“O Fotojornalismo impresso tradicional acabou”

em Artigos e Entrevistas, Dicas & Tutoriais, Notícias.

Notícias sobre fotografia, cursos de fotografia sp, Fotografia, escolas de fotografias sp, curso de fotografias sp, notícias sobre fotografia, curso fotografias, melhores curso de fotografias sp, melhores cursos de fotografias sp, melhor curso de fotografia SP,   fotojornalismo impresso, Giorgio Palmeira, fotógrafos sem fronteiras, agência de imagens, autorreferencial, carnaval, fotógrafo, trabalho voluntáriom Spike Lee, National Geographic, Gaza, Hamas, Titans, AP, curso de fotografia profissional sp, fotografia focus  são Paulo,  fotografe melhor,   curso de fotojornalismo, escola focus, escola de fotografia focus, melhores cursos fotografia sp, enio leite, cursos fotografia focus, cursos de fotografia online , curso de photoshop sp, dicas de fotografia , cursos de fotojornalismo sp,  cursos de fotografia focus, aulas de fotografia online, cursos de fotografia em Santos, melhores escolas de fotografia no Brasil, cursos de vídeo digital Full HD,  curso de fotografia sp, curso de fotografia digital, cursos de fotografia são paulo,cursos de fotografia zona leste, noticias sobre, cursos de fotografia zona sul sp, focus foto, curso técnico de fotografia sp, melhores cursos técnicos de fotografia sp, escolas de fotografia profissional sp, escolas de fotografia sp, curso de fotografia profissional sp,

Fotojornalismo diário de Giorgio Palmera

Entrevista com Giorgio Palmera

Por Arnaldo Bloch/Globo

Giorgio Palmera é fundador e líder da ONG Fotógrafos sem Fronteiras. Italiano, divide a rotina entre agência de imagens e cursos de formação de crianças em áreas pobres e de conflito mundo afora; é capoeirista e está no Brasil.

“Tenho 46 anos e já rodei o mundo. Estudei capoeira 15 anos em Roma, mas ainda não conhecia o Brasil até três anos atrás, minha primeira visita. Desta vez, cheguei no último carnaval e vou embora Quarta-Feira de Cinzas de 2015. A foto sem fronteira é minha vida. Minha foto é filha do olhar da criança que a gente já foi”.

Conte algo que não sei.

Giorgio Palmera – O fotojornalismo impresso tradicional acabou. Ficou autorreferencial, mais ligado a prêmios, a pautas escolhidas pelos jornais do que a ideias concebidas pelo fotógrafo. Isso acontece no mundo inteiro, em diários como Le Monde e New York Times, para os quais trabalho pela agência ECO. Ao mesmo tempo, os movimentos populares de fotografia têm hoje o compromisso que a gente tinha antigamente.

Já trabalhou em jornal?

G.P. – Não, sempre tive medo de ficar preso ao dia-a-dia, à rotina. Numa agência fica-se mais seletivo e tenho tempo para tocar meu trabalho voluntário.

Mas em publicidade, sim.

G.P. – Uma coisa boa da publicidade é que a gente tem a possibilidade de fazer pesquisas de dois, três meses. Numa campanha para a Tim, tentando humanizar o cliente, rodei por várias cidades de Nápoles. É raro um fotógrafo de jornal ter esse tempo. Hoje, a publicidade tem dinheiro, os melhores fotógrafos e cineastas do mundo, até Spike Lee! Uma força de produção que uma National Geographic não tem mais: pagam 800 euros de cachê…

Como seu trabalho transforma indivíduos?

G.P. – Uma menina ficou três anos presa na Argentina por tráfico e estudou fotografia num programa nosso. Quando foi libertada, não conseguiu ficar em paz enquanto não voltou para a carceragem para desenvolver o mesmo trabalho com outras detentas. Em Gaza, um rapaz que fez fotografia popular teve toda a família morta. Foi chamado pelo Hamas. Ele nos pediu ajuda para resistir. Finalmente, voltou ao Hamas e disse: “Obrigado pelo convite, mas vou por outro caminho.” Um homem-bomba a menos. Na pobreza você não precisa só de bebida e comida, mas também de comida para a cabeça. Como na canção dos Titãs…

G.P. – Não conhecia! Isso vale na favela, em campos de refugiados na África. Criança é criança, a mais pobre precisa abrir sua mente, brincar e criar.

Como veio parar no Rio?

G.P. – A primeira vez foi há três anos, para encontrar o pessoal da Imagem do Povo, o João Roberto Ripper e os fotógrafos da favela. Aí me apaixonei. Tinha já 15 anos de capoeira, que cursei em Roma. Morei dois anos na Nicarágua, fiz livro na Argentina, rodei o mundo. O Brasil foi o clique para eu entender o que já sabia: esse pessoal sai diariamente pela comunidade para fotografar, com qualidade. O que está acontecendo no teleférico? As imobiliárias estão entrando no Vidigal? Perdemos esse caráter. Foto é mais que emprego.

Mas os morros estavam fechados para os profissionais.

G.P. – Existe isso. O interessante é misturar. Há fotógrafos populares que passam para a mídia tradicional. Em Gaza tinha um Mohamed que foi para a AP! Tinha mais entrada que qualquer fotógrafo de agência, fora o medo que eles têm de arriscar sua integridade…

Seu olhar sobre a Copa.

G.P. – Há um gasto econômico evidente e uma falta de infraestrutura grande. Mas a Copa esquenta a economia, nem tudo é ruim. O grande fantasma do Brasil, porém, mais que os protestos, é a Argentina: ninguém lá gosta realmente do Messi, têm antipatia, ele está mordido e precisa fazer algo que lhe dê uma legitimidade nacional, histórica. Bater o Brasil em casa é a grande ocasião…

Fonte: http://goo.gl/xKZqh9 

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)