FOTOGRAFIA: LINHA DO TEMPO

em Artigos e Entrevistas, Notícias, Serviços.

 escola focus enio leite curso de fotografia online focus cursos de fotografia sp  focus fotografia curso fotografia escola de fotografia curso de fotografia   sp focus escola de fotografia curso de photoshop faculdade de fotografia http://focusfoto.com.br/ jacques dequeker focus foto cursos fotografia online cursos   de fotografia em sp escola de fotografia focus curso de fotografia em sao paulo escolafocus curso de fotografia são paulo Kodak

Janeiro 2012, inverno rigoroso em Rochester, N.Y, capital da Kodak

FOTOGRAFIA: LINHA DO TEMPO

•             375 A.C: Platão descobre o fenômeno fotográfico que seria mais tarde o princípio de todas as câmeras escuras.

•          930: Período da idade média, quando os  cavaleiros das cruzadas tiveram contato com os árabes, que já conheciam os princípios óticos. Um deles foi Alhazen, que observou um eclipse solar dentro de um velho quarto escuro, utilizando o princípio já constatado por Platão.

•           1515: O inventor e artista italiano Leonardo da Vinci após tomar conhecimento da República de Platão, comprova cientificamente o princípio da câmera escura. Precursora das câmeras fotográficas, esta câmera era usada pelos pintores para copiar retratos da nobreza da época e imagens da natureza.

•            1727: O professor alemão Johann Heinrich Schulze constata acidentalmente que a luz provoca o escurecimento do nitrato de prata. Esta descoberta foi amplamente utilizada para escurecer utensílios feitos de ossos, como colheres, botões, pentes e outros. Em meados do século seguinte, associada à  câmera escura, fornece a tecnologia básica para o posterior desenvolvimento da fotografia.

•             1826: O físico francês Joseph Nicéphore Niépce produz a primeira imagem fotográfica, uma paisagem campestre vista da janela de sua casa. Ele coloca uma placa sensibilizada com betume da judeia dentro de uma câmara escura com orifício para exposição à luz, processo que levou na época, oito horas.

•             1835: O pintor francês Louis Daguerre utiliza  placas de cobre cobertas com sais de prata para captar imagens, que podem se tornar visíveis ao serem expostas ao vapor de mercúrio. Isso o leva a inventar, em 1839, o daguerreótipo, câmera  que produz imagens com  30 minutos de exposição, possiblitando produção de  fotografias em menor tempo. Entretanto, estas imagens de cobre eram únicas,  impossibilitando impressão de cópias.

•             1839-1840: O físico britânico William Henry Fox Talbot cria uma base de papel emulsionada com sais de prata que registra uma imagem em negativo. A partir  dela é possível produzir cópias positivas. Esse processo, chamado de calótipo e patenteado em 1841, é mais barato do que o de Daguerre, tornando a fotografia mais acessível e mais presente na vida das pessoas. Entre 1844 e 1846, Talbot pública The Pencil of Nature, o primeiro livro ilustrado com fotografias. Os primeiros experimentos de Talbot, obter imagens colocando objetos sobre a folha de papel fotográfico, seriam mais conhecidos, nos anos 30, como fotograma, utilizada por fotógrafos surrealistas e dadaístas. Esta mesma técnica tornou-se célebre com as imagens produzidas por Andy Warhol, quando produziu fotogramas de fragmentos de uma garrafa de vidro de Coca-Cola durante a Pop Art norte-americana décadas anos 60.

•             1840: Chega ao Rio de Janeiro, em janeiro de 1840, o primeiro daguerreótipo trazido por  Abade Compte. Segundo o Jornal carioca “Diário do Comércio” de 16/01/1840, a primeira imagem do Largo do Paço foi registrada em menos de 9 minutos. Assim, o Brasil foi o primeiro país da America Latina a ingressar no mundo fotográfico, tendo como seu mecenas D Pedro II. As diferenças dos tempos de exposição de 30 segundos para o verão parisience para menos de 9 minutos no verão carioca, trouxe a necessidade de adaptações desta nova técnica ao clima tropical brasileiro.

