KODAK respira por aparelhos, FUJI vai muito bem, obrigado. Como pode?

em Artigos e Entrevistas, Notícias.

escola de fotografia sp focus escola de fotografia focus foto escola focus enio leite cursos fotografia online curso de photoshop kodak vs fuji

A fotografia digital devastou os negócios de filme fotográfico como um câncer. Comeu tudo.!

Texto: Clemente Nobrega

KODAK e FUJI perceberam o perigo muito cedo- a KODAK lançou uma das primeiras câmaras digitais em 1975. Tentou entrar no mercado chinês, mas os chineses pularam direto para os celulares com câmaras fotográficas, e nunca compraram filmes KODAK o suficiente para acalmar a empresa. Azar  da KODAK.

 Ambas – KODAK e FUJI- perceberam que sua expertise estava em química (devido ao conhecimento e patentes do processo fotográfico analógico). A KODAK tentou entrar na indústria farmacêutica com base nisso, e deu-se mal. A FUJI optou por entar na indústria de cosméticos, e está se dando bem. Cosméticos? Sim, o processo  de oxidação que faz uma foto amarelar é o mesmo que faz a pele humana enrugar. A substância usada para combater isso, em fotos e na pele, é a mesma: o colágeno. A FUJI foi por aí.

 No longo processo que a levou à UTI, a KODAK percebeu que o JOB TO BE DONE das pessoas é registrar imagens, não é comprar filmes .Pensou certinho, e tentou criar um serviço digital de postagem e compartilhamento de fotos na WEB.Tentou, mas não deu. Reparem: ela poderia ter criado um FACEBOOK antes do FACEBOOK!!!

Por que falhou? Falhou por quê?

 Assim como a FUJI, a KODAK partiu para comprar empresas que agregassem valor ao que ela já dominava. A FUJI se deu bem nessas compras, a KODAK se deu mal.

•O valor de mercado da FUJI um mês atrás, era 13 bilhões de dólares.  O da KODAK? 220 milhões.

•A KODAK tinha 150 mil funcionários em 1988, mês passado tinha 15mil.

•O lucro da KODAK  foi de 2.5bilhões de dólares em 1999, no último trimestre de 2011 seu prejuízo foi 222milhões de US$, o nono prejuízo trimestral seguido em três anos.

•60% do lucro da FUJI vinha  de filmes fotográficos no anos 2000; hoje, seu lucro desta fonte é praticamente zero. Ela achou outras fontes de receita e lucro.

Olha isso:

kodak grafico escola focus enio leite curso de fotografia em sao paulo cursos fotografia curso de fotografia são paulo curso de fotografia online

 

 A FUJI adotou um tipo de tratamento e se deu muito bem. A KODAK, que tentou coisas análogas, se ferrou. Por que, minha gente?

 Esqueçam os moralismos patetas tipo reprimendas religiosas: ”a KODAK foi arrogante”! Besteira,não foi, foi humilde. “A KODAK não entendeu os sinais do ambiente!” Besteiríssima, entendeu perfeitamente. “A KODAK não tentou diversificar!!”.Besteirona, tentou comprar empresas de outros setores como a FUJI fez…E então?

A CIÊNCIA DA GESTÃO, que é a ciências das circunstâncias , dá a resposta: a diferença está no estilo da liderança. Tudo o mais sendo igual, ganha quem usar a ferramenta de liderança mais adequada à uma situação de ameaça. Já tratei dessas ferramentas aqui (lá para 2008),mas vou voltar a elas no próximo post porque são elas resolvem essa parada.

Não conheço outro caso como este . Duas empresas antigas, bem estabelecida, praticamente monopolistas em seus mercados domésticos, enfrentando a mesma ameaça..Uma sobrevive outra não..

O padrão conhecido é uma empresa antiga ir perdendo aos poucos para uma nova, mas não é isso o que temos aqui. Aqui, um dos problemas,e não o menor, foi ..dinheiro. FUJI e KODAK se acostumaram a ganhar muito dinheiro vendendo filmes (protegidos por patentes). Fala-se que ficavam com cerca de 70cents  para cada 1 dólar vendido. Câmaras digitas te permitem ficar apenas com 5 cents para cada dólar vendido, que tal? Passsar a fabricar câmaras ou celulares com câmara, não sustentaria a grana que KODAK e FUJI se acostumaram a ganhar. Dinheiro pequeno nunca motiva empresa grande.

FUJI e KODAK eram (são) velhas raposas. O que uma velha raposa sabe , outra sabe também; mas o que uma raposa nova sabe, a velha geralmente despreza, porque não se encaixa com seu modelo de ganhar dinheiro. Empresas novas ficam felicíssimas com dinheiro pequeno (no início); empresas grandes não ficam porque seus acionistas não deixam. O NEWTON, primeiro dispositivo de mão da APPLE, deu dinheiro, mas não dinheiro suficiente para excitar os acionistas. A IBM ganhou dinheiro com PCs, mas não o suficiente, pela mesma razão. É isso também que explica o fato dela (IBM) ter  desprezado o mercado de sistemas para PCs, dando-o de bandeja à Microsoft. Foi o mesmo comportamento que fez gigantes US Steel e Betlehem Steel desprezarem a tecnologia da NUCOR, que, no início,só era boa para fazer vergalhão, não aços especiais,que é onde está a grana. Dinheiro pequeno não excita empresa grande.

Mas não foi isso que aconteceu com KODAK/FUJI . Foi a ferramenta de liderança certa, usada com maestria que fez a FUJI sobreviver. Foi o não uso dessa única ferramenta pela KODAK que a levou para o buraco.

Fonte: http://goo.gl/WS4B9

 

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)