Manipule à luz adequada

em Uncategorized.

Perfil ICC escola focus enio leite cursos de fotografia profissional sp curso de fotografia online curso de   photoshop noticias sobre fotografia curso fotografia curso de fotojornalismo escolas de fotografia noticias sobre fotografia

Perfil ICC com as áreas de reprodução de cores em RGB e CMYK

O termo “refação” não existe no dicionário, mas fotógrafos e laboratórios o conhecem muito bem. Uma das origens do procedimento de refazer a ampliação pode estar na luz ambiente. É o alerta de Luiz Gonzaga Gomes, o Zaga, da Casa da Photo de Uberlândia (MG). Engenheiro de formação, Zaga trafega na tecnologia digital desde 1999. Em sua opinião, a indústria gráfica se adaptou rapidamente à tecnologia digital. “Um arquivo produzido numa agência pode ser reproduzido em três gráficas diferentes sem que o resultado seja discrepante”, diz ele. Isso é possível porque monitores e iluminação ambiente estão padronizados. Já na fotografia, a questão é relegada.

            Luz ambiente – No estúdio, a luz ambiente deve ser ao redor de 500 a 600 lumens e temperatura de cor próxima a 5.000º Kelvin. Isso significa luz branca e com intensidade controlada. Zaga compara com uma sala de televisão: “Se estiver muito escura, você aumenta o brilho e o contraste; se muito clara, diminui a intensidade do brilho e do contraste”. No filme fotográfico, o contraste e a saturação de cores já vêm prontos, o laboratório só faz o balanço de cores e o brilho ou densidade da exposição. Na fotografia digital, tem de ajustar contraste, brilho, balanço e saturação de cores para entregar o arquivo ao laboratório. “Se está com os arquivos corretos e o laboratório não interfere, o resultado deverá ser muito próximo em contraste, brilho e saturação se o sistema de exposição for similar”, diz ele.

            Num ambiente corretamente iluminado, a pessoa olha para o monitor e para o ambiente em volta e não percebe a diferença de luz. “A luz gerada pelo monitor tem a mesma intensidade que a refletida pelo ambiente. As pupilas não precisarão se abrir para um e fechar para o outro, a mesma abertura serve para ver o monitor como o ambiente”, explica o engenheiro. Quando o ambiente está mais escuro que o monitor, as pupilas se abrem e a imagem que está no monitor parecerá mais clara do que realmente é. “O fotógrafo então diminui o contraste e tira o brilho. No laboratório esta mesma imagem estará escura e suave na impressão. O inverso também ocorre: em ambiente muito claro, as pupilas se fecham e a imagem no monitor parecerá escura. Ao colocar mais brilho e contraste na foto, na impressão a foto sairá clara e contrastada”, esclarece.

            Cor da luz – Para Zaga, o problema mais grave é a cor da luz. Quem trabalha com luz comum de tungstênio no ambiente, que acomoda a retina, não percebe o tom vermelho alaranjado dela. Resultado: as fotos tenderão para o vermelho alaranjado. Quem trabalha com luz fluorescente comum (6.500º K) enxerga tom frio na pele humana. A receita dele é utilizar duas lâmpadas fluorescentes 40 Watts cada, montadas em uma calha a cerca de um metro e meio de altura para produzir o efeito desejado.

“Sugiro ao fotógrafo fazer uma foto de referência com suas preferências para colocar ao lado do monitor e recorrer a esta referência com frequência evitando a acomodação visual”, diz ele, notando que o fotógrafo é resistente a esse tipo de aconselhamento.

 O que é um perfil ICC?

 Um perfil ICC é um arquivo que descreve as capacidades e limitações dos dispositivos que geram cor. Ele pode ser usado em conjunto com a tecnologia ColorSync da Apple e aplicações como por exemplo o Adobe Photoshop para corrigir imagens de cores, igualar cores tão próximo quanto possível do scanner ao monitor e à impressora e provas, e também simular a aparência de imagens de máquinas impressoras.

