‘O Sal da Terra’ esmiuça a carreira de fotógrafo

em Artigos e Entrevistas, dicas de fotografia, Notícias.

sal da terra, carreira de fotografo, Sebastião Salgado, Win Wenders, Juliano Ribeiro Salgado, beleza incrível, Banco Mundial, ditadura militar, campo da fotografia, vocação, documentarista, crise na Espanha, produtores culturais,  melhor curso fotografia sp, melhor curso de fotografia no Brasil,      Focus Curso de Fotografia, melhores escolas de fotografia sp, aulas de fotografia sp, melhor escola de fotografia sp, cursos de fotografia zona leste sp, curso de fotografo profissional, focus fotografia,  cursos de photoshop,   curso de fotojornalismo, curso de fotografia de moda,  fotografia cursos,  melhores cursos de fotografia do Brasil ,focus, enio leite, escola focus , melhores escolas de fotografias sp, focus foto , fotografia notícias, fotografia escolas sp, curso de fotografia em sp, aulas de fotografia sp, melhores cursos de fotografia sp, cursos de fotografia zona sul sp, noticias sobre fotografia, fotografia dicas, Focus foto, curso técnico de fotografia sp, melhores cursos técnicos de fotografia no Brasil, escola de fotografia profissional sp, melhor curso de fotografia do mundo, escolas de fotografia em  sp,  curso profissionalizante de fotografia sp,  cursos de fotografia zona oeste sp, cursos de fotografia zona norte sp, cursos de fotografia em Santos,     melhores escolas de fotografia profissional em sp , aulas de fotografia,   curso de fotografia profissional em sp,    melhor curso de fotografia no Brasil, melhor escola de fotografia no Brasil,                  curso de fotografia sp, curso de fotografia, focus, fotografia, focus fotografia, escola focus,     melhores cursos de fotografia de moda, melhores cursos  de fotografia publicitária, cursos de fotografia de moda, cursos de fotojornalismo em São Paulo,

Juliano Ribeiro Salgado, Sebastião Salgado e Wim Wenders

Apenas um filme dedicado a Sebastião Salgado poderia realizar a proeza de segurar o público no cinema após uma maratona que começou às 20h e foi terminar às 2h da madrugada.

Foi o que aconteceu no Theatro José de Alencar, com a exibição, fora de concurso, de O Sal da Terra, de Wim Wenders e Juliano Ribeiro Salgado.  O longa, com estreia prevista para dezembro, esmiúça, com graça, emoção e inspiração, a carreira do nosso maior fotógrafo.

No final da sessão, um público cansado, porém agradecido pelo que tinha visto, aplaudiu longamente. O filme, descrito por espectadores com palavras como “luxuoso”, “duro, porém de uma beleza incrível”, refaz a vida de Salgado, mineiro de Aimorés, através do seu trabalho. Mas a contempla em várias etapas. Da infância na fazenda aos estudos em São Paulo.

Da saída do país durante a ditadura militar à formação em Economia no exterior. Do cargo no Banco Mundial à descoberta da sua grande vocação, o que mudaria a sua vida, a de sua família e as de tantas outras pessoas. Já instalado no campo da fotografia, o filme debruça-se sobre as diversas fases do percurso de Salgado, fazendo um arco que vai do fotógrafo social, preocupado com a miséria do mundo, ao apaixonado pelo trabalho humano e, por fim, pela natureza e pelo planeta Terra, esta nossa casa tão maltratada e ainda tão bela.

Mas, no fundo, é o ser humano o centro do universo de Salgado. “As pessoas são o sal da Terra”, ele diz, e daí vem o título do filme. Trabalhando em parceria com o filho de Sebastião Salgado, Wenders retoma seu melhor pulso de documentarista.

Rigor, uso inteligente e moderado de uma trilha sonora estupenda, discernimento para sacar o que existe de essencial em trajetória tão brilhante quanto diversificada. Filme de fato recompensador. E que talvez levante algumas questões já com certa rodagem, porém ainda não resolvidas, como: o que significa a estetização da fome e quais as possibilidades de representação (no caso fotográfica) da miséria humana extrema.

São temas éticos, que ficam à margem do documentário, mas podem muito bem serem debatidas pelo público inteligente que o vê.

Crise na Espanha

 Com Os Fenômenos, o espanhol Alfonso Zarauza cria, explicitamente, uma metáfora da crise econômica do seu país. Neneta (Lola Dueñas) é a mulher com filho pequeno obrigada a se empregar como trabalhadora braçal em uma obra para sobreviver, apesar de ter a escolaridade que, em tempos melhores, poderia empregá-la em outras funções.

“Minha ideia com este filme é dar uma bofetada de realidade para mostrar quem são os verdadeiros responsáveis pela crise econômica”, diz o diretor.

O filme tem a ambição de refletir, de maneira crítica e do ponto de vista dos trabalhadores, sobre os efeitos deletérios da crise econômica. Por exemplo, em meio a essa dura história de sobrevivência, Neneta deverá optar entre dois amores, um libertário, que a convida a jogar tudo para o alto e seguir viagem, e outro, mais “burguês”, que a chama para a estabilidade.

“Mas, no fundo, o que decide por ela é a crise econômica e não seus desejos mais íntimos”, diz. A crise, no fundo, funciona como os deuses da tragédia grega, tecendo e desfazendo destinos humanos. Zarauza falou também sobre o bom momento do cinema da Galícia, região de onde é proveniente.

“Houve lá um governo inteligente que decidiu colocar o dinheiro, em pequenas quantidades, nas mãos dos artistas e não dos produtores culturais; nasceram assim filmes de orçamentos muito modestos, porém criativos, e que têm sido muito bem recebidos, tanto na Espanha quanto nos festivais no exterior.

Zarauza compara a independência dos galegos com o cinema que se faz em Madri, “mais industrial, e, portanto, mais suscetível aos efeitos da recessão econômica”.

Fonte: http://goo.gl/srxGbE

 Escola de Fotografia – Desde 1975: http://focusfoto.com.br 
Conheça os cursos da Focus: 
http://focusfoto.com.br/cursos/ 
Fale com a Focus: 
[email protected] 
Veja  Ultimas Noticias sobre Fotografia: 
http://focusfoto.com.br/blogs/ 

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)