NatGeo e o compromisso com as fotos honestas

em Artigos e Entrevistas, Dicas & Tutoriais.

NatGeo, Steve McCurry, Cartier-Bresson, aula de fotografia sp, história do fotojornalismo brasileiro, focus fotografia,

                                                                 Revista NetGeo Egito                     

Gilson Lorenti/MeioBit
Toda vez que falo sobre isso no MeioBit acontece algum tipo de polêmica nos comentários. Mas é simples: uma foto, por menos edição que ela tenha, não representa a realidade. Isso mesmo, uma fotografia é um recorte da realidade que foi determinado pelo olhar do fotógrafo.  Ou seja, ele decidiu qual verdade mostrar para o observador desta foto.

Uma imagem é carregada de ideologia, assim como um texto. Alguns amigos já trabalharam em redação de jornal onde você saia para fotografar a pauta e recebia do editor qual a direção que deveria seguir. Gosto de dar um exemplo básico para meus alunos. Entrando no tema político, que é fácil de exemplificar nos últimos tempos, pergunto quem é a favor do PT e quem é contra. Geralmente a sala se divide.

Então digo que se todo mundo fosse, ao mesmo tempo, fotografar uma manifestação pró-petralha (ou pró-coxinha), os dois grupos iriam mostrar coisas completamente diferentes, geralmente comprovando a sua visão política.  Dois grupos fotografam o mesmo evento e entregam imagens com visões contrárias. Isso é muito fácil de acontecer.

Utilizando a famosa frase de José Medeiros: “Fotografia é aquilo o que vemos. Porém, aquilo o que vemos depende de quem somos”. Por isso vejo como algo estranho o último editorial da revista National Geographic, escrito pela editora Susan Goldberg e intitulado How We Spot Altered Pictures, onde é explicado ao leitor o compromisso da revista em manter a fotografia séria, sem alterações com Photoshop, e admite que nem sempre a publicação pensou desta maneira.

Ela aponta que algumas imagens foram alteradas em seu formato para caberem dentro do layout da publicação e que esse tipo de prática não será mais aceita. Todo fotógrafo que enviar imagens para a publicação, deste momento em diante, vai ter que enviar junto o arquivo RAW da imagem para comprovar sua veracidade.

Se o fotógrafo não tiver o arquivo ele será submetido a um interrogatório a respeito das circunstâncias em que a imagem foi feita para averiguar a legitimidade do trabalho.

Acima um exemplo de alteração de imagem para que a mesma fosse encaixada em uma capa da revista. Manter uma política de não-alteração de uma imagem publicada é bem interessante, mas entrar na paranoia de que nem cortes para ajustes dentro da revista são práticas negativas é entrar em modo paranoia full.

Todo esse rolo se originou com a polêmica envolvendo as alterações que foram feitas nas fotos de Steve McCurry para aumentar a dramaticidade das cenas. Muita gente bateu o pé dizendo que essas são práticas inaceitáveis no fotojornalismo, mas até onde isso é verdade?Desde o início da fotografia as alterações feitas no negativo, depois da foto registrada, são coisas normais e aceitáveis.

Os Pictorialistas faziam obras de arte com as imagens (geralmente com montagens de vários negativos) e até ícones do fotojornalismo, como o próprio Cartier-Bresson, se valiam de ótimos profissionais para transformar suas fotos (que eram feitas de maneira rápida para não perder o momento) em verdadeiras obras da perfeição técnica.

E com a fotografia digital a coisa não mudou. O Photoshop, e outros programas de edição, tornaram a prática mais comum e fácil do que antes. O que vem mudando nos últimos anos é a percepção do leitor. Muitos agora sabem que imagens não são confiáveis e começam a levantar dúvidas sobre obras antes incontestáveis.

O próprio World Press Photo não escapou das polêmicas de fotos adulteradas e endureceu suas regras. O resultado é que na disputa de 2016 cerca de 16% das fotos foram desclassificadas. Lembrando que todas as fotos que participam do concurso foram publicadas em jornais. Imaginem quantas, que não participaram do concurso, foram adulteradas, publicadas e ninguém percebeu.

Existe solução? Improvável. Vamos viver cada vez mais com esse tipo de coisa, principalmente por conta da progressiva facilidade de utilização dos programas de edição.

A maneira mais fácil, e indolor, de conviver com isso, é aceitar que a imagem é, acima de tudo, uma representação daquilo que o fotógrafo tentou comunicar para o observador. Nada é uma verdade absoluta, nem mesmo uma fotografia.

 Fonte: http://goo.gl/JirqGp

FOCUS Escola de Fotografia – Desde 1975: http://focusfoto.com.br
Conheça os novos cursos da Focus: http://focusfoto.com.br/cursos/

Confira opinião de Ex-Alunos: https://goo.gl/yRlkM9
Fale com a Focus: [email protected]

Atualize-se com o Blog da Focus: http://focusfoto.com.br/blogs/
 Seja fotografo regulamentado. Obtenha seu registro Mtb de fotografo profissional

 Referência em ensino de fotografia
“Faça bem feito, faça Focus! – 1975 – 2016 = 41 anos”
 

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)