MULHERES DENUNCIAM FOTÓGRAFO POR USAR ENSAIOS SENSUAIS COMO PRETEXTO PARA ASSÉDIO SEXUAL

em Notícias.

assedio sexual, fotógrafo, ensaios sensuais, focus escola de fotografia, escola focus
Nos relatos, o paranaense Cesar Acosta também é acusado de compartilhar e vender fotos sem autorização das modelos; em vídeo de ‘desculpas’, ele admitiu atos

O Globo/Celina

Dezenas de mulheres se
reuniram em um perfil no Instagram para denunciar uma sequência de abusos,
assédios e constrangimentos praticados pelo fotógrafo paranaense Cesar Oliveira
Acosta — antes, durante ou depois de sessões de fotos.

A página foi criada na
última quarta-feira, dia 12, e mantém as identidades das mulheres preservadas.
Com apenas dois dias de existência, o perfil de denúncia atraiu mais de 9 mil
seguidores.

Nos relatos, Cesar também
é acusado de compartilhar e vender as fotos das mulheres — inclusive meninas
menores de idade — sem autorização. Uma delas afirma que ele comentava com
outros fotógrafos coisas como “essa menina é ridícula (…). Ela é horrível,
precisa ser comida”.

“Gurias dizendo que
ele pegava na bunda e peito. Tô achando LEVE. Comigo ele pegou no peito, bunda,
enfiou o dedo nas partes íntimas e começou a passar a língua nas partes da
minha amiga, tudo sem consentimento. E eu sei que ele fez com mais gurias,
porque uma amiga encontrou com outra guria que fez ensaio com ele e disse ‘ele
também foi saidinho com contigo de te tocar no ensaio?’. Depois do ensaio ele
me chamava para sair e dizia que queria me chupar toda”, diz um dos 72
relatos compartilhados na página.

Em seu perfil
profissional no Instagram, o fotógrafo compartilha fotos de mulheres nuas ou
semi-nuas, embora, de acordo com o seu site, ele ele realize também outros
tipos de ensaios.

Em um vídeo publicado na
quinta-feira, 13, em seu perfil na rede social — com a legenda “Minhas
desculpas” —, Cesar admite que pedia “nudes” e fotos de topless
das mulheres antes dos ensaios e que fazia convites para encontros e piadas de
cunho sexual. Ele ainda diz ter ficado “receoso” quando um perfil de
fotógrafos foi denunciado, achando que seu nome seria exposto. O homem
reconhece que as fotos que tirava eram sexualizadas e tinham “poses
desnecessárias”.

No vídeo, de 9 minutos e
33 segundos, Cesar afirma que suas atitudes não têm justificativas. Admite ter
feito e dito “coisas horríveis”, mas alega que, na época, não achava
que sua postura era errada.

“Eu não tenho como
justificar, apenas dizer que o mínimo que eu posso fazer é me retratar e pedir
desculpas pelas atitudes que eu tive, que realmente elas não representam hoje
como eu sou. Até porque, de 2016 pra cá, eu melhorei muito, comecei a entender
sobre o assunto e perceber as ‘cagadas’ que eu tinha feito. Isso pesava muito
em mim, porque quando a gente cria consciência, as coisas começam a ganhar
peso”, diz ele, nas imagens.

O vídeo de desculpas do
fotógrafo acumulou mais de 80 mil “curtidas” — ele tem mais de 110
mil seguidores. Já a postagem com maios interação na página de denúncias contra
ele soma apenas 1.214 “curtidas”.

No final da tarde desta
sexta-feira, dia 14, o vídeo postado pelo fotógrafo foi removido de sua rede
social.

Segundo Cesar, os
episódios de abuso, constrangimento e assédio sexual teriam ocorrido em 2015 e
2016. No entanto, há relatos de mulheres que dizem terem sido assediadas por
ele via mensagens em redes sociais no segundo semestre de 2018.

Também foi exposto um
print de uma conversa pessoal entre uma mulher e o fotógrafo, enquanto o ensaio
era negociado. Nele, Cesar diz que não é a favor de namorados durante o ensaio
porque “isso desmotiva as modelos”.

“Ele precisa estar
durante a foto em si? Não pode ficar em outro cômodo? Digo por experiência
própria”, continuou Cesar, argumentando nas mensagens.

A mulher que divulgou
essa troca de mensagens ainda relatou que, hoje, enxerga que aconteceu muita
coisa “abusiva, zero profissionalismo”.

Outra mulher relatou que
“nunca se sentiu tão mal” depois de uma conversa que teve com Cesar.
O episódio ocorreu quando ela foi pedir um orçamento de ensaio. O fotógrafo
teria respondido que as fotos da menina “não venderiam”.

“Eu, que já tenho
uma autoestima baixíssima por conta de histórias de insultos e humilhações em
um relacionamento abusivo, fiquei ainda mais para baixo! Nunca me senti tão
mal”, relatou ela.

 Fonte: https://glo.bo/2IjgDEp

Aproveite para conferir mais
notícias sobre fotografia no blog da Escola Focus.

#fotografia_notícias #fotografia_casamento
#focus #focus_escola_de_fotografia  #focusfoto
#focus_fotografia #alunos_fotografia #cursos_fotografia #escolas_de_fotografia   #aulas_fotografia  #enio_leite  #cursosdefotografia

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)