O TRIÂNGULO DE EXPOSIÇÃO: ABERTURA, VELOCIDADE DO OBTURADOR E ISO NA FOTOGRAFIA

em Artigos e Entrevistas, Notícias.

Triângulo de exposição, abertura, velocidade do obturador, ISO, fotografia, fotógrafo amador, profissional, fotografia escolas, amazon, Focus escola de fotografia, aulas de fotografia, cursos de fotografia sp, escolas de fotografia EAD, escola focus, cursos de fotografia presencial SP, Enio Leite, curso de fotografia online, aula de fotografia, fotografia profissional, focusfoto,  Marina Ruy Barbosa

Aprender sobre fotografia nem sempre é fácil, mas algumas informações podem fazer com que você desponte de um fotógrafo amador para um quase profissional

  • Saiba tudo sobre o Triângulo de Exposição: abertura, velocidade do obturador e ISO explicado.
  • Oficina da Net/Priscilla Kinast
  • Triângulo de Exposição” até parece nome de filme de romance entre policiais do FBI, mas na realidade esse é o termo usado para descrever os três elementos fundamentais da exposição na fotografia: Abertura, velocidade do obturador e ISO. Se você está aprendendo mais sobre técnicas de fotografia, siga sua leitura, pois o assunto é muito interessante.
  • O triângulo de exposição explicado
  • Criar uma exposição harmoniosa usando a abertura, velocidade do obturador e ISO é um ato de malabarismo. Assim que tomar uma decisão sobre um elemento a ser capturado, você precisará pensar em outros detalhes.
  • O truque para equilibrar o Triângulo de Exposição é fazer com que todos os três elementos trabalhem juntos, para que você obtenha os resultados desejados, e não se contentar com o que a câmera diz que você pode fazer.
  • Por causa disso, vale a pena entender os fundamentos da velocidade do obturador (quanto tempo o sensor da câmera fica exposto à luz), o que é uma abertura (quanto luz a lente permite, que também afeta profundidade de campo), e ISO (o nível de sensibilidade do sensor). Depois de entender isso, não há nada que você não possa fazer em termos de fotografia.
  • Além do seu papel na exposição, a escolha da abertura, velocidade do obturador e ISO têm um impacto significativo na aparência das suas fotos.
  • Abertura x Velocidade do obturador X ISO
  • A abertura, como mencionamos acima, afeta a profundidade de campo ou o quanto de uma imagem parece nítida.
  • A velocidade do obturador também afeta a nitidez da imagem, com velocidades mais lentas do obturador levando a imagens tremidas – que pode ser causado pelo movimento do objeto ou da câmera.
  • A escolha do ISO permite que você use a combinação ideal de abertura e velocidade do obturador quando a quantidade de luz normalmente o impede de fazer isso. No entanto, aumentar o ISO também reduz a qualidade de suas imagens.
  • Use o triângulo de exposição para decidir como ajustar a exposição da foto: Quando você aumenta a exposição de um elemento, você precisa reduzi-lo para um ou ambos os outros elementos para manter a mesma exposição.
  • A câmera pode fazer isso por você em Programa, Prioridade de Abertura ou Prioridade de Obturador, mas é algo que você precisa considerar fazer em Modo Manual. A partir do momento que você dominar o triângulo da exposição, você terá muito mais controle sobre a aparência de cada imagem capturada.
  • Também vale a pena lembrar que, nas câmeras analógicas, a velocidade do obturador e a abertura eram as únicas variáveis ​​de exposição que você poderia mudar de uma tomada para outra, conforme o tipo de filme que você estava usando.
  • Mas com a introdução de câmeras digitais, foi possível alterar a ISO em tempo real. Felizmente, os fotógrafos de hoje têm muito mais controle sobre a exposição do que nos tempos da analógica.
  • Entendendo a exposição na fotografia
  •  A exposição permite que a luz atinja o sensor da câmera para capturar uma imagem. Ela é medida no que comumente é chamado de “paradas”, com cada parada representando o dobro ou metade do nível de exposição da parada adjacente. Aumente a exposição em uma parada, e o sensor da câmera recebe o dobro do nível de exposição. Diminua em uma parada e o nível de exposição é reduzido pela metade.
  • As três configurações da câmera que controlam a abertura da exposição, velocidade do obturador e ISO, podem ser medidas em paradas. Por exemplo, uma velocidade do obturador de 1/50 seg, é uma parada mais lenta que 1/100 seg, o que significa que o sensor fica exposto pelo dobro do tempo. No entanto, a mesma velocidade do obturador de 1/50 seg expõe o sensor pela metade do tempo de uma velocidade do obturador de 1/25 seg.