•             1840: O norte-americano Alexander Wolcott abre o primeiro estúdio fotográfico do mundo em Nova York (EUA), onde realiza pequenos retratos com um daguerreótipo. No ano seguinte, começa a funcionar o primeiro estúdio europeu em Londres (Reino Unido), dirigido pelo fotógrafo britânico Richard Beard. Em pouco tempo, a fotografia chegava até o Japão e China.

•             1840: Johann Christoph Voigtländer, natural de Viena, Austria, produz a primeira objetiva de grande luminosidade para sua época, f/3.7 e introduziu no mercado o primeiro daguerreótipo inteiramente de metal em 1841. Lentes  mais luminosas propiciam menor tempo de exposição.

•             1846: O químico francês Louis Menard descobriu que o algodão pólvora – nitrato de celulose poderia ser dissovido em álcool e éter, produzindo um líquido de grande viscosidade, que ao secar se transformava em filme transparente. Os médicos então começaram a utilizar como material impermeável em cirurgias. O químico inglês em 1850 passou a utilizá-la aplicando solução de nitrato de Prata, para torná-la sensível à luz. Mas deveria ser utilizada ainda úmida, para que não perdesse suas características.

•             1851: O escultor britânico Frederick Scott Archer desenvolve o processo chamado de colódio úmido, negativo feito sobre placas de vidro sensibilizadas com uma solução de nitro celulose com álcool e éter. O fotógrafo precisa sensibilizar a placa imediatamente antes da exposição e revelar a imagem em seguida. Esse processo é 20 vezes mais rápido que os anteriores e os negativos apresentam uma riqueza de detalhes semelhante à do daguerreótipo, com a vantagem de permitir a produção de várias cópias. Os primeiros negativos eram de papel fotográfico, produzidos pelo próprio fotógrafo. Em seguida, foram substituídos por chapas de vidro, melhorando a definição da imagem.

•             1854-1910: Neste período a fotografia ainda não tinha linguagem própria. Desenvolve-se o movimento denominado pictorialismo, que se caracteriza por uma tentativa de aproximação da fotografia com a pintura. Assim, os fotógrafos retocam e pintam as fotos, riscam os negativos ou embaçam as imagens. Também introduzem em suas imagens composições e assuntos característicos da pintura. Os assuntos prediletos são em geral, paisagem, natureza-morta e retrato. Entre os grandes fotógrafos dessa fase está o francês Félix Nadar, o primeiro a realizar fotos aéreas a partir de um balão em 1858. O pintor Ingres, embora utilizasse os daguerreótipos de Nadar para produzir seus retratos, menosprezava a fotografia como sendo apenas um produto industrial, e confidenciava: “a fotografia é melhor do que o desenho, mas não é preciso                 dizê-lo”. Apesar do preconceito das elites pensantes em relação à fotografia, muitos utilizaram fotos para pintar, como os franceses Ingres e Delacroix e posteriormente, os impressionistas.

•             1855: O britânico Roger Fenton fotografa durante quatro meses a Guerra da Crimeia (1853-1856). Para fazer seu trabalho, transforma uma carruagem puxada por cavalos em quarto escuro, onde revela as chapas. Ao todo, produz 360 fotografias. Realiza assim a primeira grande documentação de uma guerra       e dá início ao fotojornalismo. A maioria das fotos porém não foram publicadas, porque eram muitos expressivas e poderiam chocar os leitores expondo o horror dos campos de batalha.

•             1861-1865: O norte-americano Mathew Brady faz a cobertura da Guerra Civil Americana e torna-se um dos primeiros fotojornalistas do mundo.

•             1871: O médico britânico Richard Maddox cria as chapas secas de gelatina com sais de prata em substituição ao colódio úmido. Fabricadas em larga escala a partir de 1878, marcam o início da fotografia moderna. A grande vantagem em relação ao colódio úmido é que os fotógrafos podem comprar as chapas já sensibilizadas quimicamente, em vez de ter de prepará-las antes da exposição. As chapas industrializadas apresentavam melhor qualidade, com sensibilidade estável. As primeiras ainda eram de vidro.

