Olympus pode ter ligação com a máfia

em Notícias.

escola focus olympus pen ft-wp enio leite noticias sobre fotografia dicas de fotografia

Investigações sobre fraudes contábeis na companhia japonesa apontam para possíveis pagamentos ao crime organizado no Japão

Autoridades japonesas dizem que pelo menos US$ 4,9 bilhões não foram contabilizados num escândalo financeiro na Olympus e estão investigando se boa parte desse dinheiro foi para companhias relacionadas ao crime organizado.

Num memorando preparado por investigadores que circulou numa reunião recente das autoridades da Comissão de Vigilância das Bolsas de Valores do Japão, o escritório da promotoria de Tóquio e o Departamento e Polícia Metropolitana de Tóquio, as autoridades dizem que estão tentando determinar se a Olympus trabalhou com sindicatos do crime organizado para ocultar bilhões de dólares em prejuízos passados com investimentos, e depois pagou-lhes uma soma exorbitante por seus serviços.

O memorando – do qual o New York Times obteve uma cópia de uma pessoa próxima das investigações oficiais – parece vincular pela primeira vez os prejuízos da Olympus a grupos do crime organizado.

Ele também sugere que os investigadores acreditam que os pagamentos ilícitos da Olympus foram muito além do cerca de US$ 1,4 bilhão em comissões de fusão e pagamentos de aquisição que ficaram sob recente escrutínio, fazendo do caso um dos maiores escândalos da história corporativa do Japão.

Investigação interna

A Olympus, fabricante de aparelhos médicos por imagens e de câmeras digitais, anunciou recentemente que uma investigação interna havia revelado que a companhia usou uma série de aquisições deficitárias para ocultar prejuízos com investimentos nos anos 90, mantendo esses prejuízos fora dos livros durante décadas. A Olympus disse a um painel de especialistas independentes que ainda está contabilizando os números das perdas.

A companhia disse que todas as transações foram para mascarar prejuízos. Ela negou rumores de que tentou contratar notórios sindicatos do crime organizado do Japão, conhecidos como Yakuza, para ajudá-la a orquestrar o encobrimento.

Mas, segundo o memorando dos investigadores, a Olympus fez pagamentos que ultrapassam muitas vezes os prejuízos que buscava ocultar, e os investigadores suspeitam que boa parte do dinheiro adicional foi para grupos criminosos.

A Olympus gastou um total de 481 bilhões de ienes, ou US$ 6,25 bilhões, em pagamentos de aquisições, investimentos e honorários de consultoria questionáveis de 2000 a 2009, segundo o memorando, mas somente 105 bilhões de ienes receberam baixa ou foram contabilizados de alguma outra forma em suas declarações financeiras. Isso deixa 376 bilhões de ienes, ou US$ 4,9 bilhões, não contabilizados, segundo o documento.

Crime organizado

O memorando diz ainda que os investigadores acreditam que mais da metade dessa quantia foi canalizada para sindicatos do crime organizado, incluindo o maior do país, o Yamaguchi Gumi. O documento não deixa claro se a Olympus sabia desses vínculos, mas se isso for confirmado, uma associação com o crime organizado poderá provocar a retirada das ações da Olympus da Bolsa de Valores de Tóquio, pelas regras da bolsa.

O memorando sugere que a Olympus pode ter sido coagida pelo crime organizado, que sabia das fraudes ou ajudou nos encobrimentos anteriores, canalizando quantias cada vez maiores para fora da empresa.

“A Olympus foi explorada sobre seus encobrimentos, totalizando perdas de 50 bilhões de ienes, e desde 2000, mais de 200 bilhões de ienes desapareceram na economia subterrânea”, diz o memorando.

Dirigentes da Olympus disseram na quinta-feira que não tinham nada a comentar de imediato. Em 26 de outubro, quando perguntado sobre a possibilidade do envolvimento de “forças antissociais” no escândalo, um eufemismo para crime organizado, o presidente da Olympus, Shuichi Takayama, disse: “Eu não reconheço absolutamente isso”. Até agora, três diretores da empresa foram dispensados ou se demitiram.

Os problemas com as aquisições da Olympus foram ventilados pela primeira vez em agosto na revista japonesa Facta. O escândalo se aprofundou em outubro, depois que a Olympus demitiu seu presidente executivo, Michael C. Woodford, que disse ter sido destituído após questionar o conselho da companhia sobre alguns pagamentos.

Fonte: http://surgiu.com.br/noticia/21502/olympus-pode-ter-ligacao-com-a-mafia.html

 

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)