ICC significa International Color Consortium – Consórcio Internacional de Cores, o qual é um grupo de fabricantes lideres de produtos de imagem digital que inclui Adobe, Agfa, Apple, Fuji, Microsoft e outros. O ICC tem desenvolvido especificações para descrever como os dispositivos criam cor e esta informação está incorporada na estrutura de um perfil ICC.

  Porque perfis personalizados?

 Dispositivos diferentes criam cores diferentemente. Mesmo duas impressoras do mesmo modelo e marca irão requerer ajustes ligeiramente diferentes para produzir a mesma cor (e irão produzir cores ligeiramente diferentes com os mesmos ajustes).

Perfis personalizados (feitos sob encomenda) tomam muitos fatores em conta incluindo cor do papel, textura, ajustes de impressora além de outros. A única forma de assegurar que você está recebendo a mais exata e fiel imagem possível é usar um perfil que foi criado especialmente para seu equipamento, papel, tintas e ajustes.

Pelos motivos acima, os “perfis genéricos”, que algumas vezes acompanham os dispositivos de geração de cores ou sendo oferecidos isoladamente por empresas ao mercado, não irão garantir a equalização na cor.

Que informações estão contidas no perfil da impressora?

Um perfil ICC de impressora contém um espantoso montante de informações. Quando sua impressora está caracterizada no processo de levantamento de perfil, todos os aspectos do processo de impressão são tomados em consideração. A seguir apresentamos uma lista que serve como uma ilustração de alguns itens capturados pelo perfil da impressora. É importante notar que se houverem mudanças em um dos ingredientes da lista, o perfil pode tornar-se inválido e o dispositivo pode necessitar ser recalibrado ou um novo perfil ser criado.

Também é importante o controle do processo de impressão em máquinas impressoras offset, flexo e rotogravura, em especial o densitométrico, pois a variação da carga das tintas impressas pode invalidar o perfil criado.

Algumas das informações contidas no perfil ICC: Ganho de ponto; Registro; Tintas; Substrato, Temperatura; umidade; UCR; GCR; Reticulação; Resolução; Ajustes do Driver e de Aplicações; Calibração; Ajustes de arquivos de imagens, etc…

As cores serão exatas com a aplicação do ICC?

 Não se deve esperar uma igualação absoluta entre o monitor (o qual precisa, naturalmente, ser de boa qualidade, não muito antigo, e apropriadamente calibrado) e o perfil impresso. Isto é devido a diferenças físicas entre o monitor e a saída de impressão. Entretanto, quando o impresso é visto sob condição de iluminação padrão de 5000º K (D50) a aproximação pode ficar bem maior.

Da mesma forma não deve se esperar uma exatidão absoluta entre a prova de contrato e a impressora digital, devido a diferenças físicas nos suportes e diferenças na tinta e papel usados na impressora. Os materiais de consumo para impressoras desktop não são necessariamente produzidos para tolerâncias profissionais de lote a lote. O resultado, entretanto, pode ficar bastante próximo, se a comparação for feita sob condição de iluminação padrão de 5000º (D50).

 Como eu uso meus perfis?

 Perfis são bastante versáteis e podem ser usados em muitas diferentes formas. Eles podem ser usados para igualar cores de forma que a imagem produzida no scanner pareça correta no seu monitor e seja impressa corretamente. Perfis de maquinas impressoras e outros dispositivos de saída podem se usados pelo designer para simular a aparência de uma imagem tanto no monitor como na impressora. Em alguns casos os perfis podem também ser usados para corrigir problemas de cores nas imagens.

Perfis são usados cada vez que uma imagem é transformada de um formato para outro. Então quando você faz uma separação de um arquivo RGB para CMYK no Photoshop CS 6, um perfil RGB de origem e um perfil CMYK de destino são usados para calcular a separação.

Quantos perfis de impressoras eu preciso?

 Se você sempre usa as mesmas tintas e exatamente o mesmo papel, você pode precisar apenas de um perfil. Mas cada vez que você usar diferentes tintas ou papel, você deverá usar um perfil diferente.