•             1877: George Eastman desaprova o processo de chá úmido de colódio e inspirado em um artigo de publicação inglesa sobre emulsão de gelatina que poderia ser utilizada seca, buscou meios mais simples para fotografar. Descobriu que a gelatina associada ao brometo de prata reunia as qualidades necessárias. Passou então a pesquisar alternativas para produzir filmes e câmeras em escala industrial.

•             1878: O inglês Edward Muybridge, fotógrafo inglês (9 de abril de 1830 – 8 de maio de 1904) reproduz em fotografia o movimento de um cavalo galopando. Conhecido por seus experimentos com o uso de múltiplas câmeras para captar o movimento, além de inventor do zoopraxiscópi – dispositivo para projetar os retratos de movimento que seria o precursor da película de celulóide (filme) e do cinema.

 •            1880:  Publicada a primeira fotografia pela imprensa, na capa do jornal Daily Herald, de Nova York (EUA). Mas somente no início do século XX o uso de fotografias nos jornais e revistas torna-se comum.

•             1880: No início deste ano houve duas inovações independentes, embora relacionadas a produção de chapas secas mais sensíveis sem a necessidade de preparo das frágeis e desajeitadas chapas de vidro. O primeiro aperfeiçoamento foi a emulsão à base de gelatina, que mantinha sua sensiblidade mesmo depois de seca, podendo ser aplicada em suportes flexíveis, filmes em rolo ao invés de vidro. O advento do filme em rolo revolucionou a fotografia, tornado-as simples e acessíveis a milhões de amadores, embora os profissionais continuassem por várias décadas utilizando chapas de vidro, emulsionadas com gelatina.

•             1882: O francês Aphonse Bertillon inventa o sistema de identificação de criminosos através da ampliação fotográfica das impressões digitais. Seu sistema possibilitava a identificação a partir de traços genéticos, pois acreditava que a criminalidade era uma doença hereditária.

 •             1888: O norte-americano George Eastman desenvolve a primeira câmera portátil, a Kodak, vendida com um filme em rolo de papel suficiente para tirar 100 fotografias. Terminado o rolo o cliente envia a câmera inteira para a empresa Eastman, que providencia a revelação do filme e obtêm as cópias em papel, devolvendo o equipamento com um novo rolo de filme. O lema da Eastman é “Você aperta o botão, nós fazemos o resto”. A simplicidade da câmera Kodak é responsável pela popularização da fotografia amadora. Utilizava marketing direto e objetivo. No ano seguinte, Eastman substitui o filme de papel por um de plástico transparente à base de celulose.

•             1902: O norte-americano Alfred Stieglitz funda o movimento fotossecessão,no qual a foto passa a ser valorizada como expressão artística própria, diferente das demais artes. Os fotossecessionistas defendem a fotografia sem retoques ou manipulação nos negativos e nas cópias, em reação ao pictorialismo. A fotografia se aproxima do abstracionismo, com ênfase na forma e não no objeto em si. O trabalho dos fotossecessionistas é divulgado pela revista Câmera Work, fundada por Stieglitz e publicada entre 1903 e 1917. Edward Steichen, Alvin Langdon Coburn e Paul Strand estão entre os principais nomes do movimento. A maioria das fotos produzidas por Stieglitz se perderam após sua morte,que caiu no esquecimento. Geórgia O`Keefe, sua esposa, consegue recuperar pequena parte de suas imagens e publica alguns livros. Stieglitz é considerado o pai da fotografia moderna.

 •            1907: Os franceses Auguste e Louis Lumière, pais do cimena, introduzem o autochrome, o primeiro processo fotográfico colorido. Ambos realizaram importantes descobertas no campo da fotografia. Seu pai, Antoine, era um conhecido pintor retratista que se tinha retirado para dedicar-se ao negócio da fotografia; tanto Louis como Auguste continuaram com o negócio familiar. Ambos demonstravam talento em física e química e, desde cedo, aprenderam fotografia com o pai. Durante férias na Bretanha, quando tinham 14 e 12 anos, fizeram de uma caverna seu laboratório fotográfico. Utilizando a balança de precisão, emprestada por um farmacêutico local, Louis suplantou van Monckhoven. Sua chapa, além de apresentar resultados melhores e mais rápidos, poderia ser produzida em escala industrial.

