Fotógrafo diz ter quebrado após disputa de direito autoral com macaco

em (11) 3104 6951, aulas de fotografia, aulas de fotografia online, aulas de fotografia sp, curso de fotografia, curso de fotografia para profissionais, curso de fotografia profissional, curso de fotografia profissional sp, curso de fotografia sp, cursos de fotografia online, cursos de fotografia sp, cursos de photoshop, cursos profissionalizantes de fotografia, cursos vips de fotografia, dicas de fotografia, escola de fotografia sp, escola focus, escola focus de fotografia, escolas de fotografia profissional, escolas de fotografias sp, focus curso de fotografia, focus escola de fotografia, focus fotografia, fotografia aula sp, fotografia cursos, fotografia escolas sp, fotografia profissional, melhor escola de fotografia, melhores cursos de fotografia Brasil, melhores cursos de fotografia do Brasil, melhores cursos de fotografia SP, melhores escolas de fotografia Brasil.

Fotógrafo, selfie do macaco, David Slater, direito autoral, sitcom, procedimentos jurídicos, Wikipedia Commons, aula de fotografia sp, focus, cursos de fotografia sp, escola focus são paulo - sp, cursos de fotografia online, lei do quadrado inverso,

Fotógrafo David Slater e o polêmico caso “selfie do macaco”

Gison Lorenti/MeioBit

Parece coisa de filme (uma sitcom talvez), mas é o exemplo do rolo que é ser processado nos Estados Unidos e como os custos com advogados e procedimentos jurídicos pode levar uma pessoa a perder quase tudo o que possuí.

Primeiro, uma pequena recapitulação: o premiado fotógrafo de natureza David Slater estava em 2011 na Indonésia fotografando Macacos Pretos com Crista (um animal endêmico daquele país e que se encontra em perigo de extinção) quando um dos animais pegou sua câmera e fez várias fotos dele mesmo.

 A selfie do macaco correu o mundo e fez a fama do fotógrafo. Ano passado a foto foi colocada no Wikipedia Commons com uso livre de pagamento de direitos. O fotógrafo não gostou e pediu a retirada da foto, alegando que tinha gasto muito dinheiro na expedição para deixar de lucrar com a imagem.

A Wikipedia não atendeu ao pedido e se defendeu dizendo que o autor da foto foi o macaco e, conforme dita a Lei de Direitos Autorais dos Estados Unidos, qualquer coisa produzida por processos não humanos não possui direitos autorais reconhecidos.

A treta com a Wikipedia não foi resolvida ainda, e outro capítulo espinhoso teve início. O PETA entrou com uma ação na justiça no dia 22 de setembro de 2015 em favor do macaco.

Eles afirmam que Naruto, o macaco que fez a foto e que agora conta com 6 anos de idade, é o verdadeiro autor da imagem e que todo o rendimento gerado por ela deve ser utilizado para o seu bem estar. A ação foi registrada em uma corte federal de São Francisco.

O PETA argumenta que a decisão do escritório de Direitos Autorais não é uma regra escrita e sim meramente uma opinião. Eles esperam que a ação leve a uma discussão dos direitos dos animais ao nível judiciário. O argumento dos advogados do PETA é claro: o autor é quem fez a foto e não o dono da câmera.

Em 2014 o escritório de Direitos Autorais dos Estados Unidos disse que não poderia atribuir direitos autorais aos animais. Da mesma forma, um Juiz em 2016 julgou o caso dizendo que não poderia conferir direitos autorais para o macaco. Nesse momento o caso chegou a um tribunal de apelação federal dos EUA, que ouviu argumentos nesta semana, mas o fotógrafo não conseguiu comparecer ao tribunal por não ter mais fundos para bancar o comparecimento nas audiências. Slater assistiu tudo via vídeo conferência de sua casa no Reino Unido.

O fotógrafo disse ao The Guardian que está perplexo com o sistema judiciário nos Estados Unidos. O que ele ganhou com a foto foi suficiente para pagar a viagem que fez para fazer as fotos, mas as custas dos processos foi suficiente para acabar com suas economias.

Ele não consegue fazer a manutenção de suas câmeras, não tem mais carro próprio e nem possibilidade de pagar o próprio imposto de renda. Atualmente o fotógrafo tenta se tornar treinador de Tênis para conseguir uma renda fixa.

Slater se mantém firme em sua determinação de que é o autor da foto, pois existe muito mais em uma fotografia do que apertar o botão disparador da câmera. E também afirma que o PETA está enganado quanto ao macaco que está na foto, pois esse seria uma fêmea que não tem a mesma idade do macaco Naruto.

Porém, segundo o fotógrafo, uma coisa boa é que toda essa confusão é que chamou a atenção para a situação dos Macacos Pretos com Crista e os mesmos passaram a ter maior proteção.

Fonte: https://goo.gl/qPF94K

FOCUS Escola de Fotografia –  http://focusfoto.com.br
Conheça os novos cursos da Focus: http://focusfoto.com.br/cursos/

Confira opinião de Ex-Alunos: https://goo.gl/yRlkM9
Fale com a Focus: [email protected]

Seja fotografo regulamentado
Obtenha seu registro Mtb de fotografo profissional

 Referência em ensino de fotografia
“Faça bem feito, faça Focus – Desde 1975”

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS MATÉRIAS APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PRODUZIDOS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO.
PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br

A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO MTB DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 300 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC
OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO)

O REGISTRO MTB DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo NOS CURSOS DA FOCUS, em menos de 4 meses de curso.
O aluno obterá seu REGISTRO MTB DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como “FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS” entre outras modalidades.
SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS.
Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos.

Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 43 anos formando novos profissionais.
AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE:
Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973.
Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA.

No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico.
Fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP.

Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP.
Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995.
Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas.

Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado – 17/10/2017)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)