Nova York divulga 870 mil fotos de mais de um século de sua história

em Artigos e Entrevistas, Notícias.

Nova Iorque curso de fotografia escola focus focus fotografia enio leite  cursos de fotografia sp focus escola de fotografia curso de fotografia sp escolas de fotografia  curso de fotografia são paulo curso fotografia online fotografia curso curso de fotografia online curso de photoshop cursos de fotografia a distancia ead focusfoto noticias

Pintores suspensos nos tensores da ponte do Brooklin em 7 de outubro de 1914, retratados por Eugene de Salignac, um funcionário da prefeitura

NOVA YORK, Estados Unidos — Foi musa de Weegee, Irving Penn, Robert Frank, Diane Arbus, Berenice Abbott… Imaginada, sugerida, evocada mas sobretudo imortalizada em milhões de fotografias e em milhares de filmes ao longo dos últimos 150 anos, Nova York provavelmente seja a modelo mais cobiçada das cidades do planeta.

Sua indiscutível fotogenia, unida ao talento de quem a converteu em estrela da imagem e em insuperável decoração cinematográfica, contribuiu a alimentar a infinita curiosidade mundial por uma cidade onde os sonhos não esvanecem e em que as desilusões podem ser tão devastadora como ver um homem na calçada a partir de qualquer um de seus arranha-céus.

Veja também: As imagens reveladas de Nova York. http://oglobo.globo.com/mundo/as-imagens-reveladas-de-nova-york-4738786

Foi em Nova York que a fotografia se  converteu em arte, graças ao trabalho de, entre outros Alfred Stieglitz e Paul Strand. Por isso é impossível tirar os olhos da cidade. Prova disso é que o site lançado para divulgar 870 mil imagens dos Arquivos Municipais de Nova York ficou fora no mesmo dia em que foi lançado, na terça-feira. Até pelo menos a noite de ontem, justificava estar inacessível “devido à demanda esmagadora”.

Os registros cobrem desde meados do século XIX até os anos de 1980. Fazem parte de um conjunto de mais de dois milhões de fotografias que chegarão à internet em sua totalidade à medida que haja dinheiro para completar o processo de digitalização.

Pontes, prédios e horizonte

As fotografias não são nem famosas nem conhecidas. Ao contrário, em sua maioria foram feitas por funcionários para, por exemplo, registrar a existência de cada um dos edifícios da cidade, ou o andamento de uma obra de infraestrutura. Ou mesmo, em um arroubo poético, a simples beleza do horizonte visto do alto de uma ponte que o emoldura como se fosse uma janela.

Apesar de não estarem tocados por essa falsa virtude chamada fama, os autores demonstram que o mundo esteve e está cheio de grandes talentos cujos nomes nunca vão ser conhecidos. Entre eles, muitos detetives do Departamento de Polícia de Nova York, que presumivelmente tem a maior coleção de imagens de crimes e criminosos do mundo anglo-saxão. Os amantes do gênero mais mórbido vão ter a sua disposição online centenas de imagens de casos não resolvidos.

Mas essa é só uma pequena parte. O grosso do acervo é composto por 800 mil retratos tirados nos anos 80 de cada um dos edifícios dos 5 bairros da cidade. Além disso há 1.300 imagens da época da depressão feitas por fotógrafos locais que trabalharam para a Works Progress Administration, agência criada para por em prática o New Deal.

“Sabíamos que tínhamos coleções fantásticas de fotografia e ninguém imaginava quão boas eram” disse na segunda-feira à agência Associated Press Kenneth Cobb, um dos membros do Departamento de Registros Municipais, uma repartição por sua vez dividida em subdepartamentos como o de Pontes, Túneis e Estruturas.

Aí trabalhava, como chefe de fotografia, uma das poucas quase celebridades da coleção: Eugene de Salignac. O funcionário permaneceu no anonimato até que o próprio Arquivo Municipal decidiu o resgatar do ostracismo e catalogar toda sua obra, que vai de 1906 a 1934. Um período considerado chave na história de uma cidade que, nessas décadas, deixava de ser cidade para se tornar a grande metrópole do século XX.

As imagens de Salignac registram momentos épicos da história de Nova York, como um grupo de pintores em equilíbrio sobre os tensores da ponte do Brooklin ou o início da construção da ponte de Manhattan vista a partir de uma rua do bairro de Dumbo. Então um reduto de operários, o bairro hoje transformado em um dos mais finos da cidade.

Se há algo de excelente nessa coleção, que até agora só podia ser consultada em sua forma física na sede dos Arquivos Municipais, é que ela mostra a metamorfose sofrida por uma cidade que não seria a mesma no imaginário coletivo se não fossem, precisamente, os milhões de imagem que dela há.

Fonte: http://goo.gl/hriQl

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)