Fotografia: Quantidade × Qualidade — uma reflexão

em Dicas & Tutoriais, dicas de fotografia.

Fotografia de casamentos, cursos fotografia casamentos, eventos sociais, Aula de fotografia, escolas de fotografia sp, cursos de fotografia sp, focus escola de fotografia, cursos de fotografia online, cursos de fotografia profissional, aulas individuais de fotografia, melhores escolas de fotografia do Brasil,

“Estou nesse mundo da fotografia há um pouco mais de 20 anos. Claro que não profissionalmente, mas os primeiros experimentos com arte fotográfica começaram em 1995”.

Gilson Lorenti/MeioBit

Depois de alguns anos comecei a vender o serviço profissionalmente. Só migrei para o digital em 2008, não por conta de qualidade, mas por não encontrar mais um laboratório que revelasse o filme com qualidade profissional. Então, eu vivi nos dois mundos: filme fotográfico e digital.

Dentro destes dois mundos, uma coisa que nunca me preocupou, mas que parece ter cada vez mais importância, é a quantidade de fotos que entregamos para os clientes. A primeira coisa que me perguntam, seja para o registro de um evento ou ensaio fotográfico, é a quantidade de fotos que vou entregar. Eu acho que a qualidade seria um fator mais importante para as pessoas se preocuparem, mas as pessoas se preocupam com quantidade. Eu digo que isso é um absurdo.

Quando utilizava filme, um casamento pequeno consumia 10 rolos de filme. Ou seja, 360 fotos eram suficientes para registrar o evento. Hoje, com a facilidade do digital as pessoas querem mais e mais. Os eventos sociais podem ter ficado mais pomposos, as câmeras podem fazer mais fotos, mas devemos entupir o cliente de imagens?

Pelo valor que você está pagando pelo trabalho do fotógrafo você pode achar que sim, mas isso pode ser uma armadilha complicada. Conheço fotógrafos que estão entregando 5 mil fotos de um casamento. Sim, 5 mil imagens onde os noivos devem escolher uma média de 80 fotos para o álbum. Ótima maneira dos noivos decidirem aumentar o tamanho do álbum, ou decidirem fazer álbuns extras. Mas, e a qualidade final do produto?

Você que trabalha com fotografia, ou é um amador dedicado, sabe que a porcentagem de fotos realmente espetaculares é baixa. Eu digo que fico feliz quando 10% do material é realmente muito bom. No caso de um evento de 5 mil imagens, essas fotos espetaculares ficam soterradas por imagens não tão boas. Ao encarar essa avalanche de imagens os clientes ficam perdidos, cansados, a paciência acaba antes de ver todas e as escolhas para a finalização do serviço não são as mais interessantes. Sem falar a quantidade de fotos parecidas, já que equipes com 4 fotógrafos tendem a fazer fotos parecidas.

Sim, nesse tipo de situação o cliente acaba escolhendo uma parcela muito pequena das fotos espetaculares, pois está cansado e acaba escolhendo mecanicamente. Eu passei por isso em meu próprio casamento. Toda vez que pensava em ver as fotos e escolher as melhores eu ficava deprimido dada a quantidade de fotos. Então, a quantidade pode ser um grande inimigo para a escolha final das imagens.

Existem alguns fotógrafos que tentam fugir desse problema. Temos duas soluções que são bem utilizadas. Alguns já fornecem ao cliente uma seleção das imagens que eles consideram mais importantes e impactantes. Outros fotógrafos, geralmente os mais famosos e com nomes importantes, já colocam no contrato que 20% das fotos do álbum serão escolhidas por eles.

No meu caso, eu prefiro ir pelo lado da qualidade. Não costumo pegar eventos grandes. A minha equipe é formada por mim e minha esposa (em alguns casos um assistente). Trabalhamos com 4 câmeras (duas cada um) e um casamento rende (geralmente) 2 mil imagens (não tenho o dedo nervoso). Como temos duas pessoas fotografando as mesmas cenas, procuramos diferenciar, mas na hora da edição imagens parecidas são eliminadas.

Tirando as fotos tremidas, mal enquadradas e as que não me agradaram, costumo entregar ao cliente entre mil e mil e duzentas fotos. Esse é o meu limite. Acho que mais que isso é exagero. E mesmo essa quantidade “baixa” de imagem causam longos períodos para escolha das imagens. Em média 8 meses e todos extrapolam o limite de 80 imagens.

Quantidade não é indicação de qualidade. Na verdade, ela acaba por matar a qualidade final de seu álbum. Se esforce para fazer boas imagens, bem compostas, com preocupação com a iluminação e enquadramento. Não entregue tudo o que fotografou para o cliente, tenha um trabalho de edição do que vai ser mostrado. Aqui vale a máxima que um bom fotógrafo nunca mostra as fotos ruins.

Fonte: https://goo.gl/AoO42A

 Gostou? Veja + no Blog da Focus: http://focusfoto.com.br/blogs/  

FOCUS Escola de Fotografia –  http://focusfoto.com.br
Conheça os novos cursos da Focus: http://focusfoto.com.br/cursos/

Confira opinião de Ex-Alunos: https://goo.gl/yRlkM9
Fale com a Focus: [email protected]

Seja fotografo regulamentado
Obtenha seu registro Mtb de fotografo profissional

Referência em ensino de fotografia
“Faça bem feito, faça Focus! – Desde 1975” 

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)