  • A ISO é igualmente clara, com uma ISO de 400, uma parada mais sensível que a ISO 200, mas uma parada menos sensível que a ISO 800. A relação entre a faixa de abertura disponível em uma lente é semelhante, mas a sequência numérica é mais confusa: O fato de que f / 5.6 é uma parada menor que f / 4, mas uma parada maior que f / 8, demora um pouco para ser entendida.
  • Depois de ativar o medidor da câmera pressionando o obturador até a metade, a câmera sugerirá uma exposição com base no brilho da área que está sendo medida. Isso geralmente é expresso na ordem de um valor de velocidade de obturador, em uma determinada abertura e ISO – digamos 1/60 seg. em f / 8, ISO 200.
  • Nos modos automático e de cena da câmera, isso é o máximo possível. Os modos de exposição semiautomáticos – Prioridade de Abertura, Prioridade de Obturador e Programa – lhe dão mais controle sobre como você expõe a tomada, cada um de uma maneira diferente; enquanto o modo Manual oferece total controle sobre a abertura, velocidade do obturador e ISO.
  • Embora possa haver uma exposição preferida, há várias maneiras de alcançá-la. É tudo uma questão de equilíbrio: Se você aumentar uma das três configurações que controlam a exposição (abertura, velocidade do obturador ou ISO), uma ou ambas as outras configurações precisam diminuir, em um total equivalente para manter o mesmo nível geral de exposição.
  • Por exemplo, uma exposição de 1/25 s em f / 16, ISO 100 é equivalente a uma exposição de 1/400 seg a f / 2.8, ISO 100. Como a velocidade do obturador foi reduzida em quatro paradas (1/25 – 1/50 – 1/100 – 1/200 – 1/400), o que significa que menos luz está sendo capturada, a abertura deve aumentar em quatro paradas (f / 16 – f / 11 – f / 8 – f / 5.6 – f / 2.8) para permitir mais luz – caso contrário, a imagem seria quatro pontos mais escuros.
  • Você quer uma grande profundidade de campo ou uma superficial? Você quer que objetos em movimento sejam afiados ou tenham borrões de movimento? No modo manual, tudo depende do seu gosto e criatividade.
  • Isso é muito complexo para você?
  • Não entre em pânico! Se você escolher fotografar em um dos modos semiautomáticos, a câmera fará a maior parte do trabalho para você. Depois de definir uma abertura no modo de Prioridade de Abertura, por exemplo, a velocidade do obturador será definida automaticamente. Se você decidir mudar a abertura, a câmera ajustará a velocidade do obturador de acordo, para manter a mesma exposição.
  • Algo semelhante acontece com o modo Prioridade do Obturador: Você define a velocidade do obturador e a câmera tenta combinar isso com uma abertura apropriada. Você pode até usar a opção Auto ISO, para deixar a câmera lidar com essa escolha de sensibilidade também. No modo de programação, você pode simplesmente mudar a combinação de abertura e velocidade do obturador com um giro do botão de controle da câmera.
  • Compensação de exposição
  • É claro que todos esses ajustes dependem que a câmera tenha alcançado a leitura de exposição ideal para começar, e isso nem sempre acontece. É aqui que a compensação de exposição desempenha um papel.
  • A compensação de exposição pode ser aplicada nos modos Prioridade de Abertura, Prioridade de Obturador ou Programa. Ele também é medido em paradas: A escala do indicador de exposição que você vê no visor ou no visor traseiro da câmera para com nitidez marcada. Você geralmente pode aumentar ou diminuir a exposição em até cinco paradas.
  •  Você verá que há marcas menores na escala também. Estes representam meia-parada ou terceira parada, dependendo de como sua câmera está configurada. Embora a exposição possa ser alterada em pontos finais, você terá um controle muito mais fino, ajustando a exposição nesses incrementos menores.
  • Fonte: https://goo.gl/S7REYG
  •  Aproveite para rever mais dicas sobre manuseio de câmeras nas suas apostilas, bibliografias e vídeos das aulas de fotografia dos cursos profissionalizante da Escola Focus.
  • FOCUS – Escola de Fotografia – Desde 1975:  https://focusfoto.com.br  
  • Conheça os cursos da Focus: https://focusfoto.com.br/cursos/ 
  • Fale com a Focus: [email protected]
  • Blog de Fotografia: https://focusfoto.com.br/blogs/  

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)