Mostra reúne obras com interface digital e tecnológica

em Dicas & Tutoriais, Notícias.

Emoção Art.ficial, Mostra, obras, interface digital, projeto,  tecnológica, arte, tecnologia, computadores, mouses, fios, arte tecnológica, manutenção, obras, funcionamento, trabalhos de arte, arte contemporânea, fotografia, cinema, tablets, touch screen, video, leds, coletivo sueco, estrela virtual, iPods, Interatividade,escola focus, exposição bienal, enio leite, Itaú Cultural, cultura fotográfica

Aos poucos, a imagem de uma mostra de arte e tecnologia com computadores, mouses, fios e uma série de outros aparatos para a interatividade foi se transformando

 “Emoção Art.ficial”, exposição bienal que o Itaú Cultural realiza há 10 anos e dedicada a apresentar obras criadas a partir da interface digital e tecnológica, chega agora à sua 6.ª edição marcando o encerramento de um ciclo, como diz Marcos Cuzziol, gerente do setor de inovação do Itaú Cultural e organizador do projeto. “Esse tipo de arte tecnológica sempre pertenceu à arte contemporânea, apesar das controvérsias. É como aconteceu com a fotografia ou com o cinema, por exemplo”, afirma. Assim, aos poucos as edições de “Emoção Art.ficial” foram reunindo obras de um caráter mais contemplativo e com uma interatividade mais sutil.

Foi proposital, diz Cuzziol. Tanto que o curador chega a dizer que a partir da próxima edição, em 2014, a mostra poderá ter outro título. “Quando começamos, estávamos ainda lidando com o conhecimento, em como promover a manutenção e o funcionamento das obras por dois meses”, conta o engenheiro. Para ele, o aspecto lúdico dos trabalhos de arte e tecnologia é inerente às obras, mas não o determinante – e o ensejo do projeto de “Emoção Art.ficial” sempre foi o de refletir sobre como usar a poética tecnológica de uma maneira natural na produção contemporânea (um seminário é realizado ainda paralelamente). “A interação é o diálogo com o trabalho. Artistas como Lygia Clark e Hélio Oiticica faziam isso, só que com ferramentas diferentes”, diz Cuzziol. Segundo o engenheiro, hoje, a maneira de enxergar as obras de arte tecnológica já é diferente com a difusão de tablets e da tecnologia “touch screen”.

O Brasil, infelizmente, ainda caminha nesse setor. Raros são os programas de fomento nessa área no País. Tanto que “Emoção Art.ficial 6.0”, que é inaugurada nesta quarta para convidados e a partir de quinta para o público ocupando todos os andares expositivos do prédio do Itaú Cultural, apresenta uma maioria de obras produzidas por estrangeiros (com destaque, este ano, para norte-americanos).

A mostra é formada por dez trabalhos. Três deles, de brasileiros, foram comissionados pela instituição – a instalação “Você Não Está Aqui”, de Giselle Beiguelman e Fernando Velázquez (feita de biombos em que “paisagens são fabricadas” a partir da participação do público); “Fala”, de Rejane Cantoni e Leonardo Crescenti (no trabalho, 40 celulares sincronizam palavras, escritas e sonorizadas, em diversos idiomas como uma “memória” do que o espectador diz a um microfone instalado no local); e “iFlux”, de Silvia Laurentiz e Martha Gabriel (obra em que um sistema capta dados do edifício e do ambiente). Os projetos chegaram a receber cerca de R$ 50 mil, cada um, para sua realização.

Já entre os estrangeiros, o organizador da mostra destaca a participação dos americanos Scott Draves e Jim Campbell e do húngaro George Legrady como artistas “mais conhecidos” da área de arte e tecnologia. Draves criou um “supercomputador” que constrói imagens, projetadas em vídeo, a partir de uma rede com milhares de pessoas. Campbell apresenta uma escultura de LEDs e Legrady fatia fotografias em Slice, de 2001. A edição ainda exibe obras do norte-americano Ken Rinaldo, do coletivo sueco The Interactive Institute, do argentino Federico Díaz e uma estrela virtual que se relaciona com o público concebida pelo britânico Richard Brown. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo. Interatividade, exposição bienal, Itaú Cultural

EMOÇÃO ART.FICIAL 6.0

Itaú Cultural (Av. Paulista, 149). Tel. (011) 2168-1776. 9 h/ 20 h (sáb. e dom., 11 h/ 20 h). Grátis. Até 29/7. Abertura quarta, 20 h, para convidados.

Fonte: http://goo.gl/IGZIY

 

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: G1 - 12/03/2020)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)