•             1915: Os processos de impressão dos jornais diários evoluem e começam a utilizar a fotografia com mais frequência para ilustrar as reportagens, em substituição ao desenho. A presença de fotos na imprensa firma-se com os jornais Daily Mirror, de Londres (Reino Unido), e Ilustrated Daily News, de Nova York (EUA).

•             1919-1938: Terminada a Primeira Guerra Mundial, a fotografia liga-se a movimentos artísticos de vanguarda, como o cubismo e o surrealismo. Fotógrafos como o norte-americano Man Ray e o húngaro László Moholy-Nagy trabalham em estreita ligação com pintores e outros artistas. As técnicas de fotomontagem (manipulação de negativos) e fotograma (imagem direta sobre o papel fotográfico, sem o uso do negativo e da câmera) são amplamente usadas.

• 1920: Início da transmissão de imagens Londres/Nova York pelo cabo submarino – 3 horas.

 •             1923: O norte-americano Edward Weston introduz a fotografia pura, sem retoques ou manipulações. Adota o uso mais realista e direto da câmera, com certa ênfase na forma abstrata, porém sem impedir a identificação do objeto fotografado.

•             1925: Na Alemanha surge um estilo realista conhecido como Nova Objetividade, que propõe uma fotografia puramente objetiva, em oposição ao pictorialismo. Seu maior representante é Albert Renger-Patzsch, autor de fotografias que se caracterizam por linhas fortes, documentação factual e grande realismo. Outro expoente do movimento é August Sander.

•             1925: A empresa alemã Leitz começa a comercializar a primeira câmera fotográfica 35 mm, a Leica, inventada pelo engenheiro Oskar Barnack. Ela dá um grande impulso para o fotojornalismo por ser silenciosa, rápida, portátil e por ter disponíveis diversos tipos de lentes e acessórios.

•             1928-1929: O fotojornalismo desenvolve-se na Alemanha nas revistas Berliner Illustrierte e Münchener Illustrierte Presse. Os principais nomes dessa época são o alemão Erich Salomon e o britânico Felix Man.

 •            1929: As fotografias começam a ocupar grande espaço na publicidade, considerada um dos principais processos de criação artística nesse período. Vários profissionais importantes na época, como Cecil Beaton, Man Ray, Moholy-Nagy e Edward Steichen, fazem fotografias publicitárias paralelamente aos trabalhos de fotografia de autor.

•             1932: O francês Henri Cartier-Bresson começa sua carreira como fotojornalista, desenvolvendo um estilo definido por ele como a busca pelo “momento decisivo”, isto é, pelo instante fugaz em que uma imagem se forma completamente em frente à câmera. Por isso, não realiza nenhum tipo de retoque ou manipulação das imagens. Cartier-Bresson torna-se o mais influente fotojornalista de sua época. Entre os seguidores do seu estilo estão Robert Doisneau, Willy Ronis e Edouard Boubat, entre outros. A fotografia mais divulgada de Cartier-Bresson é a do pulo, Cartier-Bresson, Derriére La gare Saint-Lazare, Paris, 1932. O salto do personagem e o salto inverso do cartaz de circo, logo ao fundo. Pesquise esta foto na internet, vale a pena. Aproveite e conheça melhor o trabalho deste renomado fotógrafo.

 •             Ainda em 1932: Fundação do grupo f/64, nos Estados Unidos (EUA), os fotógrafos Ansel Adams, Edward Weston e seu filho Brett, Willard Van Dyke, Imogen Cunningham e Sonia Noskowiak. O nome refere-se à mínima abertura das lentes (diafragma) que permite a máxima profundidade de campo com o máximo de nitidez, a principal proposta do grupo. Ansel Adams e Edward Weston revolucionam a técnica e estética da fotografia norte-americano, já nos anos 30. Pesquise mais sobre eles na internet.

