Fotógrafos na Copa do mundo 2014

em Artigos e Entrevistas, Serviços.

fotógrafos, Copa do Munda, FIFA, gramado, Tribuna da Imprensa, Getty Images, Reuters, AFP e AP, câmeras remotas,  belo ângulo, escolas de fotografia sp, aulas de fotografia, fotografia focus são Paulo,  fotografe melhor, escola focus, enio leite, cursos de fotografias sp, focus fotografia, curso fotografia focus, cursos de fotografia online,  focus escola de fotografia, melhores escolas de fotografia sp, focus fotografia, dicas de fotografia,  melhores cursos de fotografia sp , aulas de fotografia online, notícias sobre fotografia, focus foto, cursos de fotografia sp,  aulas de fotografia sp, cursos de fotografia zona sul sp, cursos de fotografia zona leste sp, melhores escolas de fotografia sp, cursos técnicos de fotografias sp, melhores cursos técnicos de fotografia sp, melhores escolas de fotografia digital sp, aulas de fotografias sp,  curso de fotografo profissional sp, fotografia focus são Paulo,  curso fotografe melhor, curso de fotografia focus,    cursos de fotografia sp, Fotografia, escolas de fotografias sp, curso de fotografias sp, notícias sobre fotografia, curso fotografias, melhores curso de fotografias sp, melhores cursos de fotografias Brasil, melhores cursos de fotografia SP,  aulas de fotografia,

Fotógrafos são conduzidos por voluntários que usam uma corda

Thiago Nogueira / Douglas Magno / O tempo
Show de imagens e curiosidades: o trabalho dos fotógrafos.Mais de mil fotógrafos estão escalados para eternizar os momentos da Copa; já a geração de imagens de TV é toda feita pela Fifa.

As imagens são plasticamente perfeitas. Luz, foco e disparo precisos. A bola sobre a linha, o puxão na camisa, a lágrima que cai dos olhos. Tudo é registrado pelos 1.100 fotógrafos escalados para eternizar a Copa do Mundo do Brasil.

Para que tudo fique perfeito, é preciso organização. Antes de mais nada, o fotógrafo credenciado recebe da Fifa duas opções de lugares para ficar: o gramado e a tribuna de imprensa, do lado das cadeiras. A solicitação é feita com antecedência por meio do sistema de imprensa da competição.

A retirada do tíquete acontece três horas antes da partida, por ordem de chegada. Por isso, tem cara que “madruga” na porta do centro de imprensa para pegar um bom lugar. As agências internacionais, por sua vez, têm lugar cativo.

Getty Images, Reuters, AFP e AP possuem os quatro primeiros lugares próximos das bandeirinhas de escanteio, outro no centro do campo e mais um na tribuna de imprensa. Já perto dos bancos de reservas há apenas fotógrafos da própria Fifa. Local de trabalho definido, os fotógrafos ocupam as cadeirinhas dispostas com cabo de rede para envio imediato das imagens para as redações, algo que não se vê normalmente em outras competições esportivas pelo Brasil.

A turma só deixa sua posição na hora de fazer a foto posada dos times. A cena curiosa é coordenada por voluntários e cordas para que não haja correria. Em São Paulo, na abertura da Copa, a quantidade de profissionais era tanta que deixou a área superlotada. Como a proximidade do campo com as arquibancadas era pequena, até os gandulas tiveram dificuldades de andar de um lado para o outro.

No jogo entre Brasil e México, em Fortaleza, os fotógrafos tomaram um banho dos esguichos de água. São os percalços do ofício. Ainda bem que estava calor. Transmissão. A geração de TV da competição para todo o mundo é feita somente pela Fifa. São 34 câmeras espalhadas por todo o estádio, incluindo as imagens do helicóptero, da Spider (aquela câmera presa por cabos de aço) e as steadycam (presas junto ao corpo dos cinegrafistas).

Mas, na hora do “vamos ver”, vale improvisar. No jogo do Brasil em Fortaleza, chamou a atenção a “colinha” que o cinegrafista central da tribuna tinha com a foto dos jogadores do México. Por causa da claridade, um cinegrafista usou papelão para conseguir enxergar melhor o monitor do equipamento na partida entre Brasil e Camarões, em Brasília.

Olho no lance
Haja clique. Já imaginou quantos cliques um fotógrafo dá em cada partida? A reportagem de O TEMPO foi em busca de uma resposta. Cada fotógrafo faz, em média, 1.200 imagens por jogo. Como a quantidade aproximada de profissionais por jogo é 150, cada partida chega a ter 180 mil registros.

Vale tudo
 Para uma bela foto, é preciso achar um belo ângulo, nem que para isso se dispense a presença física do fotógrafo. No estádio ou pela TV, o torcedor já deve ter notado aquele monte de equipamento atrás dos gols. São as câmeras remotas, disparadas por controle remoto ou cabos.

 Veja Galeria de Fotos: http://goo.gl/QFY7at

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)