Lembre-se que perfis são intencionados para caracterizar o processo de impressão. Se você mudar qualquer parte do processo e ele tiver um efeito nas cores produzidas, você necessitará de um perfil diferente.

   Por quanto tempo o perfil é válido?

 O perfil permanecerá válido até que alguma coisa ocorra mudando a forma como sua impressora irá produzir cores. Mudar o papel, trocar a cabeça impressora, ou comprar suas tintas de um diferente fabricante podem invalidar seu perfil e requerer a feitura de um novo.

   Os perfis podem ser ajustados posteriormente a sua construção?

 Acontece casos em que o cliente deseja aproximar ainda mais algum aspecto do resultado a um original. Para isto pode haver um ajuste no perfil após a sua construção – por exemplo, para ressaltar a luminosidade ou para aumentar a saturação mantendo o balanceamento das cores assim como reduzir diferenças sutis entre o impresso e o original. Entretanto, este ajuste no perfil pode, eventualmente, beneficiar uma parte da imagem em detrimento de outras.

 Como eu posso calibrar e impor um perfil ICC em meu monitor?

 Cada monitor originalmente apresenta cores diferentes para os mesmos números RGB. A solução mais econômica é utilizar as possibilidades de seu sistema. Tanto o ColorSync 2.5 ou superior da Apple como o Adobe Photoshop (Mac e Windows) incluem um calibrador visual que leva você através do processo de calibração visual e de imposição de perfil do monitor.

Entretanto a exatidão do resultado depende do olho do operador, que pode variar de um dia para outro ou com diferentes pessoas quanto à percepção.

Assim, o ideal é a compra de um calibrador de monitor (Ex.: O Spectrocam que é fornecido pela ITG) e de um software para perfis ICC em monitores, os quais são simples de se usar e razoavelmente econômicos.

  Como eu posso impor um perfil para meu scanner?

 Um perfil de scanner é também relativamente fácil de criar além de que scanners não descalibram com facilidade. Alguns scanners (Ex.: Linocolor e Agfa) incluem software e padrões de teste para criar perfis.

 Eu uso Windows – posso continuar a usar perfis ICC?

 Todos os perfis ICC, se construídos apropriadamente, podem ser usados em computadores Mac ou Windows. Sua capacidade para usá-los depende mais das suas aplicações do que do sistema operacional. A maioria dos produtos Corel e Adobe usam perfis em ambas plataformas de computador. Para outros produtos nós sugerimos que você consulte seus manuais e o fabricante. Também, assegure que você teste suas aplicações do uso de perfis cuidadosamente. Nem todas as aplicações usam perfis corretamente.

 O que é o serviço de construção remota de perfil ICC?

 O fluxo de trabalho baseado em gerenciamento de cores obriga o investimento em uma tecnologia nova com a compra do necessário hardware e software para a realização de todas as tarefas internas pela empresa, assim como o treinamento apropriado do pessoal técnico, e tempo disponível para que se consiga o compatível entendimento e condições para a criação e manutenção ótima de trabalhos baseados em perfis ICC.

O conceito de construção remota de perfis leva a empresa a obter perfis de qualidade a um custo inicial mais baixo, sem tirar seu pessoal chave do ciclo de produção para treinamento assim como desobrigará a necessidade inicial da aquisição dos equipamentos associados com a instalação interna do sistema de gerenciamento de cores.

No entanto, mesmo sendo os perfis construídos remotamente, a empresa já estará operando dentro do fluxo de trabalho baseado em gerenciamento de cores o que permitirá seu pessoal tornar-se fluente no assunto e possibilitando um entendimento e decisão de investimento muito melhor e mais fácil. Também o processo de treinamento será encurtado devido ao aumento do nível de conhecimento obtido pelo pessoal técnico enquanto trabalhando dentro do ambiente de cores gerenciadas.

 Fonte: http://goo.gl/g0AOO

 

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)