O jornal e a dependência das agências de noticia

em Artigos e Entrevistas, Notícias.

Agencia Reuters escola focus enio leite focus curso de fotografia online focus fotografia cursos de fotografia online escola de fotografia sp focus escola de fotografia escola de fotografia focus dicas canon 580ex ii curso de fotografia sp focus foto faculdade de fotografia jacques dequeker cursos fotografia  cursos de fotografia em sp focusfoto cursos de photoshop fotografia noticias agencias

Incendio na Nigéria, foto Agencia Reuters

Antes do Twitter, existia a Associated Press. Por mais de 160 anos, algumas vezes em menos de 140 caracteres, os boletins de notícias da agência, por meio de telégrafo, teletipo, fio, satélite ou internet, chegavam até milhares de redações, que passavam a informação para leitores, ouvintes e telespectadores em todos os cantos do mundo.

Na realidade, a AP e outros serviços como Reuters e Agence France-Presse agem, diz a própria AP, como a “espinha dorsal” do sistema mundial de informações. “Nenhum de nós, na indústria jornalística, poderia fazer nosso trabalho de maneira apropriada sem eles”, comentou, em sua coluna [17/2/12], o ombudsman do Washington Post, Patrick B. Pexton.

De tempo em tempo, Pexton recebe comentários de leitores criticando a cobertura de determinados episódios e a dependência de material de agências. Com a política de corte de custos no jornal, os leitores verão mais e mais fotos e matérias de serviços como a AP, que é o maior parceiro do Post, além da Bloomberg, Reuters e outros.

No entanto, diz o ombudsman, é errado que leitores considerem matérias, fotos, vídeos e gráficos de agências como sendo de menor qualidade do que os produzidos pelo jornal. Muitos profissionais do Post trabalharam na AP antes e o escritório da agência em Washington tem veteranos do Post em sua equipe atual. A AP e outras agências empregam repórteres e fotógrafos de qualidade, que diariamente lutam para ter acesso a informações de governos relutantes em revelar informações.

Complemento

Na semana passada, por exemplo, foi a AP que deu em primeira mão matéria noticiando que, no incêndio em uma penitenciária em Honduras, com 355 mortos, a maioria dos internos não havia sido acusada formalmente de crimes, muito menos condenada. A matéria foi escrita com base em um relatório interno do governo de Honduras, obtido pela agência. Ttambém foi a AP o primeiro veículo jornalístico a divulgar a morte da cantora Whitney Houston – e a agência obteve direito exclusivo de transmitir ao vivo seu funeral. Estas notícias ajudaram a AP a atrair 100 mil novos seguidores no Twitter na semana passada.

Como jovem repórter em Annapolis, nos anos 80, o ombudsman aprendeu muito sobre apuração, escrita, rigor e justiça para todos os partidos políticos com Tom Stuckey, um dos mais antigos chefes de redação da AP, que se aposentou em 2006. Ele dava furos com frequência, até mesmo à frente dos repórteres do Post. No Pentágono, Pexton também trabalhou com veteranos da AP e Reuters. A AP ganhou 30 prêmios Pulitzer por jornalismo e fotografia. Seu padrão de ética é um dos mais rígidos da indústria jornalística. E ela é moderna, com fotógrafos podendo editar e transmitir fotos de suas câmeras por meio de um fio ao computador, em segundos.

Michel du Cille, diretor de fotografia do Post, diz que depende de fotos da AP, Reuters, Getty Images e AFP para a maior parte das matérias de última hora de fora de Washington. A editora executiva Kathleen Carroll afirma que a equipe de 2,5 mil jornalistas da AP, em mais de 100 idiomas em 100 países, e nos 50 estados americanos, complementa e apoia seus parceiros associados com o melhor conteúdo possível para ajudar as pessoas a entenderem o mundo.

Fonte: http://goo.gl/UIZ7Z

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)