena/Paris), que queria ver o Rio de Janeiro com ares de cidade moderna e cosmopolita.

Segundo a pesquisadora, pelas lentes do fotógrafo Alberto de Sampaio foi possível perceber as contradições da “modernização da cidade e daqueles que, embora vivessem no Rio ou em Petrópolis, tentassem seguir tendências intelectuais, urbanísticas e artísticas da Europa”, relata. Jornais da época (Tribuna de Petrópolis, Gazeta e Mercantil) reforçavam esta ideia: Petrópolis era conhecida por ser uma cidade de veraneio da corte imperial e lugar de “realização possível da fantasia europeizante”, descreve um dos textos publicados em um diário.

Resgatar o acervo de Alberto de Sampaio “é dar outro ponto de vista para um período histórico importante do País nos primeiros anos do século 20”, diz Adriana Pereira. Significa ainda uma reflexão sobre a fotografia da atualidade, que se difunde cada vez mais por meio de aparelhos celulares e redes sociais. Em 1903, uma propaganda de uma revista francesa previa que no futuro “todo mundo iria ser fotógrafo”, conta ela.

A tese “A cultura amadora na virada do século XIX”: a fotografia de Alberto de Sampaio foi defendida no Departamento de História da FFLCH, sob orientação do professor Ulpiano Toledo Bezerra de Menezes. O livro Lentes da Memória: a descoberta da fotografia de Alberto de Sampaio, 1888-1930 se encontra à venda nas livrarias.

Fonte: https://goo.gl/kdKDXu

Conheça os novos cursos da Focus: http://focusfoto.com.br/cursos/
Confira opinião de Ex-Alunos: https://goo.gl/yRlkM9
Fale com a Focus: [email protected]
Veja TCC de Alunos: https://focusfoto.com.br/tag/tcc/

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO SELECIONADOS PRODUZIDOS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO MTB DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 300 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO MTB DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo NOS CURSOS DA FOCUS, em menos de 4 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO MTB DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 43 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Reuters - 17/11/2017)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)