O TAMANHO DO SENSOR AINDA É IMPORTANTE PARA A FOTOGRAFIA?

em Dicas & Tutoriais, Equipamentos.

Tamanho do sensor, sensores digitais, mundo da fotografia, sensor fotográfico, qualidade de imagem, novidades, amazon, Focus escola de fotografia, aulas de fotografia, cursos de fotografia sp, escolas de fotografia EAD, escola focus, cursos de fotografia presencial SP, Enio Leite, curso de fotografia profissional online, atletas nuas, aula de fotografia, fotografia profissional, São Paulo, SP,

Uma das verdades do mundo da fotografia digital é que quanto maior o sensor fotográfico da câmera, melhor será a qualidade de imagem. Mas, isso pode não ser uma verdade em alguns anos

Eu sou um velho dentro da fotografia. Sabe aquela pessoa que tem dificuldade com as novidades e acha que as coisas não vão mudar?

MeioBit/Gilson Lorenti

Então, sou eu. Fazer exercício de futurologia não é comigo. Quando os celulares começaram a fazer fotos eu pensei que nunca iriam desbancar câmeras fotográficas de verdade.

Ou seja, cuspi para cima, e caiu na minha testa. Hoje celulares podem executar fotos com a mesma qualidade de câmeras compactas, o que demonstra o grande desenvolvimento da tecnologia. Agora, uma reflexão tem que ser feita: o tamanho do sensor fotográfico é tão importante assim para a fotografia digital atual?

Quem colocou-se a pensar sobre isso foi o Richard Butler do Dpreview. Ele levantou algumas questões muito bacanas e interessantes sobre o tamanho do sensor fotográfico para a qualidade da fotografia.

De regra sempre ensinamos nos cursos de fotografia que quanto maior o sensor fotográfico de uma câmera, melhor será a qualidade de imagem. Basicamente essa afirmação é feita por 3 motivos. Na realidade 1 motivo principal e 2 que são secundários, mas muito importantes. O motivo principal é o tamanho do pixel do sensor.

Quanto maior a superfície do sensor fotográfico, maior será o pixel. Por isso que dizemos que aumentar a resolução de uma câmera sem mudar o tamanho físico do sensor é negativo para a qualidade de imagem. Com mais pixels eles precisam diminuir de tamanho para caberem na mesma superfície. Um pixel grande capta luz com mais qualidade e maior eficiência.

O segundo motivo é que, com o pixel maior, temos um menor aparecimento de ruido em ISO elevado e a faixa dinâmica da captação da imagem também aumenta. E o que é faixa dinâmica? Imagine uma foto de paisagem onde uma zona da imagem tem muito sol e na outra muita sombra. A capacidade de captar detalhes nessa variação brusca de luz na mesma foto é o que chamamos de faixa dinâmica do sensor.

E o terceiro motivo de falarmos da qualidade dos sensores grandes é que as lentes, por conta do grande tamanho do sensor, possuem um diâmetro muito maior, o que permite diafragmas maiores e o controle da profundidade de campo. Lembrando que o que causa a perda de profundidade de campo (aquele desfoque bacana na foto) é o diâmetro do diafragma e não, necessariamente, o f/stop.

Porém, Butler nos chama a atenção para a chamada Fotografia Computacional e como ela está transformando o modo como entendemos a qualidade da fotografia digital. Hoje os Smartphones são capazes, através de câmeras duplas e processamento interno, de simular a perda da profundidade de campo entregando um Bokeh artificial. Ainda não é perfeito, mas imagino o que será capaz com mais alguns anos de desenvolvimento técnico.

Por outro lado, a maior parte dos smpartphones agora é capaz de fazer uma grande sequência de fotos e combiná-las em uma única imagem de maneira rápida e automática. Isso reduz o aparecimento de ruido nas imagens e aumenta consideravelmente o alcance dinâmico dos minúsculos sensores.

Outra coisa que deve ser levado em conta é o avanço tecnológico dos novos sensores em produção. Sensores menores com tecnologia BSI (retroiluminados) continuam pequenos, mas tornaram mais eficiente a captura da luz, o que seria a sua grande desvantagem.

Além disso, sensores menores possuem uma velocidade de leitura e transmissão de dados muito mais rápidos do que sensores maiores, o que é extremamente benéfico para a captura de vídeo e a velocidade de funcionamento do equipamento. É possível trazer essa velocidade de leitura para os sensores maiores, mas o custo da tecnologia é elevado. Sem falar que sensores menores também geram câmeras e lentes menores e mais leves.

Ainda hoje, se você quer obter o melhor resultado possível, um sensor maior é a melhor pedida para sua fotografia. Mas, a junção de melhores tecnologias, com um processamento mais eficiente e lentes mais nítidas e luminosas, estão transformando a fotografia com sensores pequenos em algo bom o suficiente para a maior parte das pessoas.

No futuro, se a tecnologia continuar evoluindo assim, poderemos ter uma grande disponibilidade de equipamentos com alto desempenho e tamanho reduzido, até mesmo smartphones.

Fonte: https://goo.gl/ncpHW3

Aproveite para rever mais dicas sobre sensores digitais nas suas apostilas, bibliografias e vídeos das aulas de fotografia dos cursos profissionalizante da Escola Focus.

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: G1 - 12/03/2020)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)