FOTOJORNALISMO E REPORTAGEM

em Uncategorized.

fotojornalismo, reportagem, fotógrafo de notícias, agência Magnum, Henri Cartier-Bresson, fotojornalista, revistas, curso de fotografia, Focus escola de fotografia, aulas de fotografia, cursos de fotografia, escolas de fotografia, escola focus, escola de fotografia, curso de fotografia profissional, aula de fotografia, curso fotografia, registro Mtb Fotógrafo profissional

É esperado que o fotógrafo de notícias comunique o espírito de um evento em uma única imagem. Ilustração: Logotipo da famosa agência Magnum, fundada por Henri Cartier-Bresson e seus amigos fotografos

 O fotojornalista, em contrapartida, embarca em uma missão sabendo que irá contar uma história por meio de uma série de fotografias que serão vistas juntas e que, cumulativamente, contarão a história em um ensaio fotográfico.

Durante a década de 1920 havia um apetite enorme do público por jornais; cada cidade grande ostentava muitos jornais matutinos e vespertinos rivais. Editores começaram a lançar revistas cheias de fotografias grandes, pois viam a possibilidade de criar títulos populares que cobrias temas mais amplos do que as noticias diárias. As técnicas de impressão melhoram e essas revistas ilustradas agora podiam reproduzir fotos de excelente qualidade.

Os títulos mais dinâmicos vinham da Alemanha e incluíam o BIZ (Berliner Ilustrierte Zeitung – o jornal ilustrado de Berlim) e o MIP (Munich Illustrierte Presse – o jornal ilustrado de Munique), apresentando o trabalho por uma nova geração de  fotógrafos, incluindo Alfred Eisenstaedt, André Keertész e Martin Munkácsi. Todos usavam as novas câmeras menores, mais rápidas e leves.

Os editores do BIZ e do MIP queriam  colocar os leitores no meio da ação. Em vez de usar uma única foto para contar a história, eles foram pioneiros no ensaio fotográfico. O editor do MIP, Stefan Lorant, disse: “Não achava uma única imagem suficiente”.

As pessoas comuns eram fotografadas no trabalho ou no lazer, muitas vezes como “um dia na vida”, com cada matéria distribuída por mais de algumas páginas. As revistas eram projetadas por uma nova geração de designers gráficos brilhantes, cujas capas e layouts dinâmicos redefiniram a maneira como a fotografia poderia ser utilizada. Com a união desses talentos estimulantes, a palavra “fotojornalismo” foi adotada para descrever essa nova forma de contar uma história.

Na década de 1930, muitos países tinham excelentes revistas ilustradas, incluindo Life and look nos Estados Unidos, Picture Post na Grã-Bretanha e Vu na França.

Todas examinavam o espectro da sociedade como um todo e tratavam os aspectos comuns da vida diária, dignos de atenção.

A revista Life foi fundada nos Estados Unidos em 1936, seguindo o modelo das revistas ilustradas alemãs, como o manifesto “Ver a vida; ver o mundo; testemunhar os grandes eventos”. A Picture Post foi lançada na Grã-Bretanha em 1938, sob a direção de Stefan Lorant. Em seu auge, era incrivelmente popular na década de 1940, vendendo cerca de um milhão e meio de exemplares por semana.

O período após a Segunda Guerra Mundial até meados da década de 1950 foi o auge das revistas ilustradas. Fotógrafos trabalhavam livremente nas ruas, e a câmera era bem-vinda em locais de trabalho e na residência das pessoas.

Ao contrário dos paparazzi de hoje, os fotojornalistas tratavam as pessoas com respeito e igualdade – fotografando sem invasão – , seja ao fotografar celebridades ou o homem na rua. Alguns dos melhores fotógrafos do século XX trabalharam nesse período, incluindo Henri Cartier-Bresson, Robert Doisneau, Margaret Bourke-White, Bill Brandt e Bert Hardy.

A Magnum, a lendária agência fotográfica independente, foi formada em 1947 para proteger a integridade do trabalho dos fotojornalistas.

O coletivo mais famoso do mundo de fotógrafos foi criado com o objetivo idealista, inédito na época, de querer proteger a propriedade dos direitos autorais de suas fotos e controlar a forma como seu trabalho era usado em jornais e revistas.

Antes da Magnum, o trabalho de um fotógrafo era considerado propriedade da publicação para a qual a foto era originalmente tirada, e as fotos podiam ser cortadas, retocadas ou legendadas sem o conhecimento ou permissão prévios do fotógrafo, e reutilizadas ou revendidas sem que o fotógrafo recebesse uma comissão.

A Magnum ainda é administrada como uma cooperativa, compartilhando os lucros entre os membros. Seus fotógrafos continuam na vanguarda do fotojornalismo atual. Eles incluem Chris Steele- Perkins, Donovan Wylie, Steve McCurry  e Nikos Economopulos. A Magnum declarou que seu estúdio é o mundo.

Aproveite para rever mais dicas nas suas apostilas, bibliografias e vídeos das aulas de fotografia dos cursos profissionalizante da Escola Focus.

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)