“Hercule Florence foi um inventor isolado da fotografia no Brasil”: Boris Kossoy, historiador

em Dicas & Tutoriais.

 História da Fotografia no Brasil, Hercule Florence, processo fotográfico, Escola de Comunicação e Artes, ECA-USP, aula de fotografia sp, focus, cursos de fotografia sp, escola focus, cursos de fotografia online, função do editor de fotografia

Boris Kossoy, (foto),  fotógrafo, historiador e teórico da fotografia, é responsável pelo reconhecimento de Hercule Florence como inventor de um processo fotográfico

Leticia Constant/RFi

A fotografia é uma grande paixão na vida de Boris Kossoy, teórico e historiador da matéria, professor-titular da ECA – Escola de Comunicação e  Artes da USP, na qual também é coordenador do Núcleo de Estudos Interdisciplinares de Imagem e Memória, e doutor pela Escola de Sociologia e Política de São Paulo.

Com diversas obras publicadas, Boris Kossoy veio a Paris fazer uma conferência na Fundação Calouste Gulbenkian sobre o francês Hercule Florence, que viveu no século XIX (1804 -1879), e sobre o qual escreveu um livro “A descoberta isolada da fotografia no Brasil”. A primeira versão em português foi escrita há 40 anos, sendo publicada em seguida em diversos países, com previsão de lançamento nos Estados Unidos no fim de 2017.

A conferência do professor, em Paris, coincidiu com a saída do seu livro na França, pela editora Harmattan, cuja apresentação foi feita por Paul-Louis Roubert, presidente da Sociedade Francesa da Fotografia, e André Gunthert, da Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais.

O francês Hercule Florence é reconhecido hoje como um dos inventores da fotografia, através de suas experiências inéditas realizadas com materiais fotossensíveis, com processos de fixação de cópias em papel, a partir de 1833. Nesta época, ele vivia no Brasil, onde chegou aos 20 anos, como marujo, e acabou ficando.

Depois de fazer alguns amigos, Florence soube de uma expedição científica, e se interessou: “Era o momento das expedições que vinham pós-independência, o Brasil se abria para o mundo exterior, eram muitos naturalistas, biólogos, filósofos, enfim, Florence se encanta com a ideia de participar desta expedição chamada Langsdorff, que percorreu o Brasil durante quatro anos, e foi até a Amazônia por via fluvial”, conta Boris Kossoy, lembrando que ele encontrou sua futura esposa na época e acabou ficando no país.

A invenção de Hercule Florence começou de forma surpreendente. “Nesta viagem pelo Brasil, ele toma nota dos sons dos animais, como se fossem escalas musicais e decide fazer um estudo com o nome de zoofonia, e decide imprimir esse estudo. Aí ele cai na realidade e se dá conta de que não há impressoras na província do estado de São Paulo. E, então, ele acaba desenvolvendo um processo de impressão, ao qual deu o nome de poligrafia, que seria o mimeógrafo de hoje”, explica o professor, observando que ele sempre buscava imprimir com meios baratos e menos complicados do que a litografia, que estava no auge.

“Então, em janeiro de 1833, ele começa a fazer impressos pela ação da luz sobre papel sensibilizado com nitrato de prata. Ele começa a desenvolver esse processo fotográfico de impressão, realiza imagens pela câmara obscura, que é o embrião da câmara fotográfica, e ele está desenvolvendo, simplesmente, um processo fotográfico no meio do nada”, analisa o professor.

Suas pesquisas caíram no anonimato durante 140 anos e foi nos anos 70 que Boris Kossoy provou historicamente e tecnicamente, a descoberta de Hercule Florence.  O material foi examinado nos Estados Unidos pelo Rochester Institute of Technology, que comprovou a possibilidade real, química, da realização dessas experiências.

Kossoy ressalta que, em nenhum momento, está reivindicando a invenção da fotografia por Hercule Florence: “Isso seria uma bobagem do tamanho de um bonde. Ele é um inventor isolado de um processo fotográfico, como existiram outros como os famosos franceses Daguerre [Louis Daguerre], Niépce [Joseph Nicéphore Niépce], o inglês Fox-Talbot…”, relata o historiador, concluindo, satisfeito, que ” a descoberta dele está aí, sendo reconhecida no mundo inteiro, e é essa a ideia”.

Boris Kossoy foi recompensado em 1984 com a condecoração Chevalier de l’ Ordre des Arts et des Lettres do Ministério da Cultura e da Comunicação da França, pelo conjunto de sua obra.

Veja o vídeo da entrevista com Boris Kossoy: https://www.youtube.com/watch?v=ODR60G1HJ_0

Fonte: https://goo.gl/VoNS3C

FOCUS Escola de Fotografia –  http://focusfoto.com.br
Conheça os novos cursos da Focus: http://focusfoto.com.br/cursos/

Confira opinião de Ex-Alunos: https://goo.gl/yRlkM9
Fale com a Focus: [email protected]

Seja fotografo regulamentado
Obtenha seu registro Mtb de fotografo profissional

 Referência em ensino de fotografia
“Faça bem feito, faça Focus – Desde 1975”

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)