Mãe descobre que o filho tem câncer após ver fotografia

em Artigos e Entrevistas, Dicas & Tutoriais.

mãe desobre filho com cancer, fotografia, médico, retinoblastoma, diagnostico, sessão em estúdio, oconlogista, Santa Casa, santuário, qimioterapia, fotos em estúdio, fundo do olho branco,   Curso de fotografia são paulo, cursos de fotografia sp, escola de fotografia SP, melhores cursos de fotografia do Brasil, melhor curso de fotografia do Brasil, cursos fotografia, escola focus, enio leite, focus fotografia, focus foto, aulas de de fotografia, cursos de photoshop, cursos de fotografia online, cursos Vips, cursos fotografia publicitária, melhores escolas de fotografia Brasil, melhores cursos de fotografia sp, melhores escolas de fotografia sp, notícias sobre fotografia, focus escola de fotografia sp, curso para fotógrafos profissionais, Fotografia Focus São Paulo, fotografia curso focus,  melhores cursos de fotografia online do Brasil, fotografe melhor, aulas de fotografia profissional, aulas cursos online de fotografia, aulas vips de fotografia,

Normalmente é o médico quem descobre se algo está errado no corpo de alguém. No caso de Nilda Alves de Oliveira, mãe de Luan Alves de Oliveira, hoje com sete anos, foi a fotógrafa quem sinalizou que algo não andava bem na saúde do pequeno.

Quando levado ao médico, foi diagnosticado com câncer nos olhos. O retinoblastoma, tumor na retina, afeta cerca de 400 crianças por ano no Brasil, de recém-nascidos a cinco anos de idade.

 O câncer, se diagnosticado precocemente, tem índice de cura de 90%.

Quando Luan tinha apenas cinco meses, a mãe resolveu contratar um pacote de fotos em um estúdio. Levou o bebê para ser fotografado e, quando voltou para pegar as fotos já impressas, a fotógrafa fez o alerta: Luan deveria ser levado ao pediatra com urgência, pois o fundo do olho do bebê estava branco, em vez da cor natural, que seria o vermelho-sangue.

“Eu comentei que achava que era porque ele tinha chorado, estava com sono. A fotógrafa disse: ‘Não, normalmente essa mancha é um problema'”, conta Nilda.

De fato, uma foto pode dizer muito sobre a saúde dos olhos de uma criança. O oncologista Sidnei Epelman, presidente da Tucca (associação para crianças e adolescentes com câncer), explica que essa é uma das formas que se diagnostica em casa que há um tumor.

No entanto, é preciso diagnosticar um câncer antes mesmo de ele ser vísivel assim. No caso de Luan, o câncer não estava no estágio avançado, mas também não estava na sua etapa inicial.

Nilda conta que, depois do alerta da fotógrafa, levou o filho ao pediatra da própria cidade, Nova Serrana (MG), que já indicou imediatamente que ela encaminhasse Luan a um especialista de oncologia, já que o caso era grave.

Na Santa Casa de Belo Horizonte, Luan começou a ser tratado. “O médico disse: mãezinha, não se assuste, descobrimos o câncer cedo. Se fosse mais tarde, talvez não tivesse mais jeito’. Então eu entreguei para Deus”, conta Nilda.

A mãe de Luan conta que o médico alertou sobre a possibilidade de retirar o olho do garoto, para impedir a progressão do câncer. No começo do tratamento, no entanto, optaram por fazer quimioterapia. O problema não foi resolvido e Luan, na época então com um ano e dez meses, foi submetido à cirurgia de extração do olho afetado.

A mãe ficou apreensiva sobre a possibilidade do câncer ter atingido o outro olho. Epelman explica que normalmente a doença se desenvolve em um olho só. Em casos de problemas hereditários, pode atingir os dois também.

O caso de Luan, embora Nilda comente que não havia pessoas na família que tivessem tido esse tipo de câncer, aconteceu nos dois olhos. Os médicos descobriram um início do câncer no outro olho, que anteriormente não estava afetado. Luan começou um tratamento a cada três semanas, e, na luta contra a lesão, foi encaminhado para São Paulo.

Com apoio da Tucca, o garoto, com cinco anos na época, ia esporadicamente para São Paulo, para um tratamento mais agressivo. E o tumor desapareceu.

Por precaução, Luan faz acompanhamento trimestral em São Paulo e Belo Horizonte. Hoje com sete anos, a mãe comenta que ele nunca reclamou da doença que teve.

De fato, o oncologista explica que o retinoblastoma não provoca dor, mesmo durante o tratamento. O câncer, se não tratado, pode evoluir, sair do olho e causar problemas mais sérios ainda do que a perda de visão.

O diagnóstico precoce é a solução para o sucesso do tratamento da maioria dos tipos de câncer. No caso do câncer da retina, não é diferente. Epelman explica que, ainda no nascimento, é preciso fazer o exame de fundo de olho, para ver se a criança não nasceu com câncer. Depois disso, nas visitas regulares com o pediatra, é imprescindível que ele avalie o fundo de olho, um exame que pode ser feito com um oftalmoscópio, aparelho simples que identifica se há algum problema.

O presidente da Tucca explica que o olho é uma espécie de “santuário”, assim como o cérebro. Por causa disso, os medicamentos comuns têm dificuldade de atingir essa região, mas ele comenta que, no caso da quimioterapia, o mecanismo é diferente e a ação local felizmente traz bons resultados.

 Fonte: http://goo.gl/ZJPZfK

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)