•             1933: O norte-americano Harold Edgerton desenvolve o flash eletrônico, luz relâmpago.

•             1935: Os norte-americanos Leopold Godowsky Jr. e Leopold Mannes inventam o filme Kodachrome, que permite a obtenção de transparências (slides) coloridas com grande riqueza de detalhes e de tons, próprias para reprodução ou projeção.

 •             1935-1943: A Farm Security Administration, entidade criada pelo presidente norte-americano Franklin Roosevelt para estudar e diminuir os problemas da população rural dos Estados Unidos (EUA) durante a Grande Depressão,recorre à fotografia para registrar suas atividades, dando impulso à fotografia documental e de denúncia social. Destacam-se o trabalho dos fotógrafos Walker Evans, Dorothea Lange, Margareth Bourke-White, Ben Shahn, Arthur Rothstein e Gordon Parks.

 •             1936: O norte-americano Henry Luce funda a revista Life nos Estados Unidos (EUA), com o objetivo de substituir a fotografia acidental, improvisada, por uma edição de fotografia planejada. Os fotógrafos a serviço da revista, um marco da fotorreportagem mundial, são pautados para cada matéria e encorajados a produzir uma grande quantidade de imagens para dar mais opções de escolha aos editores. Vários dos principais nomes do fotojornalismo mundial trabalham para a Life, entre eles Robert Capa, que faz a cobertura de guerras em todo o mundo durante vinte anos, até morrer no Vietnã, ao pisar em uma mina terrestre. Entre suas fotos mais famosas estão Morte de um Soldado Legalista (soldado sendo alvejado na Guerra Civil Espanhola,  entre 1936-1939), e a série de imagens feitas durante o desembarque das  tropas aliadas na Normandia, em 1944, durante a II Guerra Mundial.

 •             1942: A Kodak introduz o filme Kodacolor, negativo colorido que permite a confecção de cópias em cores. Em 20 anos, o Kodacolor torna-se o filme mais popular entre os fotógrafos amadores. A empresa alemã Agfa, que havia desenvolvido o processo negativo-positivo colorido Agfacolor em 1936, começa a comercializá-lo apenas em 1949, devido à eclosão da II Guerra Mundial.

•             1945: A empresa austríaca Voigtländer desenvolve as lentes zoom, que permitem fotografar objetos situados a grande distância da câmera. George Rodger fundam nos Estados Unidos (EUA) a agência cooperativa Magnum. Nela trabalham os principais nomes do fotojornalismo mundial, entre eles o norte-americano Eugene Smith, o suíço Werner Bischof e o brasileiro Sebastião Salgado.

•             1948: O norte-americano Edwin Land desenvolve a câmera Polaroid, que tira fotos instantâneas em preto e branco.

•             Década de 50: Após a II Guerra Mundial, uma corrente da fotografia volta a passar por uma fase abstracionista e deixa de ter o compromisso de registrar a realidade. Adota-se o uso expressivo e emocional das imagens. Nessa linha destaca-se o trabalho do norte-americano Minor White. Para ele, a fotografia deve ser transformada para que o espectador perceba a mensagem interior da imagem, não visível na superfície. Outros representantes dessa corrente são Aaron Siskind, Harry Callaham e Bill Brandt. No fotojornalismo, a cobertura fotográfica dos acontecimentos no pós-guerra ganha fôlego com as revistas Time e Newsweek nos Estados Unidos; Paris Match na França; e Der Spiegel e Stern na Alemanha.

•             1955: O fotógrafo norte-americano Edward Steichen organiza no Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMA) a exposição The Family of Man, uma seleção de cerca de 500 fotos tiradas em 68 países que registram todas as fases da vida humana, do nascimento à morte. A exposição, que teve grande repercussão mundial e se tornou um marco da fotografia documental, é levada a vários países e dá origem a um livro com diversas edições.

•             1957: A primeira imagem considerada digital foi criada em 1957, por Russell Kirsch, NBS homem pioneiro na computação. A foto tinha 176 pixels em sua altura e retratava arcaicamente, seu filho de três anos.

