Fotojornalistas podem ser alvos de quadrilha especializada

em Artigos e Entrevistas, Dicas & Tutoriais, Notícias.

fotografia, fotojornalistas, alvos, quadrilhas especializadas,  furto, euipamentos fotográficos,  eventos esportivos, sala de imprensa, Escolas de fotografia sp, escola focus, enio leite, curso de fotografia sp, focus fotografia, focus escola de fotografia, escola focus de fotografia, focus foto, cursos de fotografia sp, mtb fotografo profissional, focusfoto, cursos online de fotografia, cursos de photoshop, notícias sobre fotografia, aulas de fotografia sp, melhores escolas de fotografia sp, cursos de fotografia zona leste sp,  focus foto, curso fotografia sp, curso de fotografia digital, cursos de fotografia sp, cursos de fotografia zona sul sp, focus foto, curso técnico de fotografia sp, melhores cursos técnicos de fotografia sp, aulas de fotografia, escola de fotografia técnica sp

Foto: Fernando Martinez

Criminosos estariam se organizando para furtar equipamentos fotográficos durante eventos esportivos.

O furto a fotógrafos em eventos esportivos está virando rotina. Apenas neste mês, quatro profissionais da mídia tiveram seus equipamentos furtados dentro de estádios na região Sul do país.

Na quarta-feira (20), o fotojornalista esportivo Heuler Andrey teve todo seu equipamento furtado na sala de imprensa da Vila Capanema, em Curitiba, durante a primeira partida da final da Copa do Brasil de Futebol. Durante o mesmo evento a repórter Daiane Cordeiro também teve sua câmera furtada na sala destinada aos profissionais da imprensa.

No começo do mês, Diego Vara e Lucas Uebel, tiveram seus equipamentos furtados na área do gramado da Arena do Grêmio, antes da partida entre Grêmio e Atlético Paranaese, pela semifinal da Copa do Brasil.

E a lista não para por aí. Em maio deste ano, Flávio Alves teve o equipamento roubado durante evento de inauguração da Arena Pernambuco. Segundo seu relato no Facebook, uma pessoa desconhecida o teria distraído, enquanto uma terceira subtraia uma de suas câmeras de sua bolsa. Ele ressaltou ainda que o incidente ocorreu em uma área de acesso restrito ao pessoal credenciado da imprensa. Em maio o fotógrafo entrou com ação de indenização por danos materiais e morais contra a Arena Pernambuco.

Em Julho, os fotógrafos André Lemes, Rodrigo Ruiz, Rafael Gagliano e André Santos, tiveram seus equipamentos furtados dentro da sala de imprensa do autódromo de Interlagos durante a etapa paulista do Campeonato Brasileiro de Marcas.

As ocorrências vão além dos eventos esportivos. Em Setembro, o fotógrafo Buda Mendes, da agência Getty Image teve seu equipamento furtado dentro da sala de imprensa do festival Rock in Rio, durante o período de 10 mim que se ausentou para ir ao banheiro. Outras duas câmeras da empresa que fazia assessoria de comunicação do festival também desapareceram.

Crime organizado?
A frequência de furtos a fotógrafos ocorridos em áreas restritas à imprensa e a rapidez com que os equipamentos “somem”, levam a crer que exista uma quadrilha especializada neste tipo de crime. Suspeita que já havia sido levantada pela Polícia Civil do Rio Grande do Sul, após os furtos acontecidos na Arena do Grêmio em Porto Alegre.

Não há confirmação de que os crimes tenham ligação ou sejam isolados, mas o fato é que os repórteres fotográficos estão sendo alvos constantes.

Responsabilidade

Imagine você deixando o seu telefone móvel ou notebook sobre a mesa do escritório onde trabalha. Enquanto você se ausenta por dois ou três minutos, para pegar algum acessório, conversar com algum colega ou mesmo para ir ao banheiro, ao retornar seu aparelho não está mais lá. É mais ou menos esta a sensação de um profissional que tem o seu equipamento subtraído nas situações descritas acima.

A sala de imprensa é o local de trabalho dos repórteres e tem que ter segurança. Não há como um profissional concentrar-se em sua atividade tendo que ficar preocupado com a segurança de seu equipamento.

Em todos os casos as organizadoras dos eventos isentaram-se de qualquer responsabilidade pelos incidentes, mesmo nos casos em que as câmeras de vigilância não estavam funcionando.

Não há como julgar tais casos como sendo mera negligência do próprio profissional. É importante que as entidades de classe, associações e sindicatos que representam os repórteres, posicionem-se para que exista uma maior segurança nos locais de trabalho.

Fonte: http://goo.gl/etL2qo

Focus Escola de Fotografia – Desde 1975
Veja mais notícias:
http://focusfoto.com.br/blogs
Conheça os cursos da Focus: http://focusfoto.com.br/cursos/
Fale com a Focus:

 [email protected]

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)