Fotógrafo de cenas policiais ganha mostra em Nova York

em Dicas & Tutoriais, Notícias.

Centro Internacional de Fotografia, notoriedade, Enio lLeite,  recortes de tabloides,  Fotojornalista, fotógrafos de imprensa, aumento da violência, Arthur Fellig, Weegee, Assassinato é o Meu Negócio, Nova York,  vida urbana de Nova York no século 20, fotos e relatos, investigações criminais, fotografia de crimes, consequências da violência, submundo de Nova York anos 40, reação de curiosos e policiais

Noite quente de verão 1938, Crianças dormem do lado de fora do apartamento, nas escala de incendio.

O fotógrafo austro-húngaro Arthur Fellig (1899-1968), conhecido como Weegee, é lembrado na exposição “Assassinato é o Meu Negócio”, em cartaz até 2 de setembro no Centro Internacional de Fotografia, em Nova York.

A assinatura estilística de Weegee (cliques de cenas de crime ou acidente dotados de forte carga dramática, com apelo por vezes francamente sensacionalista) estabeleceu o padrão para o que ficaria conhecido como “jornalismo de tabloide”.

“Como fotógrafo, Weegee talvez tenha sido o mais verdadeiro, atento, cínico e flagrantemente sentimental cronista da vida urbana de Nova York no século 20”, afirmam os organizadores, que ressaltam o interesse do profissional não só nos crimes, mas no drama humano.

Ele também é descrito como detetive atento a detalhes. Suas fotos e relatos contribuíram para investigações criminais nos anos 1930 e 1940. Com o rádio do carro sintonizado na frequência da polícia, não raro chegava à cena do crime antes dos oficiais.

Seu portfólio mostra não só corpos ensanguentados, acidentes e tragédias. Ele apanha a reação de curiosos e policiais diante de homens assassinados e cenas de resgate, captura o desespero de quem espera por socorro.

O período de atuação de Weegee coincide com a ascensão dos tabloides e com o aumento da violência.

“Uma das inovações dele era a atenção ao público, traço incomum em fotógrafos de imprensa da década de 1930 ou 1940. Também foi única a maneira inteligente – e, muitas vezes, sem derramamento de sangue – com que ele mostrou crimes e consequências da violência”, disse Brian Wallis, curador-chefe do Centro Internacional de Fotografia.

NOTORIEDADE – A exibição inclui cerca de cem fotografias, além de filmes e exemplares de tabloides e revistas. O nome “Assassinato…” foi tirado de uma mostra curada pelo próprio Weegee em 1941.

Os recortes de tabloides permitem vislumbrar a notoriedade que o fotojornalista alcançou. “Outro furo de Weegee”, estampa a manchete de um dos jornais, que criou até selo para identificá-lo.

A exibição no Centro Internacional de Fotografia inclui ainda uma reconstrução parcial do estúdio de Weegee em Nova York: lá estão a mesa de trabalho, a cama e os recortes de jornais colados pela parede. Por fim, a mostra contempla bastidores de seu trabalho, lembrando as escaladas que empreendia para obter os melhores ângulos.

Veja mais fotos de Weegee:  http://goo.gl/ITgge

Fonte:  http://goo.gl/SnVRa

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)