•             1959: Lançamento do livro The Americans, do fotógrafo norte-americano Robert Frank, registro fotográfico da viagem que fez pelos EUA com o poeta beat Jack Kerouak. Frank rompe com a tradição da fotografia documental, imparcial e distante, dando às suas imagens um caráter subjetivo.

•             Década de 60: Desenvolve-se um grande intercâmbio entre o trabalho de fotógrafos e artistas plásticos. Muitos fotógrafos usam técnicas manuais de manipulação de imagens, como retoques e pinturas de negativos e de cópias.

Os pintores, por sua vez, imitam a visão fotográfica (figurativa) e introduzem  fotos em suas obras por meio de colagem ou reprodução em silkscreen, como  ocorre na pop art, nos trabalhos dos norte-americanos Andy Warhol e James  Rosenquist. A fotografia também é bastante utilizada pela arte conceitual,  como meio para a expressão de um conceito.

•             1962: Os norte-americanos Emmett Leith e Juris Upatnieks e o soviético  Yuri Denisyuk desenvolvem simultaneamente a holografia, fotografia em três  dimensões obtida por meio da exposição de um filme à luz de raio laser refletida em um objeto.

•             1964: NASA-Jet Propulsion Lab. Receberam as primeiras imagens enviadas

pelas câmeras da Mariner 7.

•             Década de 70: As fotografias ganham maior importância como obras de arte. Começam a ser produzidas com mais freqüência em formato de livro, são  exibidas em galerias, museus e compradas por colecionadores. A fotografia passa também a ser objeto de estudo acadêmico, como arte que deve ser compreendida e estudada, a exemplo das demais manifestações artísticas (pintura, música, literatura, entre outras). A fotografia documental continua a ser desenvolvida, apesar de ter perdido espaço para a televisão e o cinema. Aumenta o uso da cor, em especial na fotografia de moda e de publicidade.

•           1973: Paul Simon lança sua música “Kodachrome”, hit que conquista os quatro cantos do planeta.

•             1975: Primeira câmera digital. Inventor: Steven J. Sasson, ano 1975, peso: 5 kilos, armazenamento de imagens fita cassete.

•             1975: Steve Sasson em seu laboratório na Eastman Kodak Company, reunindo dispositivos analógicos e digitais juntamente com uma lente de câmera Super 8, cria o que se considera hoje à primeira câmera digital do mundo. Este equipamento era pesado e desajeitado. Gravava as imagens em uma fita cassete. Usava um revolucionário sensor chamado CCD e levava 23 segundos para formar uma imagem com  resolução de 100 linhas em preto e branco. Como a câmera não possuía LCD, era necessário colocar a fita cassete em um reprodutor portátil ligado a um computador que exibia a imagem em uma tela de TV. A proeza foi mostrada para executivos da Kodak em 1976 com o nome de “Fotografia sem Filme”. Como a ideia não vingou, muito provavelmente a possibilidade de se fazer fotografia sem filme não deve ter animado os executivos da maior fabricante de filmes, papéis e produtos químicos para fotografia.

•             Década de 80: Reforçada a visão da fotografia como obra capaz de transmitir informação e prazer, mas também como meio de comunicar mensagens políticas e sociais, cresce a importância da imagem fotográfica como instrumento da publicidade. Um dos principais nomes da fotografia publicitária é o italiano Oliviero Toscani, ao tratar de questões como tabus,violência e racismo em seus trabalhos. Natural de Milão, 28 de fevereiro de  1942, criou campanhas publicitárias polêmicas para a marca italiana Benetton, iniciada em 1982. A maioria de suas campanhas era institucional,o alvo era propaganda de marca e não de produto, normalmente composta apenas por uma fotografia polêmica e o logo da companhia. Técnicas antigas de reprodução voltam a ser utilizadas para a produção de imagens mais elaboradas e verifica-se uma tendência a se reduzir o número de cópias de uma fotografia.

