Mostra no MIS destaca o mundo surreal de Kertész

em Dicas & Tutoriais, Notícias.

André Kertész escola focus enio leite curso de fotografia sp focus fotografia curso fotografia cursos de fotografia online  focus escola de fotografia curso de fotografia sp escola focus fotografia escolas de fotografia noticias sobre fotografia  focus fotografia focusfoto noticias

"'Danseuse Burlesque", fotografia de Kertész, agora no MIS

André Kertész, o fotógrafo surrealista húngaro, viveu anos em Paris e se radicou em Nova York, mas nunca aprendeu bem francês ou inglês.

Tal como a língua materna, seu estilo também foi algo à parte no espectro da fotografia moderna, carregado de metáforas, grandes distorções e sentidos ocultos.

Talvez por isso o artista morto há 27 anos, aos 91, não tenha sido reconhecido em vida como pai do fotojornalismo, alcunha que detém hoje, nem como expoente do surrealismo que dominava a capital francesa nos anos 1920.

Kertész, agora tema de uma exposição no Museu da Imagem e do Som, construiu um estilo intimista, com modelos em estúdio, e cenas banais tratadas com um verniz bizarro, quase descoladas de sua realidade aparente.

Um nadador retratado sob a água vira um corpo luminoso e disforme. Mulheres vistas em espelhos de distorção são reduzidas a membros decepados, agigantados e esticados –curvas femininas despidas de sensualidade.

Mas ao contrário de seus pares surrealistas – como Man Ray, que viveu em Paris na mesma época–, Kertész não manipulava negativos.

Traumatizado por ter sido soldado na Primeira Guerra Mundial, quando levou um tiro no braço direito, o fotógrafo se recusava a passar horas trancado no quarto escuro. De certa forma, as distorções que retratava estavam diante de sua objetiva.

Nesse ponto, seus primeiros experimentos fotográficos -ainda nas trincheiras do campo de batalha ou em casa, com a mãe e os irmãos- já traziam essa vontade de retratar a pura estranheza que transborda do cotidiano.

“Demoraram para entender a fotografia dele, e seu reconhecimento chegou tarde”, diz Michael Houlette, do Jeu de Paume, museu parisiense que organizou a mostra do MIS. “Ele não se expressava bem em quase nenhuma língua e por isso trabalhava muito bem com metáforas.”

Seus jogos de linguagem, no entanto, não agradaram sempre. Depois de alcançar fama em Paris e publicar imagens na pioneira “Vu”, a “Harper’s Bazaar” estranhou seu estilo nos primeiros editoriais que encomendou.

Nos Estados Unidos, Kertész teve de domar sua ousadia nos trabalhos comerciais, mas, na obra pessoal, por exemplo, retratou até mesmo a cidade de Nova York sob um viés distorcido, uma metrópole dotada de personalidade, perversa e gigantesca.

Foi na mesma cidade que Kertész acabou consagrado com uma mostra no MoMA anos mais tarde, em 1964.

ANDRÉ KERTÉSZ

QUANDO: De ter. a sex., das 12h às 22h; sáb. e dom., das 11h às 21h; até 24/6

ONDE: Museu da Imagem e do Som (av. Europa, 158, São Paulo, SP, tel. (11) 2117-4777

QUANTO: R$ 4

Fonte: http://goo.gl/LBfn9

 

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)