Imagens de um resgate

em Notícias.

Fotolibro enio leite escola focus curso de fotografia sp focus escola de fotografia sp online cursos de fotografia online sp curso fotografia sp escola de fotografia focus sp sao paulo cursos de photoshop sp cursos de fotografia vips noticias curso de fotografia a distancia online curso fotografia a distancia EAD blog focusfoto escolafocus blog noticias fotografia escola fotografia sp

Publicação reúne fotolivros de autores da América Latina e evidencia contribuições esquecidas

Resultado de uma extensa pesquisa que mobilizou fotógrafos, designers e editores em onze países, ao longo de quatro anos, o volume “Fotolivros latino-americanos” promove uma reunião inédita dos principais fotolivros da América Latina do século XX e do início do século XXI.

O projeto, o mais amplo já realizado de documentação sobre livros de fotografia no continente latino, mais do que trazer uma sequência de imagens, fortalece a composição do discurso fotográfico. A obra apresenta parcela significativa da contribuição da América Latina ao desenvolvimento da fotografia na prolífica, apesar de pouco estudada, produção desse gênero.

Coordenado pelo curador e historiador espanhol Horacio Fernández, com o apoio de um conselho de colaboradores (composto por Marcelo Brodsky, Iatã Cannabrava, Lesley Martin, Martin Parr e Ramón Reverté) e com a participação das editoras RM (México), Aperture (Estados Unidos) e Cosac Naify (Brasil), o trabalho elenca 150 publicações de nomes importantes da fotografia, a exemplo de Horacio Coppola, Claudia Andujar, Boris Kossoy, Paz Errázuriz, Sara Facio, Daniel González e Miguel Rio Branco.

Processo

A ideia de publicar o livro surgiu durante o primeiro Fórum Latino-Americano de Fotografia, realizado no Instituto Cultural Itaú, em São Paulo, em 2007. Dentre os assuntos debatidos durante o evento, os fotolivros foram discutidos como melhor modo de difusão da fotografia.

Outro tema abordado foi a falta de informação sobre o que já se publicou na América Latina nesse gênero. A pesquisa inicial desenvolvida pelo conselho de colaboradores do projeto detectou que os fotógrafos latino-americanos ignoram boa parte dos livros produzidos na região e até mesmo no país onde vivem. “Essa pesquisa procurou compensar esses silêncios com um resgate sistemático das obras de maior valor, o que permitirá que nosso conhecimento da história da fotografia se amplie de modo significativo”, ressaltam os colaboradores na apresentação do livro.

O critério de seleção das obras ocorreu de forma simples. Levaram-se em consideração autores que tivessem nascido ou vivido na América Latina e que participaram de maneira decisiva da edição e desenvolvimento de seus livros. Também foram enfatizados a composição, a seleção dos materiais e o discurso fotográfico.

Em “Fotolivros latino-americanos” aparecem livros importantes, em geral esquecidos, secretos e originais, como os que reúnem artes visuais e fotografia. Ao leitor é possível, ainda, encontrar fotolivros da Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Cuba, Equador, México, Nicarágua, Peru e Venezuela, em uma trajetória que se inicia nas década de 20 e se estende até nossos dias.

Fotografia e arte

Um dos capítulos mais interessantes do livro é “Fotolivros de artista”. Conforme o que consta no material, a partir dos anos 1960, generalizou-se o uso da fotografia entre os artistas visuais.

A causa foi motivada por diversos fatores: o abandono do formalismo e a recusa individual que classificam o abstracionismo, o interesse pela materialidade e a escolha do processo, a série ou a repetição diante da obra única.

São muitas as possibilidades que os artistas visuais dispõem quanto a aplicabilidade da fotografia em suas poéticas. Podem utilizá-las diretamente, sem alterações, para registrar ou documentar seus processos de trabalho, mas também como trabalho de arte final. Em certas produções conceituais, a fotografia possui a mesma importância que o objeto ou o texto.

Nesse volume, portanto, encontramos trabalhos interessantes que relacionam artes visuais e a fotografia. “Bares cariocas” (1973), do artista brasileiro Luiz Alphonsus, é um arquivo sistemático de imagens e textos que versa sobre um espaço de “onde emergem alegrias, tristezas, policias e croquetes”, nas palavras do crítico de arte Wilson Coutinho.

“Cuerpo correccional” também chama atenção pela forma como seu autor, o chileno Carlos Leppe, expõem suas inúmeras performances, que tratavam das identidades sexual e local por meio de citações da história da arte e de sua própria biografia.

O livro reproduz registros em vídeo e fotografias de Jaime Villaseca, Francisco Zegers e Carlos Altamirano das atuações e instalações do próprio Leppe, e situa seu trabalho no cenário artístico de Santiago (Chile).

A obra também é importante porque, na época em que foi desenvolvida (anos 1970), revelou-se uma autêntica provocação por sua encadernação sólida, lombada firme, capas envernizadas, fotos bem reproduzidas sobre papel adequado e tipografia imprensa no lugar de máquina de escrever.

Assim, mais do que uma história da fotografia na América Latina, “Fotolivros latino-americanos” funciona como um panorama estético, social e cultural dessa região. Além de refletir sobre a relação da fotografia com a literatura, as artes visuais e as explosões políticas que marcaram a conturbada história dos países latinos nos últimos 100 anos.

LIVRO

Fotolivros latino-americanos

Autor: Horacio Fernández

Tradução: Gênese Andrade

Edição: Cosac Naify

2012, 256 PÁGINAS

R$ 149

Fonte: http://goo.gl/GRB5r

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)