•             1981: O brasileiro Sebastião Salgado torna-se mundialmente conhecido por  ser o único fotógrafo a registrar a tentativa de assassinato do presidente norte-americano Ronald Reagan. Representante da fotografia documental, Salgado se destaca nos anos 80 e 90 por suas grandes foto reportagens de denúncia social, publicadas em livros como Sahel: Outras Américas (1986) l’Homme en Détresse (1986), Trabalhadores (1993) e Terra (1997).  Vale uma visita pela internet.

•             1981: IBM apresenta sistema operacional MS-DOS.

•             1984: Apple introduz os computadores Macintosh.

•             1985: Thunderscan e MacVision – scanners de baixa resolução e baixo custo.

•             1986: Placas TrueVision /Targa -imagens coloridas.

•             1987: Macintosh II – 16,7 milhões de cores no monitor.

•             1988: Novos periféricos para Mac: slides printer, scanners para cromos 35 mm, impressoras coloridas, ImageStudio-soft para manipulação de imagens P&B etc.

•             1989: Arquivos JPEG são adotados com padrão. Microsoft inicia o Windows  3.0.

•             1990: 29 de novembro, Guerra do Golfo. Novas tecnologias são testadas.  Adobe lança o programa Photoshop 1,0 versão exclusiva para Machintosh.

 •            Década de 90: Intensifica-se o uso das câmeras digitais, principalmente no fotojornalismo e na publicidade. Nessas câmeras, o filme é substituído por um disco ou cartão de memória no qual as imagens são armazenadas digitalmente. Elas podem assim ser transmitidas por meio de linha telefônica para umcomputador em qualquer lugar do mundo de forma extremamente rápida, já que o processo digital elimina a necessidade de revelação fotoquímica e ampliação.

•             1991 a 2000: Aparecimentos de diversos modelos avançados de câmeras digitais: SinarScitex – PhaseOne – Dicomed – Kodak/Nikon, Canon, Epson, etc.

 •             1993: Glass Tears, de Man Ray, torna-se a fotografia mais cara do mundo, ao ser vendida por US$ 65 mil.

•             1997: A Maison Européenne de la Photographie (França) realiza a exposição Des Européens, que apresenta 20 fotos inéditas de Henri Cartier-Bresson. A mostra reúne ainda outras 160 imagens realizadas pelo fotógrafo francês entre os anos 30 e 70.

•             2002: Canon lança primeira câmera full frame, EOS-1Ds novos sensores, processadores,  Full HD, monitores com tecnologia led, HD com terabytes de armazenamento , novas pesquisas para imagens em 3D etc.

•           O filme Kodachrome, o melhor filme da fotografia analógica utilizado na Fotografia e no Cinema. Deixa de ser fabricado pela Kodak Eastman Co.

•         2011 – Em dezembro de 2011, as ações da Kodak na Bolsa de Nova York caem para o patamar de US$ 0,40. O valor mínimo de cada ação para o pregão é de US$ 1,00. Em janeiro de 2012, a Kodak pede concordata com rumores que deverá quebrar até meados de 2012. O império de seu fundador George Eastman, apesar de ter inventado a primeira câmera digital em 1957, não acreditou que a corrida pela fotografia digital seria rápida e que dizimaria aqueles que não estivessem tecnologicamente atualizados.

•   2012 A Fuifilm aposta na diversificação e entra no mercado de beleza, com o lançamento de produtos antienvelhecimento. Batizada de Astalift, a linha promete melhorar o tônus da pele e protege contra a ação de raios ultravioletas. A   justificativa é a longa experiência com colágeno e substâncias antioxidantes usadas para garantir que as imagens tiradas com câmeras fotográficas tenha boa fixação e não se percam com o tempo.

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Comentários

  1. Wellington -

    Parabéns. ótimo trabalho

  2. bruno -

    Exclente o modo como aborda todos os momentos mais importantes para a fotografia!!!

  3. edna -

    Obrigado, me foi de grande ajuda! (y)

  4. Leticia da silva Martins -

    Obrigada me ajudou muito no meu trabalho de escola muito obrigada.

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)