ILUMINAÇÃO DIRETA

em Dicas & Tutoriais, Equipamentos.

iluminação direta, retratos, focus escola de fotografia
Uma fonte de luz de extensão reduzida produz um à iluminação fortemente direcional e sombras com contornos muito definidos.

A fonte reduzida mais
comumente utilizada na fotografia é o sol que, apesar do seu enorme tamanho,
está situado a tal distância que funciona, na prática, como fonte reduzida
.

Outras fontes do mesmo tipo são o
flash direto, lâmpadas de incandescência e os photofloods.

Devido ao fato de produzir
sombras fortes e bem definidas tanto sobre os próprios objetos quanto nas
mediações o registro de imagens com esta fonte tende a ser um tanto complicado.
As partes mais brilhantes são pequenas e muito intensamente iluminadas; a linha
divisória entre as áreas claras de sombra abrupta, sem a direção gradual de
tonalidade que confere a sensação de profundidade dos objetos.

VANTAGENS

Contudo, a fonte reduzida apresenta
algumas vantagens e é ideal para determinados tipos de fotografia. Objetos
simples e pequenos – como caixas e embalagens, por exemplo – que ilumina dos de
outra maneira poderiam parecer desinteressantes na imagem fotográfica. Ganham
uma boa saturação de cor e têm sua textura fina enfatizada quando se utiliza
uma fonte reduzida.

Outra vantagem: a iluminação
produzida por fonte reduzida pode ser projetada a distâncias consideráveis, com
perda relativamente pequena de intensidade; além disso, sua distribuição é de
fácil controle. Por isso, esse tipo de fonte é muito utilizado em estúdios,
fotográficos profissionais.

A fonte reduzida permite a
criação certos efeitos de iluminação cuja exploração pelo fotógrafo pode
resultar em fotos interessantes. Com ela, é possível obter um arco-íris na água
da chuva ou de um chafariz; os pontos de luz só ganham brilho e definição na
imagem se iluminados por uma fonte reduzida.

DESVANTAGENS

Devido a sua característica
formar sombras de contornos muito definidos e enfatizar todos os detalhes dos
objetos – as fontes reduzidas nem sempre resultam nas melhores fotos,
notadamente quando se trata de pessoas. Na praia, por exemplo, a luz forte e
dirigida do sol põe em relevo todas as peculiaridades dos rostos das pessoas:
qualquer ruga parece mais aprofundada; o nariz projeta sua sombra sobre o
restante do rosto; as cores são muito saturadas, tornando evidentes até mesmo
pequenas alterações no tom da pele; se a pessoa esta suando um pouco, isso
aprece com destaque na foto: as superfícies do corpo ganham limites
demasiadamente definidos, ao contrário de sua curvaturas, que tendem a
desaparecer.

Para contornar essas
dificuldades, a solução mais plausível é a transformação de fonte reduzida em
fonte média. No exemplo da praia, isso se consegue de diversas formas,
dependendo da situação.

Um guarda-sol, que coloque as
pessoas na sombra, elimina a luz direta, permitindo que a iluminação
proporcionada apenas pela luz refletida na areia ou em outros objetos. A sombra
de uma árvore, ou edifício, funciona da mesma maneira. Não havendo essa
possibilidade, o fotógrafo precisa esperar até que uma nuvem recubra o sol, ou
que a iluminação se abrande – o que ocorre quando o sol é menos forte, no
início da manhã ou no final da tarde.

Outro modo de reduzir os efeitos
da luz direta é dispor a câmera e o motivo em posições tais que este último
seja iluminado por detrás. Nesse caso, como a objetiva fica contras o sol, é
necessário usar um para sol ou pedir a alguém que projete uma sobra sobre a
câmera, para evitar a ocorrência de reflexos luminosos no interior da objetiva.
Se isso não for possível, tente utilizar o próprio motivo como anteparo, e de
maneira a evitar que a objetiva receba a luz diretamente.

Com essa disposição o motivo, a
luz do sol banha apenas seus contornos – a parte frontal recebe apenas a luz
refletida nos objetos circundantes ou difundida pelo céu, isto é de uma fonte
extensa.

Ao proceder assim, lembre-se de
que nesse caso, a intensidade de iluminação é menor do que a situação original,
de modo que a exposição deve ser recalculada para novas condições.

A combinação de iluminação direta
do fundo e iluminação por fonte extensa da parte frontal do motivo é
extremamente favorável para fotografar pessoas, uma vez que funciona no sentido
inverso da iluminação direta: tende a disfarçar as características menos
desejáveis do motivo e não produz sombras acentuadas, desfavoráveis para o
registro das curvas e dos ângulos do rosto.

Aproveite para rever mais
dicas sobre iluminação direta nas suas apostilas, bibliografias e vídeos das
aulas de fotografia dos cursos profissionalizante da Escola Focus.

CONFIRA TCC DE ALUNOS DA ESCOLA FOCUS!  https://focusfoto.com.br/tag/tcc/

Opinião de Ex- Alunos que estudaram na FOCUS! https://goo.gl/C235XR
Blog de Fotografia:  https://focusfoto.com.br/blogs/

Flickr – Foto Galeria dos Alunos da Escola Focus
https://www.flickr.com/photos/focus_escola_de_fotografia/

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: G1 - 12/03/2020)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)